Especialista: Cinturão e Rota nasceu na China, mas pertence ao mundo

Published: 2019-04-17 17:49:13
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Será realizado no final de abril em Beijing o 2º Fórum do Cinturão e Rota para Cooperação Internacional. Atualmente, a China assinou 172 documentos cooperativos com mais de 150 países e organizações internacionais, fazendo o Cinturão e Rota a maior proposta de cooperação com grande participação dos países do mundo. O que uma China desenvolvida pode trazer ao mundo? O professor da Universidade Renmin da China e também professor cátedra “Jean Monnet” da União Europeia, Wang Yiwei, disse que o Cinturão e Rota se apresentou como uma resposta clara à questão. Essa plataforma de cooperação nasceu na China, mas pertence ao mundo, e promoverá a globalização para uma direção ainda mais aberta, inclusiva, equilibrada e de benefício comum.

“Os resultados registrados pela iniciativa Cinturão e Rota nos últimos cinco anos foram frutíferos. Ela foi também incorporada nas diversas resoluções das Nações Unidas e recebeu repercussões positivas em todo o mundo. Isso não é fácil. Nesse sentido, ela pode ser considerada como a maior proposta de cooperação com a mais plena participação internacional, o que reflete as necessidades para uma maior interconexão de infraestrutura no âmbito mundial.”

O presidente chinês, Xi Jinping, indicou recentemente que o aspecto principal para promover o Cinturão e Rota nesse momento deve ser o aprofundamento dos projetos já atingidos, além de prevenir riscos possíveis e promover um desenvolvimento de alta qualidade. Para Wang Yiwei, o desenvolvimento de alta qualidade será exatamente um dos pontos-chave do fórum marcado para final de abril.

“Verde e limpa são palavras-chave desta edição do fórum, ou seja, nós enfatizamos um desenvolvimento sustentável e de alta qualidade, e também uma coordenação à agenda de desenvolvimento sustentável da ONU 2030. Por outro lado, a participação do setor empresarial será outro destaque que vai chamar grande atenção nesse evento. O Cinturão e Rota foi iniciado pelo governo, mas necessita de forças empresariais para poder se concretizar. Não só as empresas nacionais, mas também as privadas da China e dos países estrangeiros. Todas são importantes nesse processo.”

Em dezembro de 2018, o presidente chinês, Xi Jinping, fez uma visita oficial a Portugal. Durante a visita, a China e Portugal assinou um memorando de entendimento sobre a construção conjunta do Cinturão e Rota. Para Wang Yiwei, o gesto de Portugal traz influências positivas aos demais países europeus.

“Sendo o país precursor da era da exploração, a participação portuguesa é de grande significado na construção conjunta do Cinturão e Rota. Essa plataforma se originou da história e nasceu na China, mas pertence ao mundo inteiro.”

No final de abril, os lados participantes do Cinturão e Rota se reunirão em Beijing para trocar experiências e compartilhar desenvolvimento. A China irá continuar contribuindo com o seu conhecimento pelo desenvolvimento mundial e pela construção de uma comunidade de destino comum da humanidade.

Tradução: Li Jinchuan

Revisão: Erasto

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Cenário da aldeia Dong em Guizhou, sudoeste da China
Aberto o Salão Internacional do Automóvel de Shanghai
Confira fotos antes e depois do incêndio na Catedral de Notre-Dame
Feira de Importação e Exportação da China abre em Guanghzou
Mar de nuvens na montanha Sanqing
Festival de aspersão de água em Yunnan

Notícias

Jornalistas estrangeiros começam intercâmbios de estudo na China
Especialista: Cinturão e Rota nasceu na China, mas pertence ao mundo
OCDE prevê crescimento de 6% para economia chinesa
PIB chinês cresce 6,4% no primeiro trimestre
Novos investimentos da China em países do Cinturão e Rota superam US$ 3,7 bilhões no primeiro trimestre
Proteção de pântano em Haikou registra progressos notáveis