Comentário: a China combate o protecionismo com sua abertura

Published: 2019-06-27 21:13:25
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

No último ano, vimos reportagens negativas com frequência sobre o mercado econômico. A economia global, que acabou de sair de uma crise financeira e se recupera devagar, está enfrentando um grande risco: o protecionismo. O protecionismo vai dirigi-la para uma nova desaceleração. O mundo todo está esperando que a Cúpula do G20, em Osaka, possa tomar uma atitude forte contra o protecionismo e puxar a economia global para a órbita de crescimento.

Em 2013, a China já havia apresentado a ideia de “criar uma economia mundial aberta” e tem persistido em promovê-la. Em março de 2019, a Assembleia Popular Nacional aprovou a Lei de Investimento Estrangeiro, garantindo mais um avanço na ampliação da abertura.

Desta forma, as empresas multinacionais aumentaram os investimentos na China. Segundo a estatística do Ministério do Comércio da China, o uso real dos investimentos estrangeiros nos primeiros cinco meses deste ano atingiu US$ 53,6 bilhões, sendo um crescimento de 6,8% em comparação com o mesmo período do ano passado. No contexto em que o investimento estrangeiro direto global diminuiu significativamente, o fenômeno mostra que as empresas estrangeiras têm confiança no mercado chinês e na abertura da China.

A ampliação da abertura da China ainda beneficiou as regiões menos desenvolvidas. A CEO do Development Reimagined, Hannah Ryder, afirmou que em 2000, o valor que a China importou dos países não africanos foi 44 vezes maior que o dos países africanos, e agora reduziu para 22 vezes, sendo um grande progresso. Por outro lado, o mesmo valor dos EUA cresceu de 43 vezes para 70 vezes, significando que o mercado norte-americano está se fechando para a África. Ela espera que as economias desenvolvidas possam quebrar as barreiras comerciais e ajudar as regiões menos desenvolvidas da África a integrarem o desenvolvimento econômico mundial.

A adesão ao unilateralismo e autoritarismo talvez permita que alguns países se desenvolvam rapidamente temporariamente, mas suas práticas prejudicaram e até reprimiram o desenvolvimento de outros países. A longo prazo, eles inevitavelmente pagará um alto preço por essas práticas.

Segundo o jornal The New York Times, para evitar a sanção severa contra a empresa chinesa Huawei, algumas empresas tecnológicas dos EUA estão procurando canais contínuos para fornecer produtos à Huawei, ou pensando em transferir algumas linhas de produção e serviços para o exterior, porque sabem da importância do mercado chinês. No Reino Unido, o historiador da Universidade de Cambridge, Martin Jacques, sugeriu que os membros do G20 apoiem as medidas que promovem o desenvolvimento econômico mundial, incluindo o multilateralismo, instituições multilaterais e a cooperação multilateral.

Nesta Cúpula, a China continuará defendendo o multilateralismo e a governança global por meio da ampliação de sua abertura. Esta é a responsabilidade da China como um grande país responsável para o mundo e a esperança do mundo para a China.

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Exposição Econômica e Comercial China-África inaugurada em Changsha
Osaka, cidade anfitriã da cúpula do G20
Bela paisagem ao redor do Lago Sayram em Xinjiang
Inaugurada "a livraria mais linda da China" em Beijing
China começa a testar primeira linha de metrô que atravessa Rio Amarelo
Campo de girassol em Nanjing

Notícias

Economista brasileiro: prática econômica e comercial da China e dos EUA tem diferença importante
Xi Jinping poderá realizar visita de Estado ao Japão na próxima primavera
Comentário: a China combate o protecionismo com sua abertura
Presidente chinês e primeiro-ministro japonês se encontram em Osaka
Xi Jinping se encontra com o presidente da Coréia do Sul em Osaka
Chang'e-4 volta a operar pelo sétimo dia lunar