Beijing--Capital de patrimônios culturais mundiais

Fonte: CRI Published: 2018-07-02 15:45:36
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Beijing é o centro cultural da China e também a cidade com maior número de patrimônios culturais mundiais. A antiga cidade de Beijing era dividida por um eixo vertical de 7,8 km. Atualmente, o eixo de Beijing é considerado uma “linha cultural” da cidade. O roteiro de visita ao longo desse eixo é o mais tradicional para conhecer a cultura da capital chinesa.


Foto:Xinhua

Foto: Xinhua

Formado na dinastia Yuan e desenvolvido nas dinastias Ming e Qing, o eixo vertical tem se tornado o símbolo da estética arquitetônica de Beijing. A partir do Portal Yongding, no sul, até as Torre do Sino e do Tambor, no norte, o eixo vertical testemunhou as mudanças dessa cidade imperial.

Depois que a cidade foi escolhida como anfitriã dos Jogos Olímpicos de 2008, o governo construiu ao longo do eixo complexos esportivos. Entre eles, o estádio Ninho do Pássaro, na porção leste, o Cubo Aquático, ao oeste, e o Parque Olímpico ao norte do eixo.

O eixo vertical corta a cidade em partes simétricas. A forma é considerada pelos chineses um símbolo de ordem e de classificação social. Ele representa também o conceito de imparcialidade na cultura chinesa.

O roteiro mais tradicional para conhecer Beijing é o passeio ao longo do eixo vertical. O Portal Yongding, começo do eixo, era o portal principal para chegar à parte interior da cidade durante as dinastias Ming e Qing. Então, os visitantes podem iniciar seu passeio pelo Portal Yongding.

Passeando ao longo do eixo, rumando no sentido norte, os turistas vão encontrar construções antigas entre arranha-céus, jardins verdejantes bem requintados, templos e edificações que remontam à família real nos tempos antigos.

Localizada no centro do eixo, a Cidade Proibida é, sem dúvida, um lugar imperdível para quem visita Beijing. A antiga cidade de Beijing era composta pela Cidade Proibida, a Cidade Imperial, a cidade interior e a cidade exterior. A Cidade Proibida era a residência das famílias reais das dinastias Ming e Qing. Ela é conhecida hoje como “Museu do Palácio”. É também considerada o maior complexo de construção em madeira no mundo. Realmente toda a Cidade Proibida tem muito a oferecer para os turistas.

Hoje em dia, os visitantes da Cidade Proibida podem ir diretamente para a residência do imperador e, através da Realidade Virtual, ver tudo como era o local no seu auge. As pessoas podem até conversar com um ministro daquela época usando a inteligência artificial.

Foto:Xinhua

Foto: Xinhua

Uma grande parte do Palácio não é acessível ao público, mas, através da Realidade Virtual, nenhum lugar está fora dos limites. Nem mesmo a Sala das Três Raridades, com 4,8 metros quadrados, onde o imperador Qianlong, da Dinastia Qing, guardou suas mais preciosas obras de caligrafia.

Depois da Cidade Proibida, é uma ótima ideia passear pelos jardins imperiais. O Pavilhão Wanchun no Parque Jingshan, quintal da Cidade Proibida, era o ponto mais alto dentro de Beijing, e um lugar perfeito para apreciar a paisagem da cidade.

Mais para o norte, ficam as Torres do Sino e do Tambor. Sinos e tambores eram instrumentos musicais na China antiga. Mais tarde eles foram usados pelo governo e pelos moradores como relógios. As Torres do Sino e do Tambor foram o centro da cronologia chinesa durante as dinastias Yuan, Ming e Qing.

Posteriormente, elas continuaram a funcionar como o relógio oficial da China e do governo, até 1924. Naquele ano, o último imperador da Dinastia Qing foi forçado a deixar a Cidade Proibida. Depois desse episódio, um relógio de estilo ocidental passou a ser o método oficial de contar o tempo.

Atualmente, as Torres do Sino e do Tambor compõem um dos lugares mais visitados na cidade. No verão de 2017, o sinólogo da Rússia, Yury Tavrovskiy, deu um passeio ao longo do eixo vertical de Beijing. Ele disse que embora tenha visitado a cidade por mais de 30 vezes, nunca havia conhecido de fato o eixo vertical. Para ele, esse eixo é uma “linha cultural” de Beijing onde se encontram antigos e modernos elementos arquitetônicos.

Foto:Xinhua

Foto: Xinhua

A cidade abriga sete atrações consideradas patrimônios culturais mundiais. Afinal, Beijing tem uma história de 3 mil anos e mais de 800 anos como capital do país. Nos últimos anos, o governo de Beijing tem aumentado a força de proteção à zona de patrimônios culturais ao longo do eixo vertical. A cidade, por exemplo, restaurou o Pavilhão do Portal Yongding e reforçou a administração ambiental da zona das Torres do Sino e do Tambor.

O arquiteto chinês Liang Sicheng elogia incansavelmente o eixo vertical por criar uma ordem estética que se estende do sul ao norte. Dessa forma, o eixo conecta preciosos valores históricos e culturais.

O eixo vertical é agora um cartão-de-visita de Beijing para o mundo. A capital chinesa está de braços abertos aos visitantes dos quatro cantos da Terra.

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Mar de nuvens na montanha Huangshan na província de Anhui
Shenzhen nas últimas 4 décadas: de pequena vila piscatória a metrópole
Melões Hami colhidos em Xinjiang
Onda de calor atinge Jiangsu, no leste da China
As redes sociais chinesas estão sendo dominadas por fotos do céu azul em Beijing
Pudong lidera reforma e desenvolvimento da China

Notícias

Mídia mexicana anuncia Obrador como virtual eleito à Presidência do país
Mexicanos vão às urnas para escolher novo presidente do país
Liangjiahe 2 - Um adolescente de Beijing começa sua vida no campo
Presidente brasileiro se encontra com Yang Xiaodu
Estátua de Karl Marx doada pela China se torna paisagem popular de Trier
Conheça o maior partido do mundo –Partido Comunista da China