Comentário: “apaziguador” pode perder vantagens na guerra comercial dos EUA

Fonte: CRI Published: 2018-07-09 20:24:56
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Desde este mês de julho, a guerra comercial lançada pelo governo de Trump tem causado não raramente forte oposição de um grande número de países. A China foi forçada, a partir do dia 6 deste mês, a impor tarifas sobre produtos dos EUA no valor de US$ 34 bilhões, depois de o Canadá também ter aplicado tarifas sobre bens norte-americanos em um valor de US$ 12,6 bilhões e o México ter lançado sua segunda rodada de combate à política tarifária dos EUA. No mesmo dia, a Rússia anunciou que vai impor tarifas sobre alguns bens norte-americanos.

Prevê-se que mais países serão envolvidos nesta guerra comercial que se refere aos interesses de todos os países do mundo. Sob este contexto, as pessoas que aplicam a “política de apaziguamento” devem ser cautelosas, uma vez que sua ação provocará a perda de seus interesses.

De acordo com dados sobre o emprego em junho, divulgados no dia 6 deste mês pelos EUA, o país adicionou um total de 210,3 mil postos de trabalho. O setor de manufatura foi o que mais contratou. Trump afirmou no mesmo dia que todos os países esperam alcançar um acordo com os EUA, pelo qual as questões pertinentes serão resolvidas. Alguns avaliam que o país será o ganhador desta guerra, mas isso seria realmente a verdade?

Assim como ocorre em muitas situações no mundo, com o passar do tempo, as pessoas se esquecem do motivo original que levou à ação. Portanto, é possível que elas se esqueçam de quem realmente começou essa guerra comercial. Porém, às vezes é necessário que as pessoas mantenham um assunto na memória, mesmo que representem um “rancor” necessário.

Esta guerra foi lançada pelos EUA. Tanto Canadá e México quanto a China têm a mesma força na oposição ao comportamento norte-americano. “Guardar rancor” não significa recusar a reconciliação, mas sim que a situação precisa ser resolvida por aquele que deu início ao problema.

Não existem “transeuntes” e “espectadores” nesta guerra comercial. Cada pessoa envolvida é protagonista e combatente. A agência japonesa Nikkei Asian Review publicou no dia 7 um comentário, lembrando que a guerra comercial lançada pelo presidente norte-americano Edgar Hoover deixou uma lição histórica. Em 1930, ele ignorou a oposição de mais de mil economistas e impôs tarifas sobre produtos importados de outros países, levando países europeus a adotarem medidas de oposição.

O artigo japonês adverte que a guerra comercial levará a economia global a entrar em recessão, e conclama os países em desenvolvimento a persuadir o governo de Trump a reconhecer a importância do sistema de livre comércio. O texto também pede que empresas do Japão e da Europa cooperem com as dos EUA para se oporem à política de protecionismo do governo de Trump.

O chanceler chinês, Wang Yi, afirmou no dia 5 de julho, em uma coletiva de imprensa, que a resistência da China ao protecionismo comercial visa não apenas salvaguardar seus interesses, como também manter o benefício comum de todos os países do mundo, incluindo os da União Europeia.

A China espera que nenhum país atire “flechas” pelas costas. No contexto da globalização, a guerra comercial foi lançada por um lado, e as outras partes devem assumir juntas suas responsabilidades. Assim, serão capazes de persistir no princípio de benefício comum, esforçando-se pela redução do impacto do unilateralismo e do protecionismo sobre a recuperação e o desenvolvimento econômico mundial.

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Área de pântanos da China ocupa o 4º lugar no mundo
Paisagem de verão em Arxan
Shanghai recebe 7ª Exposição Internacional de Robótica da China
Provadores profissionais de lagostins, uma nova ocupação na China
Show de vestidos da minoria étnica de Miao
Passadeira iluminada com IA instalada em Hangzhou

Notícias

Inovação teconológica destaca-se na Cúpula Hong Kong – Asean 2018
Macau sedia Festival de Artes e Cultura entre a China e os Países de Língua Portuguesa
Macau realiza fórum cultural entre China e países de língua portuguesa
Inaugurado 4º Festival de Arte Chinesa na União Europeia em Bruxelas
Li Keqiang desembarca em Berlim, iniciando visita à Alemanha
Presidente da Câmara de Representantes da Bélgica diz que política que prioriza EUA não vai prevalecer