Comentário: Quem está intimidando os outros pelo mundo?

Published: 2019-07-25 18:54:47
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Mais de cem personalidades norte-americanas com linhas duras à China enviaram recentemente uma carta conjunta ao presidente norte-americano, Donald Trump, caluniando a China dizendo que o país “está promovendo o expansionismo” e “está intimidando os outros com seu poderio nacional”. Essa acusação falsa é incrível e enganadora. Muitas pessoas com discernimento consideram que o acusado na carta deve ser trocado para os EUA e, assim, o julgamento será muito justo.

O autor da carta é um oficial naval aposentado. Os assinantes também incluem militares aposentados e agentes de inteligência. Eles, de fato, não são os discutidores responsáveis pelas relações sino-norte-americanas. O objetivo deles é despertar mais atenção no público.

Por exemplo, eles alegam que “no sistema político dos EUA, falar sobre a política é normal e a guerra é uma exceção, enquanto a situação é completamente contrária na China.” É tão absurda essa opinião!

Estatísticas já mostram que nos últimos mais de 200 anos, desde 1776, os EUA estavam fazendo guerras durante mais de 90% do tempo da sua história. Até no último ano durante o mandato de Barack Obama, autoproclamado de “presidente da paz”, as forças armadas norte-americanas lançaram 26 mil bombas em sete países.

Já a China não provocou nenhuma guerra ou conflito nos últimos 70 anos desde a fundação da República Popular da China.

Após a tomada de posse, a administração de Trump intensificou a aplicação do unilateralismo. Os atos incluem o reconhecimento de Jerusalém como a capital de Israel, violação às resoluções da ONU, saída unilateral do acordo integral do Irã e abandono do Tratado de Forças Nucleares Intermediárias com a Rússia. Os EUA também enviaram navios militares a mares de dezenas de outros países.

Conforme pesquisas do Instituto Internacional de Estudos sobre a Paz de Estocolmo, da Suécia, as despesas militares norte-americanas superaram US$640 bilhões em 2018. Esse valor é o total dos custos dos oito países a seguir na lista.

Por outro lado, a China divulgou recentemente um Livro Branco sobre sua defesa nacional na nova era, explicitando que nunca procurará hegemonia e expansão. As proporções das despesas militares no PIB e per capita da China são relativamente baixas. Em 2017, o custo per capita de defesa da China foi de 750 yuans, sendo 5% do valor norte-americano.

As calúnias de algumas personalidades norte-americanas contra a China foram criadas por resistências de outros países contra a hegemonia dos EUA. Os políticos norte-americanos tomaram a China como alvo de agressão e inventaram a teoria de “ameaças da China”. O objetivo é transferir os conflitos internos para outros países.

Sendo um país amador da paz desde a antiguidade, a China nunca procura a hegemonia e se compromete a ser um construtor e defensor de paz mundial.

Tradução: Paula Chen

Revisão: Gabriela Nascimento

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Turistas visitam museu de astronomia durante as férias de verão em Guizhou
Campo de flores de canola em Menyuan, província de Qinghai
Pessoas se refrescam em corredeira em Nanchang
Crianças aprendem sobre classificação do lixo em Hefei
Tóquio 2020: Toyota apresenta os robôs mascotes para receber atletas e espectadores
Monte Kailash

Notícias

Número de mortos sobe para 15 em deslizamento de terra no sudoeste da China
Cristiano Ronaldo brilha no jogo da ICC e Inter perde jogo em “casa” nos pênaltis
Comentário: Hegemonia norte-americana é a verdadeira destruidora da ordem internacional
China divulga Livro Branco sobre defesa nacional
Voo Lisboa-Xi’an-Beijing começa a operar a 30 de agosto
Boris Johnson é eleito líder do Partido Conservador do Reino Unido