Comentário: três perguntas para os EUA sobre o COVID-19

Published: 2020-03-22 21:31:04
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Nos últimos dias, políticos norte-americanos, incluindo Donald Trump, mencionaram várias vezes o COVID-19 como “vírus chinês”, causando muitas críticas da comunidade, pois é considerado por muitos uma atitude racista, xenofóbica e pretensiosa.

A origem do novo coronavírus precisa de pesquisas e provas científicas. O diretor do Instituto Mario Negri, uma das principais entidades de pesquisa clínica e biomédica da Itália, Giuseppe Remuzzi, disse recentemente à imprensa norte-americana que em dezembro ou até mesmo novembro do ano passado eles já haviam descoberto uma pneumonia muito estranha. Isso significa que o novo coronavírus poderia já ter começado a se espalhar na Lombardia, norte da Itália, antes mesmo do surto ocorrido na China.

O famoso especialista chinês, Zhong Nanshan, também tinha dito que o surto começou na China, mas ainda não se sabe onde nasceu o vírus.

O jornalistas britânico, Amanda Walker, do Sky News, disse que milhares de norte-americanos já morreram por causa de uma epidemia, e isso já é uma culpa clara de seu presidente. Denominar o COVID-19 de “vírus chinês” é apenas um pretexto para escapar das acusações.

Agora, o governo norte-americano precisa esclarecer três dúvidas:

Primeira, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA estimou que a gripe começou em setembro de 2019 no país e que já causou mais de 20 mil mortes. O diretor da entidade, Robert Redfield, confessou que algumas vítimas fatais foram causadas pelo COVID-19. Então, qual é o número exato dos casos infectados pelo novo coronavírus entre os 20 mil mortos? Os EUA tentaram ou não cobrir a situação verdadeira da nova pneumonia aproveitando a gripe?

Segunda, porque a base de pesquisa de armas químicas e biológicas, o Forte Detrick, localizado no Estado de Maryland fechou de repente em julho de 2019? Logo depois, começou a grande gripe nos EUA e em outubro do ano passado, várias organizações norte-americanas realizaram uma manobra para enfrentar epidemias globais, chamada “Event 201”. Recentemente, internautas norte-americanos pediram o esclarecimento do verdadeiro motivo do fechamento do Forte Detrick no site da Casa Branca.

Terceira, nos meados de fevereiro, o governo norte-americano ainda disse que a situação da pneumonia causada pelo COVID-19 nos EUA era controlável, mas por que, ao mesmo tempo, vários funcionários do Comitê de Inteligência do Senado venderam ações de milhões de dólares? Perante a ameaça da epidemia, eles não consideram a vida como prioridade, ao invés disso realizam negócios de ações através de informações dos bastidores?

Tradução: Luís Zhao

Revisão: Erasto Santos Cruz

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Os alunos de Qinghai iniciaram novo semestre com medidas de prevenção mais rigorosas contra o novo coronavírus
Agricultores colhendo folhas de chá em uma plantação
Torre Pérola Oriental de Shanghai reabre ao público
Pacientes receberam alta hospitalar e terminaram a quarentena de 14 dias para observação médica em Wuhan
Paisagem de primavera do Lago Oeste
Construção da superponte do rio Qingshui é retomada em Guizhou

Notícias

Senado e Câmara dos Deputados do Brasil pedem desculpas à China por declaração de Eduardo Bolsonaro
É o vírus que é o inimigo, não são as pessoas afetadas
​CGTN ajuda médicos chineses e estrangeiros a trocar experiências do combate à epidemia
Vinte kits de teste de COVID-19 são aprovados pela China, diz especialista
China compartilha experiências de controle do COVID-19 com países europeus
Preços da carne suína na China continuam atenuando