Comentário: Países que incitarem o caos para conter outros países certamente darão um tiro no pé

Fonte: CRI Published: 2019-11-25 21:24:50
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

O Congresso dos Estados Unidos publicou recentemente a Lei de Direitos Humanos e Democracia de Hong Kong de 2019, visando interferir nos assuntos internos da China e incentivar os criminosos radicais, com vista a prejudicar a estabilidade de outros países através da incitação de motins. Certos políticos norte-americanos têm insistido no hegemonismo e na política de poder por longo tempo, o que sofreu forte oposição de diversos países do mundo. Desta vez, eles tentaram aproveitar a questão de Hong Kong para apoiar a violência, sendo intolerável para a comunidade internacional.

Os fatos já comprovaram que os Estados Unidos estão envolvidos há muito tempo nos assuntos de Hong Kong. Os dados mostram que o Congresso dos EUA apresentou mais de 60 projetos de lei em relação a Hong Kong entre 1984 e 2014. Segundo as mensagens divulgadas pelo WikiLeaks, os EUA expressaram por várias vezes opiniões interferentes sobre Hong Kong e se encontraram frequentemente com os opositores. Desde junho deste ano, o Fundo Nacional para Democracia dos EUA não parou de fornecer apoio aos radicais. Vários políticos do país se reuniram abertamente com os líderes de grupos políticos que defendem a “independência de Hong Kong”. É óbvia a tentativa dos norte-americanos de fazer caos em Hong Kong e conter a China. Isso recebeu oposição e condenação da comunidade internacional.

O presidente da Fundação Kuhn dos EUA, Robert Lawrence Kuhn, declarou que nenhum país permite a violência e perturbação da economia. O projeto de lei dos EUA sobre Hong Kong é prejudicial para a China, os EUA e o mundo. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, Abbas Mousavi, comentou que a ação dos EUA violou o processo normativo internacional e prejudicará gravemente a estabilidade global. Para o presidente da Associação de Amizade Afeganistão-China, Sultan Mahmud Ghazi, a questão de Hong Kong é um assunto interno da China. Outros países não têm o direito de interferir.

Certos políticos dos EUA usam dois pesos e duas medidas quanto ao “motim”. Se os distúrbios ocorressem em seu próprio país, não tolerariam e realizariam certamente ações de repressão. Os manuseios fortes ao “Movimento Ocupar a Wall Street” em 2011 e aos protestos em Baltimore em 2015 são exemplos disso. No entanto, uma vez que se envolva assuntos externos, eles mudam de atitude e embelezam os tumultos como “belas paisagens”. O objectivo dos norte-americanos é procurar os interesses políticos e defender a hegemonia global dos Estados Unidos.

Nas últimas décadas, os países onde os EUA intervieram, incluindo o Iraque, Síria, Afeganistão e Líbia, mergulharam em uma onda de turbulência e pobreza. Em nome do antiterrorismo, os EUA criaram maiores riscos à sociedade humana.

O apoio de alguns políticos norte-americanos à violência é contra o direito internacional e os princípios básicos das relações internacionais, desafiando a moralidade e civilização humana. Por outro lado, eles também sofrerão as consequências da violência. Como por exemplo, as guerras provocadas pelos Estados Unidos no Oriente Médio criaram a crise de refugiados de grande escala, o que impactou a ordem social dos países ocidentais.

Hong Kong é uma parte da China. O governo chinês defende firmemente a soberania, a segurança e os interesses de desenvolvimento. Qualquer tentativa de incitar a violência para conter a China não terá efeito.

tradução: Zhao Yan

revisão: Gabriela Nascimento

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Vista aérea do Lago Oeste em Hangzhou
Festival Internacional de Circo da China realizado em Zhuhai
Reserva Nacional Natural de Wanglang, na província de Sichuan
Cenário de neve no parque Beiling em Shenyang
Panda gigante brinca na neve em Heilongjiang
Paisagem do lago Ruqin no ponto turístico de Lushan em Jiangxi

Notícias

Presidentes da China e do Suriname reúnem-se em Beijing
Presidente chinês salienta importância de cultivar talentos militares
Políticos dos EUA difamam a imagem da China com intenções sinistras, disse porta-voz da Chancelaria
Comentário: Investidores globais estão otimistas com o mercado de capitais da China
Compatriotas de Taiwan têm tratamento igualitário em mais setores na parte continental chinesa
Alto funcionário do PCCh critica ato dos EUA sobre Hong Kong