Um Cinturão e Uma Rota favorece cooperações sino-africanas

Published: 2018-07-24 20:22:53
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Um Cinturão e Uma Rota favorece cooperações sino-africanas

O presidente chinês, Xi Jinping, está em visita à África. Todos os países africanos que ele visita, incluindo o Senegal, Ruanda, África do Sul e Maurício, são participantes da iniciativa “Um Cinturão e Uma Rota”.

Um Cinturão e Uma Rota favorece cooperações sino-africanas

Cinco anos atrás, quando o presidente chinês visitou pela primeira vez a África, lançou os princípios de sinceridade, efetividade, afetividade e honestidade para com os países do continente. Sob a direção desses princípios, especialmente com o lançamento da iniciativa “Um Cinturão e Uma Rota”, as cooperações sino-africanas estão cada vez mais amplas e frutíferas.

Um Cinturão e Uma Rota favorece cooperações sino-africanas

Os países africanos querem participar do Cinturão e Rota por várias razões. Primeira, os países europeus e norte-americanos prestam menos atenção ao continente. Segunda, durante a reestruturação econômica, a África tem mais perspectiva com a China. Terceira, o Cinturão e Rota poderá ajudar a África a enfrentar a crise anti-industrialização.

Um Cinturão e Uma Rota favorece cooperações sino-africanas


Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Crianças aprendem mais sobre ciência no Museu de Ciência e Tecnologia de Xiamen
Parque Nacional da Floresta de Huanghai, na província de Jiangsu
Centro de Leilão da Flora de Kunming
Turistas se divertem em Liuzhou, no sul da China
Fotos de uma estrada em cima das águas na província de Jiangxi
Abrigos antiaéreos em Chongqing tornam-se lugares populares para escapar do calor do verão

Notícias

Um Cinturão e Uma Rota favorece cooperações sino-africanas
Especialista brasileiro: BRICS receberá mais oportunidades e desafios
Peng Liyuan visita escola feminina em Ruanda
China e Ruanda prometem escrever novo capítulo em relações bilaterais
NBD mostra vigor no mecanismo do BRICS
Comentário: Quem está segurando a “bola da solução” da guerra comercial?