Comentário: jogar carta da “venda de armas” destinado ao fracasso

Published: 2019-08-22 22:05:10
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

O Departamento de Defesa dos EUA informou nesta quarta-feira (21) ao Congresso que os EUA vão vender 66 caças F-16 a Taiwan no valor de cerca de US$ 8 bilhões.

A decisão além de violar, gravemente, a lei internacional e os princípios básicos da relação internacional, interfere, severamente, nos assuntos internos chineses, e prejudica a soberania e os interesses de segurança da China.

A China manifestou a sua firme oposição contra a decisão norte-americana. Beijing anunciou que ia tomar todas as medidas necessárias para salvaguardar os interesses da China, incluindo sancionar as empresas envolvidas na venda de armas à ilha.

Segundo os três comunicados conjuntos assinados entre a China e os EUA, Washington reconhece que o governo da República Popular da China é o único governo legítimo que representa a China e que Taiwan faz parte da China.

O comunicado conjunto acordado em 1982 pelos dois governos definiu que os EUA reduzirão gradualmente a venda de armas para Taiwan, até que a questão de Taiwan seja finalmente resolvida.

Os EUA, no entanto, vêm proporcionando o apoio militar a Taiwan através da Lei da Relação com Taiwan ao longo dos anos. A venda de armas se tornou assim um grande obstáculo no desenvolvimento da relação entre a China e os EUA.

Na realidade, a venda de armas virou uma carta que o atual governo norte-americano costuma usar para exercer pressões à China. Em julho deste ano, Washington tinha anunciado a venda de armas num valor de cerca de US$ 2,22 bilhões a Taiwan.

A intenção dos EUA é clara: exercer mais pressões à China no contexto da guerra comercial. Além disso, Washington quer roubar, mais uma vez, as pessoas de Taiwan para satisfazer aos vendedores de armas norte-americanos.

Esta carta não funcionará. A China não vai misturar a questão comercial com a de Taiwan. De fato, como o assunto de Taiwan se refere aos interesses de Estado núcleo da China, ou seja, a integridade da soberania e do território, Beijing não permitirá, de jeito nenhum, a interferência de forças alheias.

Até os cidadãos de Taiwan estão cientes de que a compra de armas dos EUA trará mais riscos à ilha. A opinião pública em Taiwan manifestou-se preocupada com os impactos que esse negócio pode causar, advertindo que as autoridades de Taiwan não deveriam subestimar a determinação da parte continental chinesa de lançar “um contra-ataque”.

Graças à Reforma e Abertura implementada há quatro décadas, o continente chinês domina firmemente a direção do desenvolvimento da relação entre dois lados do Estreito de Taiwan.

O Partido Progressista Democrático é apenas uma “peça de xadrez” das autoridades norte-americanas, que será finalmente abandonada por Washington.

A reunificação será o destino de Taiwan.

Tradução: Inês Zhu

Revisão: Hilário Taimo

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Vista aérea do Lago Oeste em Hangzhou
Festival Internacional de Circo da China realizado em Zhuhai
Reserva Nacional Natural de Wanglang, na província de Sichuan
Cenário de neve no parque Beiling em Shenyang
Panda gigante brinca na neve em Heilongjiang
Paisagem do lago Ruqin no ponto turístico de Lushan em Jiangxi

Notícias

Presidentes da China e do Suriname reúnem-se em Beijing
Presidente chinês salienta importância de cultivar talentos militares
Políticos dos EUA difamam a imagem da China com intenções sinistras, disse porta-voz da Chancelaria
Comentário: Investidores globais estão otimistas com o mercado de capitais da China
Compatriotas de Taiwan têm tratamento igualitário em mais setores na parte continental chinesa
Alto funcionário do PCCh critica ato dos EUA sobre Hong Kong