Chanceler angolano avalia positivamente resultados da Cúpula de Beijing

Fonte: CRI Published: 2018-09-07 17:22:34
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

O chanceler de Angola, Manuel Domingos Augusto, afirmou na quinta-feira (6) que a Cúpula de Beijing do Fórum de Cooperação China-África obteve ricos resultados. Segundo o ministro, também participante do evento, o presidente chinês, Xi Jinping, proferiu discursos de forma abrangente e penetrante durante a cúpula. O líder chinês esclareceu a posição das relações sino-africanas, baseadas na paz e no desenvolvimento conjunto.

“Naturalmente que o discurso do presidente Xi Jinping, podemos até dizer de vários discursos, serviram de base para os trabalhos e para as conclusões da cimeira, que se consubstanciam nos dois grandes documentos que foram aprovados por unanimidade por todos os Chefes de Estado. A saber, a Declaração de Beijing, que é o documento de concepção política sobre a cooperação China-África. E o Plano da Ação de Beijing que detalha os projetos e as ações que deverão ser levadas a cabo e sustentadas pela contribuição financeira que a China colocará à disposição desta cooperação entre si e os países africanos. Portanto, o discurso do presidente Xi Jinping revelou visão, coragem política, expressou aquilo que são alguns dos pilares da cooperação da China com a África – a sinceridade, a honestidade, a eficácia e a solidariedade.”

Este ano marca o 35º aniversário do estabelecimento das relações diplomáticas entre a China e Angola, assim como os 30 anos do estabelecimento de relações entre os dois partidos no poder. Augusto avaliou positivamente as atuais relações bilaterais e fez retrospectiva ao intercâmbio amistoso. O chanceler agradeceu ao governo chinês por apoiar e auxiliar a evolução econômica e social de Angola durante muitos anos. Ele anseia que os dois lados promovam e atualizem ainda mais as cooperações bilaterais, a fim de fomentar as relações sino-angolanas a entrarem em uma nova era.

“As relações entre Angola e a China são excelentes. Do ponto de vista das relações políticas e diplomáticas, a China e Angola desfrutam de um ambiente que tem origem ainda antes da independência de Angola. A China sempre esteve ao lado do povo angolano, apoiou na luta de libertação e isso criou laços que são indissolúveis, que são fortes. Depois da independência, a China também colocou-se ao lado de Angola, para a consolidação da independência de Angola. E naturalmente que nos últimos anos, nos últimos quase 20 anos, a China tem participado diretamente no esforço do desenvolvimento econômico e social do nosso país. Portanto, é uma relação que podemos dizer excelente, mas mesmo sendo excelente, acreditamos que pode ainda ser reforçada e melhorada.”

A China e Angola tem mantido colaborações e intercâmbios pragmáticos em diferentes áreas. No momento, o país oriental se classificou como o maior parceiro comercial de Angola. O país africano, por sua vez, constitui o segundo maior parceiro comercial da China no continente, seu maior fornecedor do petróleo cru, assim como o maior mercado de empreitada no ultramar. Os dois lados contam com amplas perspectivas de coordenação em áreas como economia e comércio, energia, finanças, tecnologia, saúde e infraestrutura. Augusto valorizou os frutos cooperativos e os intercâmbios comerciais nos últimos anos e desejou maior sucesso no futuro.

“Nós temos uma cooperação econômica virada essencialmente para a criação de infraestruturas. Infraestruturas que possam sustentar os planos de desenvolvimento de Angola. A China participa em quase todos os domínios da vida e, nos últimos 15 ou 20 anos, participou diretamente na reabilitação de estradas, caminhos-de-ferro, na construção de barragens hidrelétricas, na construção de habitação, particularmente habitação social, na construção de escolas e hospitais. Enfim, a China participou, dizia, em todos os domínios da nossa atividade econômica e também em alguns domínios da área social. Para os próximos anos, contamos continuar a merecer esta preferência da China para que levemos a cabo, digamos, os nossos planos de desenvolvimento.”

Tradução: Joaquina Hou

Revisão: Diego Goulart

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Mar de flores de Luoping, na província de Yunnan
Semana de Moda em Nova York
Museu de Go (Weiqi) em Luoyang
Laboratório Conjunto de Clima Espacial Brasil-China
Museu Nacional exibe 120 relíquias culturais de Shaanxi
Cenário noturno na rua Xibu de cidade Zhangjiajie, na província de Hunan

Notícias

Fundo China-África traz investimentos a países do continente africano
Japão sofre perdas com terremoto de 6.7 graus em Hokkaido
Ministro cabo-verdiano afirma que país espera participar da iniciativa Cinturão e Rota
China caminha para se enquadrar como um país inovador até 2020
Terremoto de magnitude 6,7 ocorre em Hokkaido, no Japão
Dois documentos de consenso são anunciados no Fórum de Cooperação China-África