Comentário: Reprimir aplicativos chineses prejudica interesses dos EUA também

Published: 2020-09-09 21:45:34
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, tem promovido recentemente um projeto chamado “Rede limpa” (Clean Network, em inglês) para reprimir as empresas chinesas de altas tecnologias e de comunicações sociais. Aplicativos chineses, como o TikTok e o WeChat sofrem sanções dos Estados Unidos.

É completamente um ato de hegemonia e protecionismo sob o pretexto de segurança nacional. Aliás, o Rede Limpa é muito irônico, porque quem realiza espionagem e monitoramento há muito tempo é exatamente os EUA.

A decisão de Pompeo também vai prejudicar os interesses dos usuários norte-americanos. Na era da globalização, as tecnologias 5G e as redes sociais, como TikTok e WeChat, são plataformas de compartilhamento de informações. Por isso, a proibição do TikTok sofreu grandes críticas dos próprios americanos. O caso do WeChat também é muito semelhante. Grandes empresas multinacionais americanas, como Apple, Ford, Walmart, entre outras, enfatizaram à Casa Branca que banir o WeChat pode enfraquecer sua competitividade de mercado na China.

A repressão política contra empresas chinesas influenciou também a confiança dos investidores internacionais para com os EUA. A história já demonstrou que os EUA nunca tiveram nenhum um pingo de piedade dos concorrentes. Portanto, o que acontece hoje com as empresas chinesas poderá acontecer no futuro com empresas de outros países. Assim, muitas empresas estrangeiras de alta tecnologia devem ter preocupações com o mercado norte-americano.

Além disso, a conduta dos EUA violou as regras de mercado e o princípio da livre concorrência. O rápido desenvolvimento das empresas de internet da China faz com que políticos e empresários norte-americanos se preocupem com a perda da sua liderança e hegemonia no setor. Eles usaram medidas traiçoeiras para bloquear empresas chinesas, mas isso não ajuda em nada a recuperação econômica dos EUA e vai diminuir sua competitividade econômica ainda mais.

No dia 8, a China lançou a Proposta Global da Segurança de Dados, pedindo uma campanha contra a destruição de infraestruturas e o monitoramento de dados de outros países através de tecnologias de informações. Esta iniciativa corresponde à tendência da nova revolução tecnológica e industrial. Se Mike Pompeo quiser verdadeiramente proteger a segurança de dados dos norte-americanos, deverá participar também deste projeto, porque a consulta mútua, a construção conjunta e o compartilhamento são as maneiras corretas para resolver os problemas na administração digital do mundo.

Tradução: Luís Zhao

Revisão: Gabriela Nascimento

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Parque Nacional de Floresta Tropical de Hainan
Área de pastagem em Xilingol entra na temporada de corte de grama
Salão de Concerto de Shanghai reabre ao público
Um protetor da Grande Muralha de 63 anos em Hebei
As bagas de goji entraram na temporada de colheita
Novas tecnologias na feira de comércio de serviços

Notícias

Feira Internacional de Comércio de Serviços da China encerra em Beijing
Indústria de serviço de entrega expressa da China manteve desenvolvimento rápido em 2019
Começa em Beijing o Mês de Promoçâo do Consumo Nacional 2020
Comentário: Vitória da luta contra a epidemia é uma nova força para o progresso da China
Chancelaria chinesa repudia teses dos EUA sobre o rio Mekong
Xi Jinping resume espírito de combate à COVID-19