Comentário: EUA sofrerão consequências ruins se apoiarem forças terroristas a pretexto dos direitos humanos

Fonte: CRI Published: 2020-06-18 22:13:13
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Os EUA sancionaram o “Projeto de Lei de Política de Direitos Humanos Uigur 2020”, tornando-o lei na quarta-feira (17), horário local. Nesta lei, consta graves difamações sobre o status quo dos direitos humanos na China e fortes ataques às políticas do governo chinês em relação à governança de Xinjiang. A China expressa insatisfação e firme oposição à conduta dos EUA que viola a Lei Internacional e as normas básicas das relações internacionais, sendo também uma interferência nos assuntos internos chineses.

Nos últimos anos, alguns políticos estadunidenses não pararam com suas tentativas de pôr em risco a prosperidade e a estabilidade de Xinjiang, de prejudicar a unidade da nação chinesa e de conter o desenvolvimento da China. As acusações dos EUA quanto a Xinjiang são infundadas. A nova lei não passa de ser mais uma farsa política promovida por alguns políticos estadunidenses em busca de seus próprios interesses políticos.

Todos sabem que a questão de Xinjiang não é uma questão de etnia, religião ou direitos humanos, mas sim de luta contra o terrorismo e o separatismo. De 1990 a 2016, ocorreram milhares de incidentes terroristas em Xinjiang. Diante dessa situação, foram instalados centros educacionais de formação profissional na região, implementando com ações as iniciativas internacionais contra o terrorismo e o extremismo, e contribuindo para a causa antiterrorista internacional. Até o momento, não aconteceram incidentes terroristas violentos em Xinjiang em três anos consecutivos. O crescimento do PIB regional de 2019 foi mais alto do que o médio do país, chegando a 6,2%. Neste ano, Xinjiang concretizará a eliminação da pobreza completa, junto com outras regiões da China.

Quando a epidemia foi controlada, a retomada da produção foi acelerada em Xinjiang. No primeiro trimestre, o crescimento do valor agregado das empresas industriais de Xinjiang ficou no primeiro lugar no país. Fatos provam que as medidas adotadas contra o terrorismo e o extremismo garantiram ao máximo os direitos básicos à sobrevivência e ao desenvolvimento das 25 milhões de pessoas da região.

Recentemente, a morte de um cidadão negro por policiais provocou protestos maciços nos EUA. As autoridades estadunidenses negligenciaram os pedidos razoáveis do povo, mas ameaçaram usar cães cruéis e armas das mais ameaçadoras contra os manifestantes. Queremos perguntar, como os EUA, que têm muitas manchas nos seus próprios direitos humanos, poderiam ser qualificados para "se preocuparem" com a questão de Xinjiang?

Os assuntos de Xinjiang são assuntos internos da China. O povo chinês está firmemente determinado em defender a soberania, a segurança e os interesses de desenvolvimento. Se os EUA tentarem interferir nos assuntos de Xinjiang, da China, por meio do apoio às forças terroristas e violentas, certamente sofrerão as consequências de seus próprios atos.

Tradução: Florbela Guo

Revisão: Gabriela Nascimento

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Lavandas florescem no vale do rio Ili
Parque Nacional do Pantanal de Minghu em Guizhou
Beijing desinfeta mercados de produtos agrícolas para frear COVID-19
Turistas visitam cachoeira Huangguoshu em Guizhou
Pessoas doam sangue no Dia Mundial do Doador de Sangue
Cenário do parque Zishan na cidade Handan, província de Hebei

Notícias

Comentário: Proposta chinesa indica direção para cooperação internacional no combate antipandêmico
Beijing reforça controle de fluxo de pessoas para conter epidemia
Experiência voluntária de Yang Longming
Equipa médica da China ajuda combate à epidemia em São Tomé e Príncipe
Emissão de títulos especiais do governo da China terá impacto limitado na liquidez
Fed: recuperação econômica dos EUA enfrenta grandes incertezas