Comentário: flexibilidade da economia e grande mercado são as “munições” da China na guerra comercial

Published: 2018-10-17 17:34:38
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

 

Comentário: flexibilidade da economia e grande mercado são as “munições” da China na guerra comercial

Na entrevista com Lesley Stahl, jornalista do 60 Minutes da CBS, o presidente dos EUA, Donald Trump, disse que a China já esgotou sua “munição” para retaliar os EUA na guerra comercial.

No programa transmitido na noite do domingo (14), horário local, Trump negou que exista uma guerra comercial e a chamou de “pequenas escaramuças”, mesmo tendo falado em “guerra comercial” um dia antes. Ele disse a Lesley Stahl que está considerando esfriar essas “pequenas escaramuças” com a China, porque a China já não tem “munição” para retaliar.

A China publicou recentemente sua política tarifária contra os produtos norte-americanos em US$53,1 bilhões como retaliação às tarifas dos EUA sobre os produtos chineses, no valor de US$ 200 bilhões. Para Trump, a contramedida desigual tomada pela China significa que Beijing já não é capaz de retaliar os EUA à altura.

No entanto, Trump joga um “jogo de números”. Para a parte chinesa, a guerra comercial não é um jogo, mas sim um assunto relacionado a milhares de empresas e consumidores. O governo norte-americano escalou a guerra comercial desafiando amplas oposições domésticas e internacionais, com o objetivo de realizar sua chamada meta de “América Primeiro”. A China não vai entrar nesse jogo só para “lutar uma luta”. O princípio do governo chinês é salvaguardar os interesses do povo chinês e dos povos de todo o mundo, além de defender o livre comércio e o multilateralismo.

A resposta racional e cautelosa da China não significa que o país esgotou sua “munição”. De fato, a flexibilidade da economia e o grande mercado que a China possui é a pesada “munição” para retaliar os EUA nessa guerra comercial.

A economia chinesa tem registrado por 12 trimestres consecutivos um crescimento de entre 6,7% a 6,9%, e o modelo de crescimento passa por mudanças, deixando de ser excessivamente dependente da exportação e investimento para um impulso trazido pelo consumo, pela indústria de serviço e pela demanda doméstica.

Em 2017, o volume econômico da China atingiu US$ 12,7 trilhões, e a exportação superou US$ 2,26 trilhões. Os produtos chineses no valor de US$ 20 bilhões ocupam apenas 8,8% da exportação do país. As perdas na guerra comercial com os EUA são aceitáveis e a China pode digeri-las. Por esta razão, o Banco Mundial ainda chamou a China de “um país com uma tendência de forte crescimento” no seu recente publicado relatório China Economic Briefing.

Por outro lado, a China tem aplicado uma série de medidas para ampliar sua abertura ao exterior, atraindo mais investimentos de capitais estrangeiros. A BMW anunciou recentemente seu investimento de três bilhões de euros no mercado chinês. A Exxon Mobil Corporation acabou de assinar um acordo de investimento na China no valor de US$ 10 bilhões, e a Tesla anunciou em julho a construção de sua primeira super fábrica no exterior, em Shanghai.

Os chineses sempre acreditam que “amizade gera fortuna”. A China expressou em muitas ocasiões que não queria uma guerra comercial de qualquer forma com qualquer parceiro comercial. Se o presidente Trump pretende “esfriar” as fricções comerciais, a China aplaude. Mas caso Washington continue aumentando as pressões, a China retaliará com sua “munição” de flexibilidade econômica e a potência do mercado.

 

Tradução: Li Jinchuan

Revisão: Layanna Azevedo

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Primeiro táxi aéreo autônomo chega à Nova Zelândia
Balões de ar quente coloridos iluminam praça em Guizhou
Vista das Grutas do Monte Tianti em Gansu
“Follow me to” captura beleza de Chongqing
China prepara para primeira Exposição Internacional de Importações
Fotos aéreas dos terraços de Longji

Notícias

Premiês da China e Holanda conversam com empresários do setor tecnológico
Comentário: reler o artigo de Thomas Friedman escrito há dez anos
Rio de Janeiro acolhe "Noite de Beijing"
Xiaogang – Lugar representativo de reforma na área rural da China
​Premiês chinês e holandês concedem entrevista coletiva em Haia
Premiê chinês reitera maior abertura e cooperação pragmática com Holanda