China dedica-se à promoção do desenvolvimento da indústria de manufatura

Fonte: CRI Published: 2019-01-16 20:48:42
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

O vice-ministro chinês da Indústria e Tecnologias de Informação, Xin Guobin, prometeu impulsionar o desenvolvimento da indústria manufatureira, através da promoção da modernização das indústrias tradicionais e da redução de custos das empresas de manufatura. Xin Guobin fez a afirmação em uma coletiva de imprensa organizada pelo Gabinete de Imprensa do Conselho de Estado chinês nesta quarta-feira (16).

A promoção do desenvolvimento de alta qualidade da indústria manufatureira já havia sido confirmada como uma prioridade para 2019 na Reunião Central de Trabalho Econômico da China, realizada no fim do ano passado em Beijing. Segundo Xin Guobin, nos últimos anos, a China acelerou seu ritmo na redução da capacidade produtiva excessiva na área siderúrgica e obteve grandes êxitos neste aspecto. Desde 2016, o país lidou com mais de 150 milhões de toneladas de capacidades produtivas de aço bruto. A relação entre oferta e demanda neste setor mudou significativamente. Para o próximo passo, o governo central vai continuar apoiando a otimização da disposição estrutural do setor siderúrgico, além de expandir os esforços em redução de capacidade produtiva para as áreas de cimento e vidro. Xin Guobin disse que:

“É necessário proibir a expansão da capacidade produtiva nos novos projetos quanto ao aço, cimento e vidro plano, além de controlar as novas capacidades de produção em alumínio electrolítico. Os grandes projetos sobre a transformação e atualização tecnológica deve ser uma prioridade dos trabalhos.”

O Ministério da Indústria e Tecnologia de Informação da China está se esforçando para reduzir a carga de custos das empresas de manufatura, de forma a melhorar ainda mais a competitividade no setor, afirmou Xin Guobin.

A redução de impostos e taxas assumidos pelas empresas também ajuda a promover empregos. Em 2019, a enorme pressão de emprego continua sendo um desafio para a sociedade chinesa. O número de pessoas que precisam de trabalho nas cidades ultrapassará 15 milhões neste ano. Entre eles, 8,34 milhões são recém-graduados, batendo um novo recorde. O vice-ministro dos Recursos Humanos e da Seguridade Social, Qiu Xiaoping, deu sua explicação sobre o problema.

“O desenvolvimento estável das empresas é a maior garantia para o emprego. Estamos acelerando a implementação de redução da taxa do seguro social e aumentar o retorno do seguro desemprego. Por outro lado, o país elevará o montante do empréstimo garantido para incentivar o empreendedorismo de empresas. O valor máximo de pedido individual para empréstimos aumentará de 100 mil para 150 mil yuans. O montante para as pequenas e microempresas também elevará de dois milhões para três milhões de yuans. As medidas visam reduzir a carga de custos das companhias e ajudá-las a expandir o desenvolvimento.”

Na coletiva de imprensa, o assistente do ministro do Comércio chinês, Ren Hongbin, também declarou que vai impulsionar a diversificação do mercado e a exportação de produtos de alto valor agregado e expandir a importação, além de criar um ambiente de negócios internacionalizado, legalizado e conveniente.

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Linda paisagem de neve na montanha Huangshan
Carros conceituais apresentados no Salão do Automóvel de Detroit
Shanghai recebe a maior ponte para pedestres de impressão 3D do mundo
Chineses provam Mingau de Laba para celebrar Festival Laba
Veja fotos da semana de moda masculina de Milão
Aldeões preparam bolo de arroz tradicional para receber Ano Novo lunar em Zhejiang

Notícias

Primeiras-damas da China e da Finlândia assistem em conjunto a espetáculos
China tomará várias medidas para impulsionar desenvolvimento econômico estável
Presidente da Assembleia Geral da ONU elogia China por sua contribuição
Chui Sai On promete esforços nas relações entre governo, comunicação social e população
Em busca da reforma do sistema monetário internacional
Jornalistas de países ao longo do Cinturão e Rota visitam universidade islâmica de Xinjiang