Frente a epidemia, políticos estadunidenses podem fazer algo sério?

Published: 2020-03-20 17:19:27
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Recentemente, o líder norte-americano vem chamando várias vezes o novo coronavírus de “vírus chinês”, o que despertou grande indignação da comunidade internacional. As palavras estão cheias de racismo e pretendem levar a prevenção e controle da epidemia a um caminho escuro repleto de ódio racial.

Para o diretor-executivo do Programa de Emergências de Saúde da Organização Mundial de Saúde, Scott Michael Ryan, o vírus não tem fronteira e deve-se evitar relacionar o vírus com alguns indivíduos. “A gripe A H1N1 teve origem nos Estados Unidos, mas não a chamamos de gripe estadunidense. Por isso, ao referir a outros vírus, é de extrema importância adotarmos o mesmo método”, destacou na quarta-feira (18) Ryan.

Já para London Breed, prefeita de São Francisco, o nome é grosseiro. Em sua declaração, a prefeita apontou que o novo coronavírus é uma epidemia global que afeta todos e devemos ouvir as opiniões de profissionais em saúde pública e enfrentá-la de mãos dadas. “É o que estamos fazendo em São Francismo e o que devem fazer também os funcionários federais”, sublinhou.

No início de março, o prefeito de Nova Iorque, Bill de Blasio, afirmou que a falta de kits para a detecção do novo coronavírus é a razão essencial que causou a piora da crise. Em artigo publicado em seu portal, a revista norte-americana Science apontou que houve, por um tempo, problema de qualidade nos testes de ácido nucleico.

É irônico que diante da transmissão acelerada da epidemia e do aumento incessante de casos confirmados de infecção de COVID-19, a liderança de Washington reagiu culpando os outros e se vangloriando. Vamos ver o que eles fizeram nos últimos dois meses.

O secretário de Comércio dos EUA, Wilbur Ross, discursou no dia 30 de janeiro que a epidemia ajudará na criação de postos de trabalho aos EUA, mesmo no momento mais difícil da luta contra o COVID-19 na China.

Em um comício eleitoral ocorrido no dia 28 de fevereiro, em South Carolina, o líder estadunidense alegou que a epidemia foi uma nova fraude criada pelos democratas e culpou seu adversário.

Ao ser entrevistado pela mídia, o seu secretário de Estado, Michael R. Pompeo, chamou o novo coronavírus de vírus de Wuhan.

Quando um jornalista pediu ao presidente dos EUA para fazer avaliação sobre seu desempenho ao reagir à epidemia, ele se deu a nota máxima sem hesitação.

Afinal de contas, é um assunto científico vencer a epidemia. Surtirá efeito apenas falar, vangloriar-se e culpar outros? Alguns políticos do país com a mentalidade torta estão colocando sua população em perigo.

Até o momento, 50 estados, bem como Washington D.C., reportaram casos de infecção de COVID-19.

Com o rápido aumento de casos confirmados, investidores parecem menos confiantes com o pacote de medidas anunciadas pelo governo Donald Trump, apesar da redução constante da taxa de juros e políticas de afrouxamento quantitativo. A bolsa de valores americana interrompeu as negociações pela quarta vez em oito dias de negócios.

Para o líder norte-americano, que considera a bolsa de valores como sua principal façanha, o declínio constante do mercado é o que mais lhe preocupa, já que é o que decide diretamente seus votos. O fato mostra também a lógica inexorável que domina na prevenção e controle nos EUA: O que mais importa é o capital, não a vida!

Ao enfrentar o inimigo comum da humanidade, aqueles políticos que gastam tempo em conversas vazias, podem fazer algo que favoreça verdadeiramente a vida e a saúde do povo?

Tradução: Zhu Jing

Revisão: Diego Goulart

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Os alunos de Qinghai iniciaram novo semestre com medidas de prevenção mais rigorosas contra o novo coronavírus
Agricultores colhendo folhas de chá em uma plantação
Torre Pérola Oriental de Shanghai reabre ao público
Pacientes receberam alta hospitalar e terminaram a quarentena de 14 dias para observação médica em Wuhan
Paisagem de primavera do Lago Oeste
Construção da superponte do rio Qingshui é retomada em Guizhou

Notícias

China compartilha experiências de controle do COVID-19 com países europeus
Preços da carne suína na China continuam atenuando
China aprova nova empresa nacional de gestão de ativos
Especialistas chineses realizam cooperação médica transnacional
Embaixador da China no Brasil rebate acusação do filho de Bolsonaro
Epidemiologista russo elogia experiência chinesa na luta contra epidemia