Comentário: Hegemonia norte-americana é a verdadeira destruidora da ordem internacional

Published: 2019-07-24 21:04:26
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Mais de cem falcões dos EUA assinaram recentemente uma carta aberta criticando a China por ignorar os princípios e regulamentos da atual ordem internacional, incitando uma confrontação com a China. Arrogantes, ignorantes e cheios de preconceitos, os falcões estão invertendo o correto e o errado.

O fato justificou que há tempos a hegemonia norte-americana, marcada pelo unilateralismo, protecionismo e extremo egoísmo é a verdadeira destruidora da ordem internacional.

Estabelecida após a Segunda Guerra Mundial, a ordem internacional vigente tem desempenhado um papel positivo. O mecanismo de segurança coletiva tendo como núcleo a ONU salvaguardou efetivamente a paz e o desenvolvimento mundial.

No entanto, para os falcões norte-americanos, os EUA devem ser, como sempre, o núcleo da ordem internacional, que serve para preservar a hegemonia unipolar norte-americana. Quando eles descobriram que a ONU não pode ajudá-los a concretizar seus objetivos, pretendem lançar um “ataque suicida” contra a atual ordem internacional, com o intuito de destrui-la para manter a hegemonia norte-americana.

O que o atual governo norte-americano vem fazendo para destruir a ordem internacional foi muito além da imaginação da comunidade internacional.

Por um lado, os EUA utilizam a cobrança de tarifas contra China, México, Canadá, União Europeia e Índia, provocando atritos comerciais com esses blocos econômicos. Desonraram abertamente seus deveres na Organização Mundial do Comércio (OMC) e causaram fortes impactos à cadeia global industrial e estrutura setorial internacional, baseadas no sistema de livre comércio.

Por outro lado, Washington anunciou a sua retirada do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, da UNESCO, do Acordo de Paris sobre o clima e do acordo nuclear iraniano. Além disso, prejudicou o funcionamento da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), impediu a reforma da OMC e procurou se retirar de qualquer jurisdição internacional.

Com tudo isso, alguns políticos norte-americanos criticam ainda a China por ignorar a ordem internacional. Por quê? Porque no fundo, a ordem internacional tendo como núcleo a ONU e sua Carta, que a China tenta preservar, não é a “ordem de potência” que querem. Furiosos, esses políticos difamam o país asiático, dizendo que Beijing está desafiando a ordem internacional.

Até alguns dos tradicionais aliados dos EUA estão reagindo. Com a ampliação da divergência na questão iraniana, a chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou que “a ordem internacional pós-guerra” está incerta.

O mundo está encarando mudanças sem precedentes. A ordem internacional e o sistema de governança global devem ser definidos por toda a comunidade internacional. A hegemonia unipolar norte-americana só vai ser uma ameaça ao mundo. É necessário se manter altamente alerta.

Tradução: Inês Zhu

Revisão: Gabriela Nascimento

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Vista aérea do Lago Oeste em Hangzhou
Festival Internacional de Circo da China realizado em Zhuhai
Reserva Nacional Natural de Wanglang, na província de Sichuan
Cenário de neve no parque Beiling em Shenyang
Panda gigante brinca na neve em Heilongjiang
Paisagem do lago Ruqin no ponto turístico de Lushan em Jiangxi

Notícias

Presidentes da China e do Suriname reúnem-se em Beijing
Presidente chinês salienta importância de cultivar talentos militares
Políticos dos EUA difamam a imagem da China com intenções sinistras, disse porta-voz da Chancelaria
Comentário: Investidores globais estão otimistas com o mercado de capitais da China
Compatriotas de Taiwan têm tratamento igualitário em mais setores na parte continental chinesa
Alto funcionário do PCCh critica ato dos EUA sobre Hong Kong