Reforma e abertura favorece garantia dos direitos humanos da China, diz especialista

Published: 2018-07-19 19:48:10
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

 

Foi realizado ontem (18) em Wuhan, província de Hubei, o seminário “Reforma e Abertura e Progresso do Empreendimento dos Direitos Humanos da China”. Para os especialistas presentes na conferência, a reforma e abertura foi uma grande iniciativa revolucionária feita pelo povo chinês sob a liderança do Partido Comunista da China (PCCh), favorecendo não só o crescimento do país mas também a proteção aos direitos humanos na China.

Organizado pela Associação de Pesquisa dos Direitos Humanos da China e pelo Departamento de Publicidade do Comitê Provincial do PCCh de Hubei, o seminário visa fazer uma retrospectiva sobre o empreendimento dos direitos humanos da China nos últimos 40 anos após a reforma e abertura.

O membro do Comitê Permanente da Assembleia Popular Nacional da China e também o vice-presidente da Associação de Pesquisa dos Direitos Humanos da China, Xu Xianming, disse que o país abriu um empreendimento de direitos humanos com características chinesas.

“Nesses anos, a sociedade chinesa passou a ter uma consciência maior sobre os direitos humanos, com a nossa própria teoria e compreensão sobre direitos humanos. Na minha opinião, esse é o maior êxito. Criamos também um sistema de proteção dos direitos humanos com a Constituição como núcleo. Nos últimos 40 anos após a reforma e abertura, a China ajudou mais de 800 milhões de pessoas a saírem da pobreza, contribuindo com 70% da redução da pobreza do mundo definida pela ONU. A China compartilhou com o mundo sua compreensão sobre direitos humanos. O presidente chinês, Xi Jinping, fez um discurso em Genebra sobre a comunidade de destino comum da humanidade, conceito incluído posteriormente pela ONU em seus documentos sobre direitos humanos.”

O diretor do Centro de Pesquisa dos Direitos Humanos da Universidade Nankai, Chang Jian, disse que a reforma e abertura foi uma força motriz na promoção do empreendimento dos direitos humanos da China.

“A China tem reforçado a proteção dos direitos humanos via reforma do sistema econômico e ampliação da abertura ao exterior. O sistema econômico da China vivia o período da economia planejada e da economia de mercado socialista. A economia planejada destacou mais os direitos coletivos e o atual sistema econômico de mercado socialista exige uma maior garantia dos direitos básicos de cada indivíduo.”

O professor da Escola do Partido do Comitê Central do PCCh, Li Yunlong, disse que as experiências chinesas têm um valor de referência para outros países em desenvolvimento no setor da proteção dos direitos humanos.

“Diferentes países do mundo possuem diferentes condições e sistemas políticos e sociais, mas todos os países em desenvolvimento enfrentam questões semelhantes na proteção dos direitos humanos. A China tem se dedicado a tratar de forma adequada as contradições entre os interesses individuais e coletivos, entre garantia da soberania nacional e promoção das cooperações internacionais em direitos humanos. As experiências chinesas nesse setor têm um valor de referência para os demais países em desenvolvimento do mundo.”

 

 

Tradução: Li Jinchuan

Revisão: Layanna Azevedo

 

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

2ª Exposição Conjunta de Fotografia do BRICS realizada na Cidade do Cabo
Secagem de produtos agrícolas em Huangling
Turistas visitam o Parque Nacional do Pantanal Puzhehei
Universidade chinesa envia cartas de admissão manuscritas a novos alunos
Vista aérea de Johanesburgo
Códigos QR feitos de fibra de bambu ajudam região chinesa a combater a pobreza

Notícias

Reforma e abertura favorece garantia dos direitos humanos da China, diz especialista
Evento de exibição de filmes chineses inicia na África do Sul
Fórum de Alto Nível de Mídia dos Países do BRICS é aberto na África do Sul
Especialista chinês propõe posição do BRICS contra protecionismo comercial
Trump aceita conclusão da inteligência dos EUA sobre intervenção russa nas eleições
ONU elogia modelo chinês de combate à desertificação na Mongólia Interior