Comentário: nulidade do Tratado INF aumenta riscos de segurança mundial

Published: 2019-08-02 20:48:29
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

À medida em que os EUA declararam que haviam terminado os seis meses de procedimento de se retirarem do Tratado INF, o documento tornou-se inválido a partir de hoje (2). A ação dos EUA mostra seu unilateralismo e hegemonismo e certamente reduzirá a confiança estratégica mútua entre os países e agravará as corridas armamentistas entre as regiões em foco, trazendo novos riscos para os padrões de segurança mundial estabelecidos.

O Tratado INF é considerado o acordo de controle de armamento de maior sucesso alcançado durante a Guerra Fria e contribuiu para a coordenação do equilíbrio estratégico entre os EUA e a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, a redução dos riscos de confronto e a prevenção da proliferação nuclear.

O Tratado INF é sempre um foco do jogo estratégico entre os EUA e a Rússia. Devido às políticas de segurança exterior adotadas pelo novo governo norte-americano, a contradição sobre o tratado entre os dois países se destacou. Em fevereiro, os EUA suspenderam seu cumprimento do documento, afirmando que a Rússia violou os regulamentos primeiro e iniciaram o procedimento de seis meses para retirarem-se do tratado. Como resposta, o presidente russo assinou uma ordem em março e também parou a implementação do documento.

No entanto, a intenção dos EUA é romper com as restrições do atual mecanismo de segurança internacional e abrir um caminho para o fortalecimento da sua disposição militar, mostrando sua lógica de hegemonismo que persegue a absoluta dissuasão militar no mundo. Sem dúvida, a retirada unilateral dos EUA danificará multiplamente a situação da segurança global. A saída prejudicará ainda mais as relações entre os dois Estados, fará com que a Europa enfrente um maior risco de segurança, além de complicar os padrões de segurança no eixo Ásia-Pacífico.

Depois de ficar ciente da decisão dos EUA, a China deseja sempre que os dois países envolvidos possam defender o documento através da comunicação e do diálogo. Os EUA repetidamente têm tentado puxar a China para dentro do assunto, porém, a China mostra uma oposição firme e clara, e acredita que como a maior potência em armas nucleares, os EUA assumem reponsabilidades especiais e prioritárias no desarmamento nuclear. Eles devem cumprir os atuais tratados e reduzir significativamente as armas nucleares, a fim de não colocarem sua culpa em outros países e criarem condições para outras nações participarem das negociações sobre o desarmamento nuclear.

A China adere à política defensiva da defesa nacional. De acordo com o recém-publicado Livro Branco da Defesa Nacional da China, o país adota uma política de não usar primeiro as armas nucleares em qualquer momento e sob qualquer circunstância e mantém sempre sua força nuclear no nível mais baixo exigido pela segurança nacional. A China não está disposta a se envolver em nenhuma corrida armamentista, mas uma vez que o ambiente de segurança externa se deteriorar, tomará as medidas necessárias para proteger efetivamente seus interesses.

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

“Museu do Tempo 2019” foi inaugurado em Beijing
Festival de corrida de cavalos em Sichuan
Exposição de peixinhos dourados foi aberta ao público
Panorama noturno do Parque Geológico de Gansu
Baoding: rotação de ponte com mais de 80,000 toneladas concluída com sucesso
Paisagem da seção de Jinshanling da Grande Muralha

Notícias

Comentário: nulidade do Tratado INF aumenta riscos de segurança mundial
Principal mídia dos EUA transmite documentário sobre redução da pobreza na China
China e UE concordam em continuar defendendo Acordo Geral sobre Questão Nuclear Iraniana
Yang Jiechi reafirma que assuntos de Hong Kong da China não podem ser interferidos por forças externas
ELP assume novas tarefas na era atual
Nanchang sedia cerimônia de acendimento da tocha dos Jogos Mundiais Militares