Aldeia Banyan sai das montanhas e cria vida próspera

Published: 2020-09-15 15:06:37
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

O distrito autônomo de ajuda mútua da etnia Tu, na província de Qinghai está localizada nas zonas pobres próximas da Montanha Liupanshan. Em 2016, a região iniciou o projeto de realocação dos moradores que viviam nas montanhas. Nos últimos anos, uma aldeia saiu das montanhas, mudou sua imagem e avançou em direção à prosperidade.

Lü Youjin, de 56 anos, está ampliando sua produção de licor com sua mulher. Quarto anos atrás, em sua aldeia original, a 2.500 metros acima do nível do mar, ele dependia da técnica de vinificação ensinada por seu pai e tinha uma vida pobre, como seus conterrâneos. A aldeia possuia 129 famílias. Afetada pela terra árida e dificuldades de locomoção, a região sofria com seis problemas principais: viagem, água potável, assistência médica, ensino, emprego e casamento de jovens.

Após pesquisa e análise, o governo local iniciou a realocação para alívio da pobreza, transferindo os aldeões para a aldeia Banyan, que fica ao lado de uma rodovia. Desde então, todas as famílias passaram a ter água, eletricidade e gás natural. Lü Youjin começou a morar em uma nova casa com quintal de 200 metros quadrados. Em 2017, com o apoio do governo, ele recebeu todos os certificados para a operação da sua oficina e conseguiu uma renda anual de 150 mil yuans, despedindo-se da vida pobre. Para auxiliar todos os aldeões, o governo ainda adotou medidas precisas de acordo com as diferentes condições de cada família, ajudando os aldeões a sairem da pobreza.

Segundo o primeiro secretário do Comitê da aldeia Banyan do Partido Comunista da China, Yuan Guangping, eles desenvolveram cerca de dez indústrias desde a realocação, como bordado Panxiu, criação de porco, energia fotovoltaica, licor e estufas.

O governo local estabeleceu um parque de bordado Panxiu, com uma área de 1,5 mil metros quadrados, com o objetivo de manter viva a técnica única da etnia Tu e desenvolvê-la . Entre as primeiras 145 artesãs, 93 vinham de famílias pobres. Hoje, porém,, sua renda foi significativamente aumentada.

Nos últimos dois anos, foram construídas diversas instalações na aldeia, como enfermaria, parque ecológico e centro de comércio eletrônico. Em setembro, o jardim infantil da aldeia também entrará em uso.

Impulsionada por quase dez indústrias com características étnicas, a renda disponível per capita de Banyan atingiu 7.309 yuans, em 2017, alcançando o objetivo do alívio da pobreza.

Tradução: Nina Niu

Edição: Diego Goulart

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Produção de pão achatado nang em Xinjiang
A Passarela Nanjing Road de Shanghai se estende até a Bund
Equipe de controle de desertificação trabalha ao longo da primeira rodovia desértica em Ningxia
Uma exposição abriu ao público para assinalar o 600º aniversário do palácio imperial da China
Um britânico cultiva o maior tomate da história do Reino Unido
Turistas visitam Jardim Botânico de Xiamen, na província de Fujian

Notícias

75ª Assembleia Geral das Nações Unidas será inaugurada hoje
Dingxi da província de Gansu: grandes mudanças na terra do loess
Chongli da província de Hebei: indústria esportiva impulsiona desenvolvimento de alta qualidade
Tirinha: a família de carneiro sob pandemia II
Proteção ambiental promove bem-estar da população em Dali
Exercício de resgate emergencial é realizado para Jogos Olímpicos de Inverno Beijing 2022