​Comentário: China é “teórica” e “praticante” na melhoria da governança global

Published: 2019-12-30 16:56:18
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Devido à corrente contra a globalização e à desaceleração econômica, é cada vez mais difícil para a comunidade internacional alcançar consenso ao lidar com os riscos e os desafios. A razão reside no fato do sistema de governança global não corresponder às mudanças do cenário internacional e à emergência das novas economias, assim como a desatualização do sistema de governança mundial estabelecido pelos principais países ocidentais depois da Segunda Guerra Mundial. Além disso, um país ocidental tem reprimido e atacado as economias emergentes para defender sua hegemonia, causando a deterioração da governança global.

Nos últimos anos, partindo da defesa dos interesses de desenvolvimento do próprio país e da comunidade internacional, a China tem participado ativamente da reforma do mecanismo da governança global e apresentado um conjunto de ideias e ações. O objetivo é estabelecer um sistema de governança global baseado em consulta mútua, construção recíproca e compartilhamento de resultados, além de promover a construção de uma comunidade de futuro compartilhado.

Em 2019, a China apresentou uma série de sugestões e opiniões em relação à governança global. Em março, durante a visita do presidente chinês, Xi Jinping, à França, ele propôs sua solução para “déficits de governança, confiança, paz e desenvolvimento”. Durante a Cúpula do G20 em Osaka, o líder chinês reiterou que o desenvolvimento do grupo deve priorizar a coordenação da política macroeconômica e levar em maior consideração as demandas razoáveis dos países em desenvolvimento sobre o progresso inclusivo, a construção de infraestruturas, a economia digital, o meio ambiente e o clima. Tudo isso não só reflete uma consideração profunda da China sobre a melhoria da governança global, mas também a responsabilidade de um grande país. Como disse Martin Jacques, estudioso britânico, a China já é um dos principais impulsionadores do novo modelo da governança global.

O governo chinês também é um “praticante” da promoção da reforma da governança global, tais como a iniciativa Cinturão e Rota, o estabelecimento do Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas e a realização do seu compromisso de redução de carbono, com três anos de antecedência.

A participação e a promoção da China no sistema da governança global têm com objetivo atualizar, inovar e aperfeiçoar, em vez de derrubar o velho e estabelecer um novo. Como a proposta chinesa pode garantir os interesses de todas as partes, o país tem sido amplamente apoiado e elogiado pela comunidade internacional.

Perante os destacados desafios de desenvolvimento, a solução do impasse de governança global é premente. Junto com todas as partes, a China quer ser “teoria” e “prática” na promoção do desenvolvimento da ordem internacional rumo a uma direção mais justa e razoável, no fornecimento de uma garantia institucional à paz e estabilidade mundial, assim como na melhoria do bem estar da comunidade internacional.

Tradução: Xia Ren

Revisão: Diego Goularte

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Show de luzes em Wuhan
​Sanya, um perfeito destino turístico para fugir do frio do inverno
Parque temático mundo de gelo e neve abriu ao público
Entusiastas de esqui se divertem no Resort do Lago Songhua em Jilin
Paisagem de inverno na montanha Tianmen, Zhangjiajie, província de Hunan
Festa de gala em celebração ao retorno de Macau

Notícias

Reunião de liderança do PCCh sublinha importância de permanecer fiel à missão fundamental do Partido
Foguete Longa Marcha-5 é lançado com sucesso
Relação China-Rússia entrou na nova era em 2019
Comentário: É assim que nasceu a grande mentira sobre Xinjiang!
Diplomacia chinesa de 2019: China com maior abertura dá boas-vindas ao mundo
Cinturão e Rota abre novo espaço para o crescimento econômico mundial