Comentário: Reportagem ocidental sobre trabalho forçado em Xinjiang é uma novela

Fonte: CRI Published: 2021-01-29 21:10:56
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Recentemente, o especialista dos EUA em questões internacionais, Einar Hans Tangen, assitiu a uma reportagem filmada pelo New York Times na cidade de Kuitun, na Região Autônoma Uigur de Xinjiang. Ele comentou que a reportagem adicionou e cortou imagens deliberadamente, como numa novela. Na verdade, as cenas de trabalho forçado das pessoas da etnia uigur são efeitos especiais de filme.

Vamos acabar com a ilusão e descobrir a verdade sobre o trabalho da população de Xinjiang. Dados são as melhores provas.

Xinjiang tinha áreas contíguas e concentradas extremamente pobres. Em 2014, foram registrados mais de 3,13 milhões de pessoas pobres na região. Para que os residentes levassem uma vida confortável, o governo local priorizou o emprego. Pessoas de todas as etnias escolhem profissões e locais de trabalho de acordo com seus próprios desejos, assinam contratos de trabalho conforme a lei e são remunerados.

Dados mostram que de 2014 a 2019, o número total de trabalhadores em Xinjiang aumentou de 11.352.400 para 13.301.200, um aumento de 17,2%. As políticas de emprego e as práticas correspondem não só à constituição e às leis chinesas, como também aos critérios internacionais.

Trabalhar fora da terra natal é também um importante caminho rumo ao enriquecimento das pessoas de Xinjiang. De acordo com estatísticas de pesquisa ainda em curso, a renda anual per capita dos trabalhadores de Xinjiang que trabalham em outras províncias é de cerca de 40 mil yuans, que é basicamente equivalente à renda per capita dos residentes permanentes no local de trabalho. Enquanto a renda média dos trabalhadores que se transferem dentro da região é de 30 mil yuans, muito maior do que a renda de agricultores que permanecem na terra natal. Em meados de novembro de 2020, graças às várias medidas de alívio da pobreza aliadas ao emprego, Xinjiang erradicou a pobreza por completo.

Em 2020, a renda disponível per capita dos residentes de Xinjiang aumentou em 6.986 yuans na base de 2015, um aumento anual de 7,2%. Este número é de 1,1% a mais do que o crescimento do PIB. Todos os fatos provam que o povo de Xinjiang está desfrutando dos resultados de desenvolvimento e levam uma vida cada dia mais bonita. Isso mostra que as mentiras produzidas pelas forças ocidentais anti-chinesas em relação a Xinjiang são completamente absurdas.

Pouco tempo atrás, uma moça da etnia uigur fez um vídeo, no qual disse um provérbio étnico no dialeto uigur ao ex-secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, de que “o cão está latindo, mas o camelo ainda está avançando”. Obviamente, nenhuma difamação consegue cobrir a verdade da prosperidade e estabilidade em Xinjiang, nem impede os passos de desenvolvimento da China. Por fim, todas as mentiras entrarão na lixeira da história.

Tradução: Florbela Guo

Revisão: Gabriela Nascimento

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Turistas visitam a Grande Garganta de Pingshan, província de Hubei
Flores de cerejeira desabrocham em Kunming
Novo aeroporto de Chengdu conclui primeiro voo de teste
Luzes anunciam a chegada do próximo Festival da Primavera em Chongqing
Antiga cidade de huanglongxi em Chengdu
Uma exposição de "Sobremesas da Dinastia Tang" foi realizada em Xi'an

Notícias

Santos: “Espero ser um professor da língua chinesa no Brasil”
Chile começará a vacinação contra Covid-19 em massa em fevereiro
Perspectivas sobre relações sino-europeias em 2021
Receita fiscal da China cai 3,9% em 2020
A China no Fórum Económico Mundial: Esperança e empenho na resolução conjunta da atual crise Mundial
Sistema ferroviário chinês adota medidas contra pandemia com o começo das viagens para Festa da Primavera