Comentário: EUA subsidia agricultura, quem gritará contra?

Published: 2018-07-25 20:38:28
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta terça-feira (24) que oferecerá um subsídio agrícola no valor de US$ 12 bilhões. Isso vai ajudar os agricultores norte-americanos a ultrapassar as guerras comerciais entre o país e a China, a União Europeia e outras nações.

Antes disso, um dos motivos norte-americanos para provocar guerras comerciais contra seus parceiros foi a alegação de que os produtos exportados para o país tiveram chamados subsídios do governo. Neste momento, a Casa Branca também começou a distribuir assistência, isso não faz com que percam a própria dignidade? A ação de Trump provou, mais uma vez, com fatos, o alerta que tinha sido feito pelos economistas à Casa Branca, isto é, “só existe duplo fracasso em uma guerra comercial, não terá vencedores.”

A essência do comércio consiste em ganha-ganha, as relações entre os dois lados sejam cooperações sejam concorrências. Contudo, este governo dos EUA parece muito contumaz, está firmemente convicto de que o comércio é o jogo de soma zero.

A Casa Branca tomou enorme quantidade de capital de seus contribuintes como subsídio agrícola. Isso é o resultado inevitável da cobrança de sobretaxas a seus parceiros comerciais mundiais, o que incorreu retaliações de todas as partes. A faixa da economia agrícola dos EUA é um dos alvos importantes das medidas vingativas. Os agricultores norte-americanos são exatamente as vítimas do lançamento da guerra comercial impetrada por Trump.

Como maior país exportador de produtos agrícolas do mundo, o volume de exportação no setor norte-americano, em 2017, bateu um novo recorde histórico. O superávit comercial chegou a US$ 21,3 bilhões. Mas desde a guerra comercial, parceiros como União Europeia, Canadá, México e China, foram forçados a colocar sobretaxas aos produtos agrícolas norte-americanos. Como prevê o Departamento de Agricultura dos EUA, as medidas de retaliação causarão uma perda de US$ 11 bilhões para os produtos agrícolas do país.

A Casa Branca têm acusado outros países de adotarem política de subsídio, alegando que esta ação viola as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC). Agora, a Casa Branca usa o dinheiro dos contribuintes para concluir um assunto ilegal em sua opinião. De alguma forma, isto é uma ação para conseguir votos para a eleição de novembro deste ano.

Todavia, este subsídio da Casa Branca pode resolver realmente o problema? Como disse o presidente do Missouri Farm Bureau (MFB), Blake Hurst, sem a mudança de política da Casa Branca, a pressão no setor agrícola norte-americano continuará. As medidas corretivas de curto prazo ou temporárias não podem resolver os problemas essenciais. Brian Kuehl, diretor executivo da organização de Farmers for Free Trade, considera que os agricultores dos EUA necessitam de contratos de negócios, mas não subsídios. Com eles, o setor pode elaborar tranquilamente um plano futuro.

O subsídio trará uma série de questões envolvidas. Lisa Murkowski, senadora do Alasca, questiona: O que fazer com o setor industrial, de energia, petróleo e gás? Qual é o critério para dar ou não esse subsídio?

Na verdade, a Casa Branca sabe muito bem como resolver a situação. Ben Sasse, senador do Partido Republicano, comentou que a guerra comercial é como cortar a perna dos agricultores. E o plano da Casa Branca para eles é oferecer-lhes uma bengala de ouro puro de US$ 12 bilhões.

Tradução: Luana Xing

Revisão: Diego Goularte

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Lagos coloridos em Yuncheng, Shanxi
Crianças aprendem mais sobre ciência no Museu de Ciência e Tecnologia de Xiamen
Parque Nacional da Floresta de Huanghai, na província de Jiangsu
Centro de Leilão da Flora de Kunming
Turistas se divertem em Liuzhou, no sul da China
Fotos de uma estrada em cima das águas na província de Jiangxi

Notícias

Noite Anim’Arte do Festival Juvenil de Dança é realizada em Macau
Novo Banco de Desenvolvimento do BRICS beneficia projetos na África
Um Cinturão e Uma Rota favorece cooperações sino-africanas
Especialista brasileiro: BRICS receberá mais oportunidades e desafios
Peng Liyuan visita escola feminina em Ruanda
China e Ruanda prometem escrever novo capítulo em relações bilaterais