O que o Wall Street Journal quer fazer?

Published: 2020-02-25 16:33:34
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Cinquenta e três funcionários do jornal norte-americano Wall Street Journal (WSJ) escreveram no dia 20 de fevereiro para sua liderança, exigindo a revisão do título do editorial divulgado no dia 3 de fevereiro e o pedido de desculpa aos ofendidos. Na carta, os funcionários afirmaram que isso não se trata de uma questão de independência do editor, nem uma divisão entre reportagem jornalística e editorial, mas, sim, um título errado que ofendeu profundamente muitas pessoas, inclusive chineses.

Vamos rever o caso. O Wall Street Journal publicou no dia 3 de fevereiro um artigo escrito pelo acadêmico conservador estadunidense Walter Russell Mead, no qual difamou os esforços dedicados pela China no combate à epidemia, alegando, sem fundamentos, o declínio da economia chinesa. Para piorar, o editor do jornal colocou o título discriminatório e racista: ´China é o verdadeiro homen doente da Ásia´. O comportamento despertou grande indignação dos chineses e foi condenado amplamente pela comunidade internacional.

Os Estados Unidos são um país de agrupamento de diversas raças. É politicamente incorreta a discriminação racista e é proibida moralmente, já que viola as regras reconhecidas internacionalmente. Para despertar atenção, o WSJ adotou o título discriminatório racialmente, transgrediu a básica ética profissional e subverteu o princípio da objetividade, justiça e precisão que a imprensa proclama, perdendo o mínimo de compaixão e consciência.

Tal como apontou o professor de estudo racial da Universidade da Califórnia, em Berkeley, uma visão dessa divulgada pelo principal veículo de imprensa norte-americano só vai causar maior medo e inquietação, bem como a rivalidade contra todos os chineses no mundo e outros asiáticos. É muito prejudicial e errado.

Diante das solenes representações da China e dos pedidos para que o jornal se desculpe apresentados por centenas de milhares de chineses na Casa Branca, o WSJ adotou a política do avestruz, recusando a se desculpar e a responsabilizar os envolvidos com o pretexto de independência do jornalismo. Afinal de contas, isso mostra sua arrogância ou falta de coragem?

Perante a difamação, a China não permaneceu em silêncio. Em resposta, a chancelaria chinesa retirou recentemente a carteira de jornalista de três correspondentes do jornal em Beijing, resultado que seu jornal deve assumir.

Neste momento crucial na luta contra a epidemia, o que o WSJ fez? Emitiu um sinal perigoso. Isto é, nos EUA e em alguns países ocidentais, o comportamento racista contra a China e os chineses está ressurgindo. Isso vai prejudicar não só os esforços dedicados por todo o mundo para a prevenção e controle da epidemia, como também colocar em risco a paz e o desenvolvimento mundial.

No email assinado por 53 funcionários do jornal, foi apontado que, se não tomar medidas respetivas, a marca do jornal, sua capacidade de reportagem e a moral de seus jornalistas serão prejudicadas. Frente às advertências, a chefia do WSJ deve refletir e dar uma resposta a seus funcionários, à China e também ao mundo. Não prejudique a fama de um veículo de imprensa centenário, nem perca sua base moral por agir com obstinação.

Tradução: Zhu Jing

Revisão: Diego Goulart


Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Pacientes recuperados pelo novo coronavirus doaram plasma em Hebei
Trabalhadores migrantes usam trem-bala especial para retomar o trabalho
Porto de Hefei retomou as operações de maneira ordenada
Mais pacientes do novo coronavírus recebem alta do hospital
Flores de ameixeira florescem em jardim ecológico em Shanghai
Equipe médica de Fujian parte para Wuhan

Notícias

Coreia do Sul eleva alerta de vírus em meio crescentes casos de COVID-19
Receita da Huawei salta 18% em 2019
Secretário-geral da ONU elogia povo chinês por "contribuir para o bem de toda a humanidade"
Comentário: Economia mundial será mais estável quando a China liberar mais potencial de desenvolvimento
FMI prevê que economia chinesa volte ao normal no segundo trimestre
Filhos de Mubarak são absolvidos de acusações de corrupção