Acadêmicos preveem efeito negativo do atrito comercial na economia mundial

Fonte: CRI Published: 2019-05-29 18:49:37
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Os acadêmicos estrangeiros e chineses apontaram nesta terça-feira (28) um efeito negativo do atrito comercial para a economia mundial. No Painel Anual de Think Tank sobre Assuntos da China, promovido pelo Centro para China e Globalização (CCG, na sigla em inglês) e pelo Programa de Think Tank e Sociedade Civil da Universidade da Pensilvânia, os peritos debateram a disputa comercial incitada pelo governo dos Estados Unidos, destacando que ninguém ganha neste confronto.

Para o vice-diretor do Instituto norteamericano de Cato, Christopher Preble, o grande desenvolvimento da globalização conscientiza as pessoas da importância do comércio livre. Qualquer ação que pretenda danificar o comércio é nociva e uma barreira para as relações pacíficas. Ele criticou o pensamento de soma zero da Casa Branca:

“Acredito que o governo de Donald Trump tem tratado o comércio como um jogo de soma zero. Quando um ganha, o outro perde decerto. Neste contexto, ele só enxerga que a China se desenvolveu muito nos últimos 30 anos, mas os Estados Unidos não. Portanto, ele julgou que o sucesso da China é atribuído pelo consumo dos norteamericanos. Eu não concordo.”

Já o pesquisador sênior do Instituto Real de Assuntos Internacionais do Reino Unido (Chatham House), Tim Summers, indicou que a escalada de Washington do atrito comercial impacta de forma completamente negativa a macroeconomia e ainda pode prejudicar a operação de longo prazo das empresas transnacionais.

“Isso causa influências negativas no nível macroeconômico. Afetará o crescimento do PIB tanto da China como dos Estados Unidos, provocando assim um imenso desafio para a economia global. Não só a curto prazo, mas ainda a longo prazo mudará a maneira dos empresários em termos de como organizar a produção e a disposição dos negócios. Até mesmo a cadeia global de suprimentos e a rede de inovação formada nos últimos 40 anos enfrentarão mais dificuldades.”

Os especialistas chineses explicam também a questão da visão global. O professor da Universidade de Economia e Negócios Internacionais, Wang Jian, opinou que, apesar do conflito comercial, o processo de globalização não parará.

“Do ponto de vista dos negócios, os países dependem mais um do outro, ou seja, o mundo se torna cada vez mais pequeno. De fato, as restrições comerciais entre a China e os EUA não corta e nem cortará as ligações nos campos industrial e tecnológico.”

Falando de perspectivas, Wang Yong, como diretor do Centro de Pesquisa em Política e Economia Internacional da Universidade de Pequim, enfatizou que as empresas serão as mais prejudicadas.

“Se a Casa Branca persistir nas atuais políticas, as empresas norteamericanas podem perder o mercado chinês. As tecnologias dos Estados Unidos não são únicas. A China abre mais as portas à Europa, Japão e outros. A inovação é global. A longo prazo, as empresas norteamericanas engolirão esta fruta amarga.”

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Vista aérea do Lago Oeste em Hangzhou
Festival Internacional de Circo da China realizado em Zhuhai
Reserva Nacional Natural de Wanglang, na província de Sichuan
Cenário de neve no parque Beiling em Shenyang
Panda gigante brinca na neve em Heilongjiang
Paisagem do lago Ruqin no ponto turístico de Lushan em Jiangxi

Notícias

Presidentes da China e do Suriname reúnem-se em Beijing
Presidente chinês salienta importância de cultivar talentos militares
Políticos dos EUA difamam a imagem da China com intenções sinistras, disse porta-voz da Chancelaria
Comentário: Investidores globais estão otimistas com o mercado de capitais da China
Compatriotas de Taiwan têm tratamento igualitário em mais setores na parte continental chinesa
Alto funcionário do PCCh critica ato dos EUA sobre Hong Kong