Comentário: EUA precisam tomar ações mais concretas depois de se reintegrar no Acordo do Paris

Published: 2021-02-20 20:26:06
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, declarou ontem (19) que seu país voltou oficialmente a integrar o Acordo do Paris, o que foi aplaudido pelo secretário-geral da ONU, António Guterres.

O enfrentamento das mudanças climáticas precisa de esforços conjuntos de todo o globo. Porém, sendo o país principal emissor de dióxido de carbono, os EUA declararam a retirada do Acordo no mandato do governo anterior com o pretexto de carga financeira demasiada. O ato míope reduziu gravemente o efeito de implementação do Acordo de Paris enquanto os EUA também sofreram consequências, tal como o tempo extremamente frio ocorrido atualmente, segundo Guterres.

Diante destas circunstâncias, Joe Biden liderou o governo a reintegrar o Acordo de Paris, o que foi bem recebido. Porém, este acordo é um documento importante que se relaciona estreitamente com o destino da Humanidade e deve ser implementado de forma pragmática ao invés de só falar ou ter segundas intenções. Ao retornar, os EUA devem pensar na importância de tal acordo levando em consideração o futuro e destino da Humanidade. Por isso, a implementação é mais importante do que a declaração.

Observamos que após tomar a posse, Biden assinou uma série de decretos administrativos, declarando a emissão zero de carbono no setor elétrico até 2035 e a neutralização da emissão de carbono até 2050. Porém tal plano foi recusado veementemente pelos republicanos. Ao enfrentar a situação de separação política no interior do país, o governo de Biden deve priorizar a transformação da declaração em ação e manutenção de continuidade do Acordo de Paris.

O problema das mudanças climáticas é considerado pelo governo de Biden como chave para restabelecer a figura dos EUA. Porém, isso não significa que o país possa continuar exercendo os conceitos de “exceção norte-americana” e unilateralismo. Perante as mudanças climáticas, o unilateralismo é um beco sem saída. Só o multilateralismo pode trazer benefícios recíprocos.

Além disso, os países desenvolvidos não podem tentar atrasar o desenrolar das nações em desenvolvimento. De acordo com a Convenção-Quadro da ONU sobre Mudanças Climáticas, os países desenvolvidos e em desenvolvimento devem assumir responsabilidades conjuntas, mas diferenciadas. Isso significa que as nações desenvolvidas devem reforçar os trabalhos a respeito e oferecer às em desenvolvimento apoio financeiro e técnico.

Esperamos que os EUA estejam realmente conscientes do significado do Acordo de Paris para o desenvolvimento da Humanidade, tomem ações sinceras e concretas e contribuam para enfrentar as mudanças climáticas, além de assumir sua responsabilidade devida.

Tradução: Li Jing

Revisão: Erasto Santo Cruz

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

LEGO lançou um set Porsche 911 Turbo e 911 Targa
Flores de cerejeira desabrocham no parque de Wuhan
Beijing exibe a cabeça de Buda de pedra recentemente recuperada do exterior
Turistas apreciam a paisagem de flores de cerejeira na cidade Longyan, província de Fujian
Festival de lanternas em Nanjing atrai turistas
Um espaço de experiência de arte abriu ao público em Beijing

Notícias

Turquia suspenderá gradualmente restrições contra COVID-19 a partir de março
China refuta rumores sobre situação de Mianmar
Rover Perseverance, da NASA, pousa em Marte
Vacinas chinesas ajudam vários países a combater Covid-19
Bilheteria da China bate recorde na Festa da Primavera
Senegal recebe vacinas chinesas da Sinopharm