China e Europa se empenham na criação de uma economia mundial aberta

Published: 2018-11-28 20:16:52
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

O vice-premiê chinês, Liu He, terminou hoje (28) sua visita à Alemanha. Ele se reuniu com a chanceler alemã, Angela Merkel, e proferiu um discurso temático na cerimônia de encerramento da cúpula de Hamburgo do 8º Fórum China-Europa. Com o crescente impacto do protecionismo sobre o comércio internacional, os esforços da China e da Europa de criar em conjunto uma economia mundial aberta emitirão um sinal positivo para a estabilidade econômica internacional.

Em mensagem transmitida à chanceler alemã, o presidente chinês disse que a China está disposta a cooperar estreitamente com a Alemanha para promover a governança global, salvaguardar o multilateralismo e o livre comércio, e criar uma economia mundial aberta.

No discurso, Liu He disse que a China e a Europa são defensores firmes das regras do livre comércio e do multilateralismo. Os dois lados possuem grandes interesses comuns, e devem aprofundar a cooperação e enfrentar em conjunto os desafios. De acordo com ele, o protecionismo e o unilateralismo não resolvem os problemas comerciais, ao contrário, só trazem ainda mais incertezas para a economia mundial. A China sempre defende que as questões sejam resolvidas em pé de igualdade e na base do respeito mútuo. Nenhuma parte sairá vencedora em uma guerra comercial, ressaltou o vice-premiê chinês.

Angela Merkel disse que a Alemanha está interessada na iniciativa chinesa Cinturão e Rota e sempre dá boas-vindas às empresas chinesas para investirem na Alemanha. Ela também manifestou a vontade de manter contatos com a China nas questões relacionadas ao comércio internacional. O ex-chanceler alemão, Gerhard Schroder, afirmou que a China, a Alemanha e a Europa têm deveres de salvaguardar o multilateralismo e o livre comércio.

Nos últimos anos, a abertura da economia mundial enfrenta grandes desafios. A sua força motriz enfraqueceu após dez anos de crise financeira global. Alguns especialistas disseram até que a economia mundial entrou em uma situação de “estagnação por longo tempo”. Nesse contexto, as promessas políticas e apoio das principais economias mundiais pelo livre comércio são de suma importância.

A China e a Alemanha, sendo parceiras estratégicas em todos os aspectos, têm um amplo espaço de cooperação na salvaguarda de uma economia aberta. Como dois grandes países no comércio e importantes investidores no exterior, a China e a Alemanha beneficiam-se do mercado internacional aberto.

A comissária da Comissão Europeia, Margrethe Vestager, disse no fórum que o volume econômico da China e da Europa representa 30% do total mundial. Junto com a China, a Europa é capaz de alterar a Organização Mundial do Comércio (OMC) em direção à equidade e justiça.

Ninguém saíra vendido da guerra comercial, isso já é um consenso entre a China e a Europa. No encontro em julho com o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, e o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, o presidente chinês, Xi Jinping, pediu que a China e a União Europeia atendessem à tendência da multipolarização, promovessem a facilitação do comércio e investimento, e aperfeiçoassem a governança global.

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Cozinheiros participam de competição de habilidades culinárias em Hebei
Alunos de Qingdao fazem arte criativa com folhas
Panorama aéreo da ponte Leixin em Jiangxi
Exibição em homenagem aos 40 anos da reforma e abertura recebe visitantes estrangeiros
Pessoas da étnia Miao celebram festival tradicional em Guizhou
Fotos aéreas de cidade Yangzhou

Notícias

Encontro de Xi Jinping e Trump pode conduzir futuro das relações sino-americanas
Embaixador chinês recebe a mais alta medalha diplomática do Brasil
Comentário: será que a Cúpula do G-20 atende as perspectivas de levar adiante a globalização?
​Realizado em Lisboa Seminário “Diálogo e Cooperação China-Portugal nos Media”
Cooperação do Cinturão e Rota injeta nova força motriz à península Ibéria
Chanceler argentino valoriza visita do presidente chinês