Mandarim na moda, Brasil adere ao fenômeno da aprendizagem do idioma chinês

Fonte: Diário do Povo Published: 2018-03-15 15:32:49
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

No dia 3 de março, o Instituto Confúcio da Universidade Estadual de São Paulo organizou as comemorações do Festival das Lanternas, no parque Ibirapuera, o maior da capital paulista. Várias atividades enquadradas na cultura tradicional chinesa, como canções, dança, caligrafia, recorte de papel e exposições de vestes tradicionais estiveram incluídas no programa.(Foto:Mo Chengxiong)

No dia 3 de março, o Instituto Confúcio da Universidade Estadual de São Paulo organizou as comemorações do Festival das Lanternas, no parque Ibirapuera, o maior da capital paulista. Várias atividades enquadradas na cultura tradicional chinesa, como canções, dança, caligrafia, recorte de papel e exposições de vestes tradicionais estiveram incluídas no programa.(Foto:Mo Chengxiong)

O portal do Nanmeiqiaobao, um jornal da comunidade de chineses no Brasil,   noticiou recentemente que, no seguimento do crescimento econômico da China e das   oportunidades daí provenientes, cada vez mais pais e escolas apostam no   aprendizado do mandarim para as gerações mais novas.

O website brasileiro “Gazeta do Povo” noticiou que cada vez mais escolas nos   EUA começaram a incluir o mandarim na sua oferta educativa. Em Nova Iorque,   algumas escolas, públicas e privadas, oferecem cursos de mandarim para crianças   a partir dos 3 anos de idade.

O Wall Street Journal refere que, desde 2012, várias famílias americanas   passaram a viver na China, com o propósito de dominarem a língua. Esta moda foi   acompanhada pelo pico de recrutamento de professores de chinês e de amas   chinesas para apoiar no desenvolvimento de capacidades linguísticas das   crianças.

Na África do Sul, o mandarim foi implementado em 2016 como parte do currículo   das escolas públicas. “Esta medida irá trazer benefícios de longo prazo e ir de   encontro às tendências de desenvolvimento global”, disse Sanusha Naidu, um   investigador do Instituto Sul Africano para as Relações Internacionais.

No Brasil, embora os cursos de mandarim sejam ministrados quase   exclusivamente em escolas de línguas, algumas instituições do ensino básico   começaram a prestar atenção ao idioma. “Nos últimos anos, muitos brasileiros têm   trabalhado com a China, por isso os pais começam a ver aqui uma oportunidade.   Tenho reparado que cada vez mais pais brasileiros querem que seus filhos estudem   chinês”, disse Lin Chun Hsein, professor do Centro Ásia, em Curitiba. 

Uma escola de matemáticas de Niterói, além do inglês, começou a lecionar   aulas de mandarim no ensino médio. Esta escola enviou um grupo de estudantes à   China para que estes fossem se integrassem na língua e cultura chinesas.

No que concerne ao estudo do mandarim, a dificuldade é algo que não pode ser   posto de parte. Simon Bell, diretor geral da Page Executive, uma empresa de   recrutamento inglesa, refere que o mandarim é “extremamente difícil”,   requerendo, em média, pelo menos 2200 horas de estudo para dominar o idioma. Em   termo de comparação, para ser fluente em espanhol são apenas necessárias 700   horas.

“Para falar mandarim fluente, são precisos pelo menos 3 a 4 anos passados na   China. A não ser que seja muito jovem, ou que tenha gasto muito tempo a estudar,   será muito difícil conseguir atingir um nível que possa ter influência na   carreira pessoal”, disse Alex Berghofen, da Helex Asia, uma outra empresa de   recrutamento.

Tendo em conta as circunstâncias, é recomendável que o estudo do mandarim   inicie durante a infância, dado que as crianças têm mais facilidade em absorver   a informação à sua volta.

“Durante as aulas, os professores podem fazer uso de elementos culturais. O   ensino não tem que ser exclusivamente à base da língua”, disse Fernanda Silva   Veloso, professora de línguas da Universidade Federal do Paraná.

As novas tecnologias podem também ser aplicadas ao ensino de línguas. O   brasileiro Marcelo Zilberberg criou o aplicativo “Mandarin Journey” para   auxiliar de forma interativa o aprendizado da língua chinesa. 

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Lago Retba, o lago rosa de Senegal
Drones apresentam show de luzes em Nanjing
Desenhos em árvores atraem turistas em parque de Ningxia
Beijing tem a primeira livraria com autoatendimento
Paisagens de campos de melancia em Guangxi
Cataratas Hukou têm grandes fluxos de água

Notícias

Mandarim na moda, Brasil adere ao fenômeno da aprendizagem do idioma chinês
Posto fronteiriço de Macau da Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau foi entregue à RAEM
Mudança na Constituição corresponde à realidade chinesa, diz especialista brasileiro
Morre Stephen Hawking aos 76 anos
Bidhya Devi Bhandari permanece na presidência do Nepal
Exposição chinesa recebe promoção no Reino Unido