Comentário: O que reflete a divergência transatlântica?

Fonte: CRI Published: 2020-02-17 15:52:22
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn


Foi inaugurada a Conferência de Segurança de Munique no último dia 14 na Alemanha. Como diz a imprensa ocidental, diante das transformações atuais do mundo nunca vistas no último século, esta conferência com maior dimensão e influência na área de política de segurança está se tornando um “réquiem do Ocidente”.

O tema da reunião deste ano, “desocidentalização” (westlessness), reflete profundamente a ansiedade e as preocupações da Europa nos últimos anos. Os países europeus consideram que a chamada “desocidentalização” se deve principalmente ao fato de que os Estados Unidos deixaram de fazer parte do Ocidente. Sob o slogan “Americafirst”, as relações transatlânticas se tornam anormais. Foi exigido de que a Europa cedesse mais aos EUA, além de assumir mais despesa militar. Apesar de prejudicar muito os interesses de parceiros europeus, Mike Pompeo, ostentou que a morte da aliança transatlântica é grosseiramente exagerada e que o Ocidente está vencendo. Porém, o presidente da França, Emmanuel Macron, disse que a Europa não pode ser um “parceiro secundário” dos Estados Unidos. Então, desde a vitória do Ocidente até a “falta do Ocidente”, o que significa a divergência através do Atlântico?

Em primeiro lugar, a Europa sente os efeitos da negligência estadunidense com relação a suas preocupações. Nas questões relacionadas a grandes interesses econômicos e de segurança da Europa, os Estados Unidos agem de seu jeito sem considerar as preocupações dos parceiros europeus.

Em segundo lugar, a Europa fica furiosa pela ameaça norte-americana de uma guerra comercial. Por causa da estratégia “Americafirst”, as disputas de interesses entre a Europa e os EUA aumentaram. Segundo a imprensa alemã, Donald Trump acusou a União Europeia de impor barreiras “incríveis” sobre produtos norte-americanos. Além disso, após alcançar acordos comerciais com China, Canadá e México, o próximo alvo da guerra comercial dos EUA será possivelmente a Europa.

Por último, a Europa está alerta para a interferência dos EUA em seus assuntos internos e exteriores. Por um lado, os Estados Unidos divulgam o conceito de compartilhamento e, por outro, apoiam atividades separatistas dentro da Europa. Além disso, Washington ainda interfere constantemente no intercâmbio e cooperação entre a Europa e a China, com afirmações exageradas dizendo que a China é uma ameaça, em todos os eventos internacionais de grande importância. No entanto, o alto representante da União Europeia para Relações Exteriores e Política de Segurança, JosepBorrell, apontou, no encontro mantido no dia 15 com o chanceler chinês Wang Yi, que alguns países fazem críticas e acusações contra a China, por causa da sua inveja em relação ao sucesso chinês no desenvolvimento.

Na realidade, a Europa não precisa ficar obcecada com a “desocidentalização”. Como disse o chanceler chinês, Wang Yi, na conferência, é necessário abandonar a divisão de Ocidente e Oriente, ultrapassar a diferença entre o Sul e o Norte, e ver esse planeta onde vivemos como uma comunidade comum. Também é necessário superar o obstáculo ideológico, tolerar as diferenças históricas e culturais, e considerar essa comunidade internacional como uma grande família mundial.

tradução: Shi Liang

revisão: Diego Goulart

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Chongqing: restaurantes continuar focando no serviço de entrega
Paisagem de primavera do Lago Oeste em Hangzhou
China envia mais de 20 mil médicos para ajudar no combate antivírus em Hubei
Agricultores de toda a China retomam produção
Força Wuhan
Mais robôs de desinfecção entram em serviço em vários hospitais em Qingdao

Notícias

Comentário: O que reflete a divergência transatlântica?
Mais de 2.000 veículos de imprensa do mundo usam reportagens do CMG sobre novo coronavírus
Dança no combate contra o novo coronavírus
Beijing promete ar mais limpo em 2020
Mais de 1.700 funcionários médicos chineses são infectados pelo novo coronavírus
Shanghai usa sistema de segurança sem contato em metrô