CIIE constitui plataforma para exibir produtos competitivos do Brasil

Published: 2018-10-29 16:59:52
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

A primeira Exposição Internacional de Importação da China (CIIE, sigla em inglês) será realizada entre os dias 5 e 10 de novembro em Shanghai. A organização do evento demonstra a determinação do governo chinês de apoiar o livre comércio, além de abrir novos canais para a cooperação econômica e comercial entre os países participantes. Os expositores do Brasil consideram em geral que a exposição constitui uma plataforma para mostrar os produtos brasileiros mais competitivos, oferecendo um alicerce para as empresas brasileiras entrarem no mercado chinês.

Como um dos organizadores da delegação brasileira para a CIIE, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) convidou mais de 70 empresas para Shanghai, abrangendo diversas áreas como alimento, serviços, equipamentos médicos e produtos de consumo. O vice-presidente da Federação, José Ricardo Coelho, afirmou que a CIIE oferece uma oportunidade para empresas brasileiras conhecerem de perto o mercado chinês.

“Nós estamos levando empresas, algumas bastante grandes, e empresários para conhecer um pouco mais a China e os empresários chineses, para buscar oportunidades de negócio com a China, também aprender um pouco mais os hábitos chineses, a cultura chinesa, e que tipo de produto que eles consomem.”

Na opinião de Coelho, a China é um país populoso, sua economia mantém um crescimento rápido e seu mercado possui grande potencial. Segundo ele, apesar do conflito comercial entre a China e os Estados Unidos, as empresas brasileiras não suspenderão seus passos de entrar no mercado chinês. 

“Acho que o mercado internacional não pode ser feito em cima de briga, mas tem que ser feito em cima de entendimento entre os países. O Brasil quer se aproximar, quer tornar um parceiro confiável, um fornecedor quer seja reconhecido no mercado chinês. Acho que o papel nosso dentro dessa feira é muito mais o de melhorar as relações.”

Coelho diz ver com bons olhos a perspectiva das empresas brasileiras no mercado chinês. Mas admitiu não ser fácil para as empresas estrangeiras se integrarem ao mercado chinês. Ele afirma que a realização da CIIE ajuda a superar essas dificuldades.

“Acho que, para nós, em primeiro lugar, é a distância, e depois, as dificuldades culturais. Você tem a questão de como se faz negócios, questão de hábitos, questão de que tipos de produtos são consumidos. E esse tipo de exposição pode encurtar a distância que existe entre o Brasil e a China.”

Nos próximos cinco anos, a China vai importar produtos e serviços em um valor total superior a US$ 10 trilhões, constituindo uma oportunidade histórica para empresas estrangeiras entrarem no grande mercado chinês. Coelho considera que a indústria alimentar brasileira obterá, com certeza, resultados satisfatórios na CIIE e também no mercado chinês. 

tradução: Shi Liang

edição: Rafael Fontana

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Mascote “Jinbao” feita de Legos apresentada na CIIE
Salas de exposições prontas para a próxima CIIE em Shanghai
Esta é a aldeia mais bela da China
Aeroporto de Shanghai implementa serviço de check-in automático
Livraria com design único inaugurada em Guiyang
Outono em Nanjing

Notícias

Xi Jinping parabeniza abertura de fórum sobre alívio da pobreza
Comentário: China abre cada vez mais sua porta ao mundo
China e Papua-Nova Guiné prometem fortalecer relações e cooperação sob Iniciativa do Cinturão e Rota
China assume presidência rotativa do Conselho de Segurança em novembro
Comentário: Economia privada impulsiona indústria emergente da China
Postos de observação meteorológica são inaugurados no arquipélago de Nansha