Comentário: Cúpula do G-20 entrará no “horário argentino”

Published: 2018-11-29 20:37:01
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Perante o atual panorama internacional, marcado pela estagnação econômica, crescentes incertezas e riscos na economia, além do impacto do unilateralismo, protecionismo e pensamento anti-globalização sobre a ordem internacional, poderá a Cúpula retomar o seu papel de coordenação e orientação, como há dez anos atrás quando foi criada?

De acordo com o site Arabnews, sediado em Jeddah, na Arábia Saudita, a Cúpula do G20 na Argentina pode ser a edição mais importante da Cúpula desde a reunião de Londres em 2009, que teve como missão a solução da crise financeira internacional.

O coordenador dos assuntos do G-20 da Austrália, David Gruen, no entanto, está pessimista, pois segundo ele “não estamos vivendo mais num mundo onde todos os principais países reconhecem os acordos e entidades multilaterais, como o Acordo de Paris, a Meta de Desenvolvimento Sustentável e a Organização Mundial do Comércio”. Mesmo assim, Gruen ainda nutre a esperança de que a Cúpula do G-20 será eficaz.

As pessoas lembram-se ainda das estratégias utilizadas para combater a crise financeira internacional de 2008. O Fundo Monetário Internacional (FMI) baixou a perspectiva de crescimento econômico em 2009 de 3,8% para 1,3%. Para resgatar a economia mundial, os países do G-20 adotaram políticas fiscais de incentivo, e conseguiram um aumento de US$235 bilhões de empréstimos, evitando com sucesso a contaminação da política “Beggar thy Neighbor”, medida implementada a custo da economia do país parceiro comercial, assim como a expansão do protecionismo. A Cúpula do G-20, criada inicialmente para reagir à crise financeira, se tornou o principal fórum de cooperação econômica mundial.

O sucesso do G-20 na solução da então crise se deve à ampla representatividade dos países membros, à sua coordenação ativa nas políticas macroeconômicas e à ação pragmática de cooperação aberta. Os membros do Grupo incluem cinco países permanentes do Conselho de Segurança da ONU, países do BRICS e do Grupo dos Sete. Entre as três edições da Cúpula do G20 entre 2008 e 2009, os países membros, enquanto buscavam os próprios interesses, sempre atenderam também aos interesses dos outros.

Sendo o maior país em desenvolvimento e membro do G-20, a China desempenhou um papel importante na solução da crise financeira de 2008. Por um lado, o país se empenhou para que a economia doméstica não tivesse grandes flutuações, e por outro, apostou na abertura do mercado. Em 2009, a taxa de crescimento dos mercados emergentes foi apenas de 2,75%. Porém, a cifra saltou para 7,6% em 2010. Também no mesmo ano, o PIB chinês registrou uma alta de 10,4%, contribuindo para mais da metade do crescimento econômico mundial daquele ano.

Desde o anos de 2013, o presidente chinês, Xi Jinping, já participou de cinco edições da Cúpula do G-20. Ele sempre clamou pela “economia mundial aberta” e a “oposição ao protecionismo comercial e de investimento”.

Ao dar uma perspectiva à década passada do G-20, sentimos mais do que nunca a necessidade de uma ação pragmática de cooperação coordenadora, e um espírito de parceria de benefício recíproco.

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Cozinheiros participam de competição de habilidades culinárias em Hebei
Alunos de Qingdao fazem arte criativa com folhas
Panorama aéreo da ponte Leixin em Jiangxi
Exibição em homenagem aos 40 anos da reforma e abertura recebe visitantes estrangeiros
Pessoas da étnia Miao celebram festival tradicional em Guizhou
Fotos aéreas de cidade Yangzhou

Notícias

Banho medicinal do Tibete é incluído na lista da Unesco
Primeira-dama chinesa assiste ópera no Teatro Real da Espanha
Xi Jinping recebe em Madrid a chave de ouro da cidade
Xi Jinping recebe as boas-vindas do rei da Espanha no Palácio Real
Xi Jinping e Pedro Sánchez enfatizam progresso dos 45 anos de relações China-Espanha
​Documentários são transmitidos na China e na Argentina