Nova vida da aldeia de migrantes de Guizhou da China

Published: 2020-07-27 17:59:11
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Até o fim de 2019, a província de Guizhou realocou um total de 1,88 milhão de pessoas para novas residências, sendo a maior escala de realocação para alívio da pobreza na China. Da montanha para a cidade, os migrantes da aldeia de Sanbao do distrito de Qinglong, em Guizhou, começaram uma vida diferente.

Agora, as ciranças têm uma nova escola, adoram os equipamentos de lazer no pátio e as aulas de música e dança, que antigamente não existiam no seu dia-a-dia escolar. A menina Wen Jiaxiu, que está se preparando para entrar na escola secundária, já foi admitida por uma boa escola de ensino médio da prefeitura. Seu pai está satisfeito por que a escola fica apenas cinco minutos a pé de casa.

Morar na nova residência traz bom humor para Wen Jiaxiu. Lembrando do passado, ela disse que as paredes de casa eram escuras, dando-lhe má condição de luz para estudar. Cada manhã, ela tinha que caminhar por mais de uma hora até a escola, a qual também era muito simples.

A aldeia de Sanbao está localizada na zona montanhosa fria com desastres naturais frequentes. Para sair do local, os aldeões só tinham uma estrada com quatro metros de largura, fazendo com que 57,9% da região sofresse com a pobreza. Sanbao é uma das aldeias mais pobres da província.

Em 2015, o governo provincial começou a mudar as famílias nas montanhas remotas, atingindo 1,88 milhão do povo. Mais de seis mil aldeões se mudaram para as novas residências, onde oferece seis escolas novas, instituições de saúde e oportunidades de emprego. Os moradores podem abrir lojas na zona turística recém-construída pelo governo distrital, aproveitando da isenção das contas de aluguel, luz e água por dois anos.

Os aldeões que não querem fazer negócios podem trabalhar na zona industrial ou nas cooperativas de plantação de fungos selvagens do distrito. Wen Jiaxiu quer que seu pai, que trabalha em outra cidade, possa voltar e acompanhar seu crescimento.

De acordo com os dados recentes, conforme o princípio voluntário, 97,73% dos aldeões realocados de Guizhou já pagaram seguro médico e 93,61% pagaram seguro de pensão. Até o final de junho, 861 mil pessoas conseguiram empregos, ocupando 89,19% do total dos realocados.

Tradução: Nina Niu

Edição: Diego Goulart

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Sichuan realiza projetos para alcançar desenvolvimento rural integral
Melhora o ambiente ecológico do lago Chagan
China reabertura de cinemas
Pessoas se divertiram em um campo de flores na cidade de Jilin
Vista da ponte Lugou em Beijing
Moradores evacuados e levados para abrigo temporário no distrito de Zhoutou, província de Anhui

Notícias

Nova vida da aldeia de migrantes de Guizhou da China
The New York Times publica artigo de biologista chinês sobre morte de parente por Covid-19 nos EUA
Sul-africana grava vídeos sobre práticas chinesas no combate ao Covid-19
Presidente do Brasil testa negativo para covid-19 em novo exame
The Lancet: Sucesso da China em controlar o Covid-19 vale a pena ser aprendido
Xi Jinping pede esforços para aplicar decisões do Comitê Central do PCCh