​Comentário: preconceito político poderá prejudicar interesses públicos globais

Published: 2020-02-20 20:15:39
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

No final de janeiro, a aluna chinesa, Cao Wenfang, que está fazendo doutorado na Universidade de Padova, Itália, regressou a Wuhan, capital da província de Hubei, para passar o Ano Novo Chinês com os familiares. Por causa do surto do novo coronavírus, ela não pôde voltar à Itália a tempo para a defesa de tese. Nos meados de fevereiro ,a Universidade de Padova realizou a defesa po rvídeo conferência para Cao Wenfang, e ela conseguiu o doutorado.

É um pouco lamentável que a aluna chinesa não pôde defender sua tese cara a cara com seus professores, mas para evitar o risco da propagação da epidemia, ela fez uma opção correta como todos os 11 milhões de habitantes de Wuhan fizeram: isolar-se para defender os interesses públicos.

Perante a epidemia, todas as políticas chinesas consideram a saúde do povo e a segurança da saúde pública mundial como a maior prioridade. O novo coronavírus tem uma forte capacidade de infecção interpessoal. Por isso, o isolamento é a melhor maneira de impedir sua propagação. Nas regiões mais afetadas, a China tomou medidas para restringir viagens e contatos. O objetivo é prevenir a infecção cruzada.

Tais medidas conseguiram o entendimento e o apoio dos habitantes de Wuhan. Eles se isolaram para respeitar e defender os interesse públicos. Até o dia 19, o número dos novos infectados fora de Hubei diminuiu durante 16 dias consecutivos.

Na coletiva de imprensa realizada no dia 18, responsáveis da Organização Mundial da Saúde (OMS) disseram que as estratégias e medidas tomadas pelo governo chinês são corretas, e com isso, a China ganhou tempo para que outros países do mundo enfrentem a epidemia.

No mesmo dia, a famosa revista médica internacional, The Lancet, publicou uma declaração dizendo que é admirável as medidas eficazes que a China adotou para minimizar os impactos do novo coronavírus.

No entanto, algumas imprensas ocidentais ignoraram tais opiniões profissionais e continuam aproveitando o surto para criticar a China,como já faziam habitualmente. Elas qualificaram as medidas de prevenção aplicadas em Wuhan como um dos maiores movimentos de controle social da história. Perante a epidemia, estas palavras são um prejuízo aos interesses públicos do mundo.

Conhecer e prevenir uma nova doença precisa de tempo. Neste processo, alguns sacrifícios e medidas temporárias são inevitáveis. Em 2019, a cidade de Nova Iorque nos Estados Unidos também tomou medidas obrigatórias para tratar o surto de sarampo.

O diretor do Instituto Kissinger para Relações EUA-China, Robert Daly, disse que, depois do surto do novo coronavírus, precebemos um triste fenômeno: o estigma contra a China é maior do que a simpatia da humanidade.

Tradução: Luís Zhao

Revisão: Erasto Santos Cruz

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Equipe médica de Fujian parte para Wuhan
Voluntários doam sangue em Anhui
Estudantes iniciam aprendizado online na China
Mais empresas de Jinan retomam produção
Chongqing: restaurantes continuar focando no serviço de entrega
Paisagem de primavera do Lago Oeste em Hangzhou

Notícias

Do caso do “Diamond Princess”, entende-se a prevenção da China contra epidemia
Benfica mostra solidariedade à China na Liga NOS
China confirma 1.779 altas hospitalares na quarta-feira
Província de Hubei toma medidas para encontrar pacientes com febre
Especialista destaca medicina tradicional chinesa na luta contra novo coronavírus
OMS lamenta morte do diretor de hospital em Wuhan