Comentário: Deve-se romper o ciclo vicioso de confrontação

Published: 2020-01-06 21:00:03
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

A tensão entre os Estados Unidos e o Irã está se intensificando. Os 52 alvos de ataque e os 35 alvos de ataque são as cartas jogadas pelos dois respectivamente.

Após a morte de Qassem Soleimani, comandante da Força Al-quds da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC, na sigla em inglês) do Irã, durante um ataque aéreo dos Estados Unidos, o alto comandante da Guarda Revolucionária Islâmica, Gholamali Abuhamzeh, disse que na região do Golfo Pérsico, há aproximadamente 35 alvos norte-americanos que estão no âmbito de ataque do Irã. Como resposta, o líder dos Estados Unidos alertou que caso o Irã ataque o pessoal ou propriedades norte-americanos, o país realizará ataques contra 52 alvos iranianos. Os dois países entraram mais uma vez no ciclo vicioso de confrontação. A comunidade internacional está preocupada que atos impulsivos e decisões míopes vão explodir o “barril de pólvora” no Oriente Médio.

Grande parte da população iraniana cresceu nas décadas de conflito entre Washington e Teerã. A raiva crescente dos iranianos após o assassinato de Qassem Soleimani pode aumentar a pressão da opinião popular sobre o governo do Irã. Teerã precisa encontrar uma saída para isso, e, ao mesmo tempo, assegurar os interesses fundamentais da nação.

A história tem repetidamente provado que recorrer unilateralmente ao uso da força e pressão sairá como um tiro pela culatra. Sob as agitações no Oeste da Ásia, no Norte da África, e no Oriente Médio, as forças armadas antigovernamentais apoiadas por países ocidentais avançam cada dia rumo ao extremismo e terrorismo. O surgimento do grupo extremista “Estado Islâmico” é, na realidade, um indicativo do fracasso de políticas de antiterrorismo dos EUA.

Diante da tensão entre os EUA e o Irã, a comunidade internacional pediu aos dois países que permaneçam calmos e contidos. O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que o mundo não pode suportar mais uma guerra do Golfo. Os líderes da França, Alemanha e Reino Unido também divulgaram declarações sobre a situação do Oriente Médio, pedindo às partes envolvidas que adotem uma atitude contida e responsável. Obviamente, o alívio da tensão atual no Oriente Médio corresponde aos interesses comuns de toda a comunidade internacional.

A questão desta região é complexa e sensível, e não pode ser resolvida por meios militares nem pressão máxima. As partes envolvidas devem fazer pleno uso da sabedoria política, defender os propósitos e princípios da Carta da ONU e das normas básicas do relacionamento interacional, romper o ciclo vicioso de confrontação, e voltar à orbita do diálogo, a fim de evitar que a região do Golfo Pérsico do Oriente Médio entre numa nova crise.

tradução: Shi Liang

revisão: Gabriela Nascimento

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Neve cai em Beijing pela primeira vez em 2020
Paisagem de inverno no Lago Salgado Yuncheng em Shanxi
Festival de Laba
Veja a comemoração de Ano-Novo na cidade Changsha
Uma ponte de grande elevação inaugurada na província de Guizhou
Paisagem de inverno da Montanha Emei, na província de Sichuan

Notícias

Beijing registra melhor qualidade do ar em 2019
Casos de pneumonia viral aumentam para 59 no centro da China
Publicado livro com discursos de Xi em celebração ao 70º aniversário da RPC
Projeto Tropical China cria ponte para músicos brasileiros e chineses
​Governo chinês refuta reportagens da imprensa estrangeira sobre Xinjiang
Líbia acolhe as tropas enviadas pela Turquia