Comentário: Suspensão da violência é demanda urgente da opinião pública

Fonte: CRI Published: 2019-11-26 20:14:36
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

A China se opõe resolutamente e condena veementemente o Projeto de Lei sobre Direitos Humanos e Democracia de Hong Kong de 2019, publicado recentemente pelo Congresso dos EUA, o qual é uma interferência aos assuntos internos da China e um apoio aberto aos violentos. Hong Kong não está atormentada pelas questões de direitos humanos ou democracia. O mais importante é acabar com a violência, recuperar a ordem e defender o Estado de direito. O comportamento arbitrário norte-americano viola a lei e a opinião pública, sendo, por isso, fadado ao fracasso.

Atos violentos são o inimigo de toda a comunidade internacional e a suspensão da violência é consenso mundial. “Ocupar Wall Street” e os grandes tumultos ocorridos em Londres enfrentaram os tratamentos rígidos dos governos dos dois países, o que demonstra que a suspensão da violência é um axioma.

Nos últimos cinco meses, as ações criminosas dos violentos atropelaram gravemente o Estado de direito e a ordem social de Hong Kong, prejudicando a prosperidade e a estabilidade da cidade, além de terem desafiado o princípio de “Um País, Dois Sistemas”. A polícia local tem mantido o profissionalismo, a contenção e a racionalidade, assumindo bem sua responsabilidade de aplicação da lei. No entanto, o projeto de lei dos EUA inverte o errado pelo correto, embeleza a violência e ameaça as personalidades que defendem a estabilidade de Hong Kong, cuja intenção de perturbar Hong Kong e obstruir o desenvolvimento da China é óbvia.

Diante da verdade, mais e mais cidadãos de Hong Kong despertaram e uniram-se contra a violência. Na manhã do dia 22, chineses procedentes de 28 países chegaram a Hong Kong para apoiar a polícia local contra os violentos. Até dia 26 de novembro, uma ação de “resistência à violência e proteção da casa” já recebeu 1,3 milhão de apoiadores. Os fatos provam que os cidadãos de Hong Kong não suportam os danos causados pela violência e apoiam o governo e a polícia para impedir tumultos com ações práticas.

Numerosas provas demonstram que o motim em Hong Kong foi essencialmente premeditado conjuntamente pelas forças externas e pelos elementos anti-China. Os 7,4 milhões de cidadãos de Hong Kong e 1,4 bilhão de chineses nunca deixarão que as revoluções coloridas ocorram em Hong Kong. A China exige que alguns políticos norte-americanos parem imediatamente de apoiar os violentos e de interferir nos assuntos internos chineses usando a questão de Hong Kong, senão receberão contramedidas fortes e resolutas da China.

Tradução: Florbela Guo

Revisão: Gabriela Nascimento

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Vista aérea do Lago Oeste em Hangzhou
Festival Internacional de Circo da China realizado em Zhuhai
Reserva Nacional Natural de Wanglang, na província de Sichuan
Cenário de neve no parque Beiling em Shenyang
Panda gigante brinca na neve em Heilongjiang
Paisagem do lago Ruqin no ponto turístico de Lushan em Jiangxi

Notícias

Presidentes da China e do Suriname reúnem-se em Beijing
Presidente chinês salienta importância de cultivar talentos militares
Políticos dos EUA difamam a imagem da China com intenções sinistras, disse porta-voz da Chancelaria
Comentário: Investidores globais estão otimistas com o mercado de capitais da China
Compatriotas de Taiwan têm tratamento igualitário em mais setores na parte continental chinesa
Alto funcionário do PCCh critica ato dos EUA sobre Hong Kong