​Comentário: Tentativas de provocação de políticos dos EUA no Mar do Sul da China estão fadadas ao fracasso

Published: 2020-07-19 18:27:46
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Nos últimos dias, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, incitou repetidamente as tensões no Mar do Sul da China, caluniando a soberania da China e seus direitos e interesses marítimos, dizendo que são “ilegais”, também intrigando as relações entre a China e outros países da região. Ao mesmo tempo, de vez em quando os EUA enviam aviões militares e navios de guerra para realizarem ostentações de força.

No contexto das relações sino-norte-americanas cada vez mais tensas, alguns políticos dos EUA como Pompeo tentam conter o país asiático por meio de destruir a paz e a estabilidade no Mar do Sul da China. Para isso, eles renunciaram o compromisso do governo norte-americano de não se posicionar na questão da soberania da região e provocaram confrontos nas relações internacionais, perdendo o raciocínio, a moralidade e a credibilidade.

Como país extraterritorial, os Estados Unidos não são parte na disputa do Mar do Sul da China nem têm direito de fala. Porém, alguns políticos norte-americanos estão fazendo todo o possível para causar problemas na região somente para alcançar seus próprios interesses. Segundo estatísticas, desde a tomada de posse, o atual governo dos EUA realizou mais de 20 operações da chamada “liberdade de navegação” no Mar do Sul da China, promovendo a militarização. Somente em julho, os Estados Unidos realizaram dois exercícios militares com porta-aviões naa região, tornando-se o maior destruidor da paz e estabilidade regional.

Atualmente, a China e a Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) estão acelerando as negociações sobre o “Código de Conduta no Mar do Sul da China”. Políticos norte-americanos como Pompeo fazem provocações neste momento principalmente para instigar outros países da região a confrontar a China e minar o relacionamento estável entre a China e os países da ASEAN, continuando a implementar a estratégia de conter a China. Além disso, diante da propagação contínua do novo coronavírus dentro dos EUA, jogar a “carta do Mar do Sul da China” se tornou um meio para os políticos norte-americanos mudarem suas contradições domésticas e encobrirem o fracasso da política antiepidêmica.

Os países da ASEAN sabem claramente que os políticos norte-americanos que sustentam a estratégica “America First” não se importam com os interesses dos países da ASEAN, mas apenas aproveitam esses países como uma ferramenta para buscar interesses políticos.

Seja qual for o método usado por Pompeo e outros políticos norte-americanos, não abalarão a firme determinação da China de salvaguardar a soberania, a segurança e os interesses de desenvolvimento do país, nem minarão a vontade e os esforços dos países da região para defender a paz e a estabilidade no Mar do Sul da China.

tradução: Shi Liang

revisão: Erasto Santos Cruz

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Vista da ponte Lugou em Beijing
Moradores evacuados e levados para abrigo temporário no distrito de Zhoutou, província de Anhui
Polícia armada participa de operações de controle de enchentes em Jiangxi
Pessoas se divertem em parque aquático de Hebei
Trabalhadores alimentaram bebês antílopes na reserva de proteção do lago Zhuonai
Jiangxi eleva a resposta às inundações ao mais alto nível

Notícias

Maioria dos primeiros casos de COVID-19 em Nova York remontam à Europa
Os dois lados do Estreito de Taiwan devem salvaguardar a soberania da China
Chanceler chinês realiza reunião com ministros das Relações Exteriores do C+C5
Identificadas pelo menos seis cepas diferentes do novo coronavírus no Brasil
RAEHK opõe-se fortemente à assinatura da "Lei de Autonomia de Hong Kong"
Huawei diz que proibição britânica pode levar Reino Unido à pista lenta digital