Comentário: Declaração dos chanceleres do G7 não terá qualquer influência

Fonte: CRI Published: 2021-03-13 21:14:27
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Os chanceleres do G7 publicaram uma declaração na sexta-feira (12), distorcendo a decisão de aperfeiçoamento do sistema eleitoral de Hong Kong, dizendo que é uma tentativa de danificar o alto grau de autonomia da região e chegando até mesmo a exigir que a China atue conforme a Declaração Conjunta China-Reino Unido.

Nos mais de 150 anos de colonização britânica, os cidadãos de Hong Kong sofreram repressão política. Não existia democracia alguma. Após o retorno à China, graças à implementação de “um país, dois sistemas”, “administração de Hong Kong pela gente de Hong Kong” e ao alto grau de autonomia, os cidadãos conseguiram se tornar donos da região, gozando de direitos e liberdade sem precedentes.

O princípio de “um país, dois sistemas” visa defender a reunificação do país e a integridade territorial, além de manter a prosperidade e estabilidade de Hong Kong. “Um país” é a premissa e base de “dois sistemas”. De acordo com a Constituição e a Lei Básica, o governo chinês executa o direito de governança completa em Hong Kong, enquanto Hong Kong desfruta do alto grau de autonomia sob a autorização do governo central.

O objetivo da decisão da Assembleia Popular Nacional (APN) sobre o aperfeiçoamento do sistema eleitoral em Hong Kong é evitar riscos de segurança e proteger a estabilidade política local, a fim que o governo da RAEHK foque na melhoria de vida do povo e desenvolva a economia, sem nenhuma relação ao alegado prejuízo do alto grau de autonomia.

Por exemplo, o princípio de “Hong Kong governado por patriotas” visa excluir da estrutura da administração da RAEHK os elementos anti-China. Isso não significa que todos os opostos serão excluídos da governança. Aqueles que amam a pátria e Hong Kong ainda podem participar das eleições e ser eleitos conforme a lei. Então, de onde vem a conclusão de que “querem eliminar as vozes opostas”?

Por fim, a Declaração Conjunta China-Reino Unido não concede ao Reino Unido nenhum direito de assumir responsabilidade ou intervenir em assuntos de Hong Kong após o retorno à China. O país europeu não tem soberania, nem poder de governança ou supervisão na RAEHK. Além disso, a Declaração é um documento bilateral, sem relação com outros países ou organizações. O feito dos chanceleres do G7 viola a Lei Internacional e o Códig Básicos das Relações Internacionais, expondo a mentalidade colonial sombria e a intenção sinistra de conter o desenvolvimento da China.

Trdução: Florbela Guo

Revisão: Erasto Cruz

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Pescadores esperam boa colheita de produtos aquáticos
Paisagem noturna do bairro de Xujiahui, em Shanghai
Aldeia de Wuyuan acolhe chegada da primavera
Flores de cerejeira em Guizhou
Pessoas visitam show de luzes em Wuhan, província de Hubei
As flores de damasco na cidade Zaozhuang estão em plena floração

Notícias

Conselho de Direitos Humanos: pobreza absoluta é eliminada em Xinjiang
Reunião online foi realizada à margem da 46ª conferência do Conselho de Direitos Humanos
Vacinas chinesas ajudam a fortalecer elo fraco na luta mundial contra COVID-19
China lança foguete transportador de médio porte Longa Marcha-7A
Comitê Olímpico Internacional comprará vacina chinesa
Israel suspende proibição de entrada de estrangeiros