Comentário: Em tempos de crise, ajudar os outros é ajudar si próprio

Published: 2020-02-26 22:54:10
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Na coletiva de imprensa realizada nesta quarta-feira (26), o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, citou o provérbio chinês, dizendo: “É uma boa tradição da nação chinesa retribuir com o rio inteiro o favor de uma gota de água”. Essa fala expressa o agradecimento da China à comunidade internacional pelo apoio e ajuda oferecidos, o que mostra também a determinação e a responsabilidade da China para defender a segurança pública global.

Nota-se que, após o surto do novo coronavírus, líderes de mais de 170 países e chefes de mais de 40 organizações internacionais enviaram cartas ou telegramas para expressar apoio à China. Muitos países torceram pela China de diversas formas e também doaram recursos materiais e financeiros, entre os quais, há países desenvolvidos, também os em desenvolvimento com condições limitadas.

A nação chinesa é uma nação que sabe agradecer. Pelo apoio e ajuda prestados pela comunidade internacional, a China não apenas se lembra, mas também retribui os favores recebidos.

Atualmente, com esforços árduos, a China tem obtido avanços na prevenção e no controle da epidemia. No dia 25, houve apenas cinco novos casos confirmados na parte continental da China, exceto em Hubei, número de um dígito registrado por dois dias consecutivos. Isso confirma a conclusão da equipe conjunta de inspeção China-OMS (Organização Mundial da Saúde): as medidas tomadas pela China evitaram um grande número de casos e o pico da epidemia passou; a China construiu a primeira linha de defesa, ganhando uma janela de tempo valioso para o mundo inteiro.

No entanto, o vírus não conhece fronteiras. O conhecimento, a prevenção e o controle do novo vírus pela humanidade exigem um processo de aperfeiçoamento. Nestes dois dias, em vários outros países como Japão, Coreia do Sul, Itália e Irã, vê-se que a epidemia está se expandindo, e casos confirmados também apareceram na África. A OMS expressou repetidamente preocupação em relação aos países com sistemas de saúde fracos.

A China já tem experiência de primeira linha no combate à epidemia e está mais determinada a assumir a responsabilidade pela saúde pública global. Portanto, ao fazer bem a própria prevenção e controle da epidemia, a China está disposta a colaborar com países relativos, como Japão e Coréia do Sul, para compartilhar informações e experiências, a fim de impedir efetivamente a propagação transnacional da epidemia. Ao mesmo tempo, a China fornecerá apoio dentro de seu alcance aos países com sistemas de saúde fracos, ajudando-os a fortalecer sua capacidade de prevenção e controle da epidemia, a fim de manter a segurança da saúde pública regional e global.

As embaixadas e empresas chinesas no Irã doaram 250 mil máscaras ao país do Oriente Médio. A China também forneceu gratuitamente ao Japão novos kits de teste para coronavírus.

Três semanas atrás, havia apenas dois laboratórios de teste do vírus na África. Com o apoio da OMS e da China, agora, 26 países africanos têm a capacidade de testar o vírus, número esse que aumentará para 47 até o fim de fevereiro, segundo o previsto.

No entanto, diferentemente da participação ativa da China na prevenção internacional da epidemia, alguns políticos e veículos de imprensa dos EUA não refletem sobre suas ações lentas de ajuda ao exterior, mas sim criam rumores contra a China. O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, acusou recentemente a China de ocultar as informações sobre o novo coronavírus. Alguns veículos da imprensa ocidental também publicaram artigos de natureza discriminatória, atacando e difamando a China e interferindo na cooperação internacional para a prevenção da epidemia. Então, no momento da crise, quem está assumindo a responsabilidade e quem está fugindo da responsabilidade?

Em tempos de crise, ajudar os outros é ajudar a si próprio. Trabalhar em conjunto para superar as dificuldades é essencial; e, assim, o mundo vencerá a epidemia o mais rápido possível e voltará à normalidade.

tradução: Shi Liang

revisão: Gabriela Nascimento

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Estudantes de Shanghai participaram de uma aula experimental online
Oficinas destinadas ao alívio da pobreza retomam produção em Hunan
Pacientes recuperados pelo novo coronavirus doaram plasma em Hebei
Trabalhadores migrantes usam trem-bala especial para retomar o trabalho
Porto de Hefei retomou as operações de maneira ordenada
Mais pacientes do novo coronavírus recebem alta do hospital

Notícias

Remédio antiviral Remdesivir ganha três patentes na China
Medidas da China são pragmáticas e reflexíveis, diz especialista da OMS
​ONU apela aos países africanos para aprenderem com a China
Líderes da Índia e dos EUA se encontram
Comentário: Como está sendo a resposta da China à epidemia?
Coreia do Sul eleva alerta de vírus em meio crescentes casos de COVID-19