Comentário: China assume a responsabilidade de defender a paz nuclear

Published: 2019-09-03 20:07:33
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

O governo chinês publicou nesta terça-feira o Livro Branco sobre a Segurança Nuclear, apresentando a história do desenvolvimento da causa nuclear, princípios e políticas básicas e experiências da China nesta área.

A energia atômica é um dos frutos científicos mais importantes do ser humano no século XX. No entanto, essa tecnologia também trouxe muitas memórias horríveis para o mundo. Por isso, é de suma importância defender o uso pacífico e seguro dessa energia.

Até junho deste ano, a China contou com 47 grupos de geradores de energia nuclear, sendo o terceiro país do mundo nessa área. A China tem sempre um registro muito bom no âmbito da segurança nuclear.

Como membro permanente do Conselho de Segurança da ONU e potência responsável, a China impulsiona ativamente a utilização pacífica da energia nuclear e as cooperações bilaterais e multilaterais neste setor.

O presidente chinês, Xi Jinping, participou da Cúpula de Segurança Nuclear de 2014 e 2016, propondo o conceito da segurança nuclear racional, coordenado e de progresso conjunto.

Tradução: Luís Zhao

Revisão: Gabriela Nascimento

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Vista aérea do Lago Oeste em Hangzhou
Festival Internacional de Circo da China realizado em Zhuhai
Reserva Nacional Natural de Wanglang, na província de Sichuan
Cenário de neve no parque Beiling em Shenyang
Panda gigante brinca na neve em Heilongjiang
Paisagem do lago Ruqin no ponto turístico de Lushan em Jiangxi

Notícias

Presidentes da China e do Suriname reúnem-se em Beijing
Presidente chinês salienta importância de cultivar talentos militares
Políticos dos EUA difamam a imagem da China com intenções sinistras, disse porta-voz da Chancelaria
Comentário: Investidores globais estão otimistas com o mercado de capitais da China
Compatriotas de Taiwan têm tratamento igualitário em mais setores na parte continental chinesa
Alto funcionário do PCCh critica ato dos EUA sobre Hong Kong