Especialistas da China e dos EUA esperam mais cooperação recíproca entre os dois países

Fonte: CRI Published: 2017-11-08 17:35:15
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

O presidente dos EUA, Donald Trump, realizará sua visita oficial à China entre dias 8 e 10 de novembro. A delegação empresarial dos EUA vai se encontrar com empresas chinesas para explorar mais cooperações bilaterais.

Em outubro deste ano, a empresa chinesa de nova energia, BYD, concluiu a terceira fase de sua fábrica de ônibus elétrico em Lancaster, Califórnia, EUA. Com uma área total de 41 mil metros quadrados, essa é a primeira fábrica de capital chinesa nos EUA e também a maior do gênero no país. A diretora do departamento de relações públicas da BYD, Li Wei, disse que a empresa investiu cerca de US$ 230 milhões no mercado de ônibus elétrico, desde 2013, ocupando 80% do mercado norte-americano.

“Todos os produtos da BYD são de nova energia, muito favoráveis ao ambiente. Além disso, cerca de 95% dos empregados da BYD são habitantes locais. Até o momento, nós já contratamos mais de 800 trabalhadores norte-americanos para a fábrica em Lancaster. Uma em cada 21 famílias da cidade trabalha na nossa empresa.”

A cooperação econômica e comercial é uma parte importante da visita de Trump à China. Acompanhando o presidente, uma grande delegação empresarial norte-americana vai visitar a China e terá cooperações mais profundas com empresas chinesas, especialmente no setor de nova energia. Entre 2001 e 2016, o superávit comercial dos EUA com a China cresceu de US$ 8,3 bilhões até US$ 347 bilhões.

Os EUA iniciaram em agosto a “investigação 301” contra a China, que envolve investigações de transferência de tecnologia e de propriedade intelectual. A ação unilateral gerou uma preocupação ao protecionismo comercial. A ex-representante comercial dos EUA, Charlene Barshefsky, disse que o protecionismo comercial é inimigo da China e também dos EUA.

“Acho que a China e os EUA assumem grande responsabilidade no sistema de governança global e, por esta razão, precisam estabelecer uma relação bilateral de reciprocidade e não de protecionismo comercial.”

Atualmente, os dois países mantêm uma relação cada vez mais estreita em diversas áreas. O professor da Universidade de Negócios e Economia Internacional da China, Cui Fan, disse que a cooperação econômica e comercial entre a China e os EUA vai entrar em uma nova fase de desenvolvimento.

“Acho que a relação comercial sino-norte-americana vai expandir, do mercado de commodities ao mercado de elementos, ou seja, para as áreas de capital, tecnologia e talentos profissionais.”

Para os especialistas, com a visita de Trump à China, os dois países vão atingir mais consensos em áreas de comércio bilateral de forma mais equitativa e recíproca.

 

Tradução: Li Jinchuan

Revisão: Diego

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Ni Ni e Jing Boran posam juntos para "BAZAAR"
Canteiro de flores na Praça de Tiananmen
Paisagem de Shahu, no noroeste da China
Veja fotos do último dia do Rock in Rio 2017
Semana de Moda de Milão 2018
Exposição Gastronômica do Meio-Outono realizada em Chengdu

Notícias

UE adota medidas para enfrentar crise na segurança de alimentos
Beijing inicia construção de novo ponto de partida histórico
Lançado primeiro trem de carga refrigerado China-Rússia
Vice-premier chinesa é premiada pela Universidade de Nova York
Xi Jinping visita Exposição "Os 5 anos de mudanças da China"
Construção de alto padrão do subcentro de Beijing é promovida ordenadamente