Comentário: Jamais será permitida interferência de forças exteriores em Hong Kong

Published: 2019-07-24 14:33:15
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Em relação a uma série de incidentes violentes ocorridos recentemente em Hong Kong, alguns oficiais do Reino Unido e dos EUA expressaram opiniões equívocadas, ignorando fatos e confundindo o público.

Eles inclusive apoiam, publicamente, os activistas que acabaram com a ordem social em Hong Kong, assim como ameaçam o princípio de “Um País, Dois Sistemas”. A sua atitude consiste numa clara interferência nos assuntos internos da China.

A parte chinesa já manifestou a sua forte insatisfação e firme oposição. Hong Kong é uma região administrada pelas leis. A Lei Básica de Hong Kong garante a liberdade e o direito de expressão, reunião, desfile e manifestação para os cidadãos da região.

Entretanto, ao usufruir estes direitos, todos os cidadãos de Hong Kong devem respeitar os direitos dos outros, não afectando, deste modo, a ordem social e a segurança pública, muito menos ultrapassar o limite das legislações ou cometer crimes violentos.

Recentemente, alguns radicais danificaram o Prédio do Parlamento de Hong Kong, feriram policiais e mancharam o emblema nacional pendurado no Gabinete de Ligação do Governo Popular Central na Região Administrativa Especial de Hong Kong.

Com uma série de atos de violências, os radicais excederam o limite da liberdade de expressão e manifestação pacífica, desafiando em público o princípio de “Um País, Dois Sistemas”. Para qualquer país soberano, isso não pode ser ignorável e jamais é permitido.

Na verdade, os países ocidentais - especialmente o Reino Unido - não têm o direito de comentar a liberdade de expressão e manifestação em Hong Kong. Quando a região era governada pelo Reino Unido, os cidadãos locais não tinham autonomia de auto-administração.

Ao longo dos 22 anos, depois do retorno à pátria, o governo chinês tem implementado os princípios de “Um País, Dois Sistemas”, “Administração de Hong Kong pela gente de Hong Kong” e alto grau de autonomia, para que os cidadãos de Hong Kong obtenham o direito sem precedentes de democracia e liberdade.

Ao mesmo tempo, o PIB da região cresceu de 1,37 trilhão de dólares de Hong Kong em 1997 para 2,84 trilhões de dólares de Hong Kong em 2018. O fato provou que “Um País, Dois Sistemas” é a melhor solução para resolver as pendências históricas e o melhor arranjo sistemático para garantir a prosperidade e a estabilidade de Hong Kong.

Alguns meios de comunicação social revelam que a violência ocorrida em Hong Kong é fruto de manipulação organizada, e até executada, pelas forças exteriores. Os assuntos de Hong Kong são assuntos internos da China. O governo chinês jamais permitirá a interferência nos assuntos da região, por qualquer outro governo, instituição ou indivíduo. De forma alguma! Hong Kong é um porto livre, mas a interferência pelas forças exteriores jamais será permitida.

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Crianças aprendem sobre classificação do lixo em Hefei
Tóquio 2020: Toyota apresenta os robôs mascotes para receber atletas e espectadores
Monte Kailash
Zoológico de Shanghai faz ações para os animais se refrescarem no verão
Festival Juvenil Internacional de Dança em Macau
Ilha de Nanji em Zhejiang atrai visitantes

Notícias

Boris Johnson é eleito líder do Partido Conservador do Reino Unido
Economia industrial da China cresce estavelmente no 1º semestre
Delegação da cidade chinesa de Yangzhou reúne-se com compatriotas no Rio
Falecimento do diretor-geral da Agência Internacional da Energia Atômica
Premiê chinês se reúne com príncipe de Abu Dhabi em Beijing
Agricultura moderna orienta rejuvenescimento de Guangdong