​Comentário: Ato dos EUA relacionado a Taiwan não pode ameaçar ninguém

Published: 2020-03-09 19:33:42
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Em um momento crítico da luta global contra a epidemia de pneumonia causada pelo novo coronavírus (COVID-19), alguns políticos dos Estados Unidos promoveram recentemente a aprovação na Câmara dos Deputados do chamado "Ato de Iniciativa de Proteção e Aperfeiçoamento Internacional de Aliados de Taiwan (TAIPEI) 2019", que exigiu ao governo norte-americano que aumente ou diminua os contatos de economia, segurança e diplomacia com outros países conforme o ajuste do relacionamento destes com Taiwan. Para esclarecer, é uma tentativa de aproveitar os meios de intimidação ou suborno para consolidar as chamadas "relações diplomáticas" das autoridades de Taiwan e expandir o seu chamado "espaço internacional".

Há mais de 40 anos, os Estados Unidos estabeleceram o relacionamento diplomático com a China com base no princípio de uma só China, mas agora impedem outros países soberanos de desenvolver relações normais com a China. Que tipo de lógica de hegemonia e bullying é essa? Isso não tem razão nenhuma. O atual ato norte-americano, igualmente como outros atos já aprovados pelo Congresso no passado, é uma tentativa de usar Taiwan como um "peão" para reprimir o desenvolvimento da China e colocar obstáculos à reunificação da nação chinesa, também uma tentativa de provocar o confronto entre os dois lados do Estreito de Taiwan para buscar benefícios, a fim de manter a hegemonia dos EUA. O chamado "Ato TAIPEI 2019" viola seriamente o princípio de uma só China e as disposições dos três comunicados conjuntos sino-norte-americanos, sendo uma flagrante interferência nos assuntos internos da China. E a China se opõe firmemente a isso.

Desde a subida de Tsai Ing-wen ao poder, observa-se que, ao total, sete chamados "Estados de relações diplomáticas" romperam o relacionamento diplomático com Taiwan, estabeleceram ou retomaram as relações diplomáticas com a China. Esse fato mostra que o princípio de uma só China é uma aspiração das pessoas, uma tendência comum, também um consenso geral da comunidade internacional. Os países relacionados fizeram julgamentos corretos e oportunos sobre a atual situação mundial, também escolhas corretas com base em seus interesses nacionais e a vontade dos seus povos.

Neste contexto, o ato norte-americano relativo a Taiwan é contra a corrente histórica, e não poderá ameaçar ninguém, apesar da forte intimidação, o que já foi comprovado repetidas vezes.

Segundo relatos da mídia dos EUA, antes de El Salvador "romper as relações diplomáticas" com Taiwan em agosto de 2018, John Bolton, então assessor da segurança nacional dos EUA, ligou para o presidente salvadorenho, Salvador Sánchez Cerén, para dar um "alerta". No entanto, sem nenhum medo da pressão norte-americana, El Salvador estabeleceu resolutamente as relações diplomáticas com a República Popular da China.

Obviamente, o estabelecimento ou a retomada das relações diplomáticas com a China é uma tendência geral que não mudará apesar da obstrução dos EUA. O chamado "Ato TAIPEI 2019", sem nenhuma base jurídica internacional, viola o direito internacional e as normas das relações internacionais. É apenas uma hipérbole política de alguns políticos norte-americanos, que não ameaçará a comunidade internacional que persiste no princípio de uma só China nem restringirá o desenvolvimento chinês.

Quanto às autoridades de Taiwan, é simplesmente um sonho acordado depender dos Estados Unidos para manter os chamados "Estados das relações diplomáticas" e expandir o espaço internacional. Pois os políticos norte-americanos que manipulam o ato relativo a Taiwan, não buscam o bem de Taiwan, mas somente usam Taiwan como "peão" para obter benefícios econômicos e políticos. Como analistas apontam, nos últimos anos, apesar da aprovação pelos Estados Unidos de cada vez mais atos relativos a Taiwan, as relações entre os dois lados do Estreito de Taiwan vêm se deteriorando cada vez mais, o ambiente político e econômico de Taiwan está piorando gradualmente, e os interesses da população da ilha vem sendo prejudicado paulatinamente.

Afinal, o futuro de Taiwan reside na reunificação nacional e o bem-estar dos compatriotas de Taiwan depende da revitalização nacional. As pessoas veem que departamentos do governo chinês divulgaram em 2018 e 2019 políticas de benefício a Taiwan, enfatizando o compartilhamento de oportunidades de desenvolvimento com a população e empresas de Taiwan e tratamento igualitário. Tais políticas são boas, pois favorecem verdadeiramente o desenvolvimento de Taiwan.

A questão de Taiwan é um assunto interno da China e diz respeito aos interesses centrais do país. A parte norte-americana deve tomar medidas práticas para impedir que o ato se torne lei e lidar de forma cuidadosa com as questões relacionadas a Taiwan, a fim de evitar problemas no relacionamento entre a China e os EUA.

tradução: Shi Liang

revisão: Gabriela Nascimento

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Hospital temporário de Wuhan realizou evento em comemoração ao Dia Internacional da Mulher
Cultivo da primavera começa na China
Médicos do hospital de Tianjin realizam consultas online
Muralha da cidade de Xi'an reabre ao público com sistema de reserva online
Funcionários permanecem em trabalho em meio ao surto epidêmico
Palácio Potala oferece passeio turístico virtual por streaming ao vivo

Notícias

Zhang Weili defende seu cinturão do UFC ao bater a lutadora polonesa
​Lavoura da primavera está em andamento
FGV Rio promove seminário focado no combate ao COVID-19
Comentário: Comunidade internacional refuta políticos por atribuírem epidemia à China
Bancos chineses têm superavit na liquidação cambial
Volume de negócios no mercado de divisas da China atinge US$ 1,94 trilhão em janeiro