Viagem inesquecível ao Polo Sul

Published: 2018-01-19 10:21:18
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

O verão da Argentina tem sempre início em novembro e dura até o mês de março do ano seguinte. Durante o período, a cidade Ushuaia recebe sempre muitos turistas provenientes dos quatro cantos do mundo, porque a cidade é o ponto de partida da sua viagem ao Polo Sul.

Ushuaia é a capital da província da Terra do Fogo, que é um arquipélago na extremidade sul da  América do Sul. Situada no sul do arquipélago. Ushuaia é conhecida como o fim do continente do nosso Planeta.

Viagem inesquecível ao Pólo Antárctico

A cidade encontra-se rodeada por montanhas. Em frente à ilha, está situado o Estreito de Beagle, cuja distância ao Polo Sul é de apenas 800 quilômetros. Com a vantagem geográfica, Ushuaia se torna logicamente o melhor ponto de partida da viagem ao Polo Sul.

Quem chega ao lugar tem uma expectativa em comum, que é de iniciar uma viagem extraordinária ao Pólo Antárctico. De acordo com Valeria Trezza, funcionária do gabinete do Polo Sul do Instituto de Turismo da Terra do Fogo, o Pólo Antárctico tornou-se recentemente num destino turístico. O primeiro grupo de turistas que partiram de Ushuaia para o continente do Polo Sul devem ter chegado entre os anos 1993 e 1995.

“Em 1995, o aeroporto da Ushuaia era muito pequeno e a escala do porto da cidade também não foi ampliada. Entre os anos 1993 e 1995, o primeiro grupo de turistas realizou a viagem ao Polo Sul. Em 1997 e 1999, a ampliação da construção do aeroporto e do porto foi concluída. Assim, após 1999, o turismo no pólo antárctico começou a se desenvolver rapidamente, e esta tendência mantém-se até hoje.”

Um dos trabalhos dia-a-dia de Valeria Trezza no gabinete para assuntos antárcticos é fazer a análise sobre os dados turísticos da última temporada de turismo. Nos últimos anos, falando do nível médio, o número de turistas pode alcançar entre 35 mil e 45mil. Eles chegaram a Ushuaia, e a partir do qual, começaram a sua viagem ao pólo antárctico.

Atualmente, há apenas cerca de 30 companhias que são qualificadas para organizar viagens ao Polo Sul. Valeria Trezza disse que antes da chegada da temporada turística, essas companhias devem receber uma nova rodada de avaliação sobre a sua qualidade.

“Todos os anos, entre junho e agosto, ou seja, antes do começo da alta temporada turística, todas as companhias que planejam organizar viagens ao Polo Sul no verão do mesmo ano, precisam de entregar o seu pedido à Associação Internacional das Operadoras de Turismo Antártico. Após receber os pedidos, a associação vai realizar uma avaliação sobre a qualidade da empresa em diferentes aspectos, por exemplo, a capacidade da embarcação do navio, os parâmetros técnicos, em que forma a viagem seria realizada, e quais são as atividades que a companhia pretende fazer no Polo Sul. ”

Associação Internacional das Operadoras de Turismo Antártico é uma organização fundada em 1991 e visa promover o turismo do pólo antárctico sob o princípio de segurança e protecção ambiental. Apesar de que não existir nenhum ser humano no pólo antárctico, vivem muitos animais selvagens neste continente de gelo e neve.

No passado houve alguma discussão sobre o desenvolvimento do turismo nesta região, por exemplo, se o vertiginoso desenvolvimento turístico no pólo antárctico iria trazer uma grande mudança ao lugar onde vivem estes animais? A quebra de isolamento do pólo antárctico iria resultar em influências negativas tanto para a humanidade como para o continente?

Para Valeria, na exploração turística, a consciência da protecção ambiental é sempre algo prioritário. Toda a gente, não importa se é organizador ou turista, deve obedecer de forma rigorosa aos regulamentos locais.

“Por exemplo, não é permitido ancorar dois navios no mesmo lugar e o número de turistas que desembarca ao continente do Polo Sul não pode ultrapassar as 100 pessoas numa vez só. Os turistas precisam de usar sapatos de chuva desenhados especialmente para o uso no Polo Sul. Os sapatos precisam de ser lavados antes e depois do desembarque. Podemos dizer que todos os regulamentos são elaborados sob a consideração da protecção ambiental. ”

Viagem inesquecível ao Pólo Antárctico

Além dos regulamentos que a gente já falou, ainda existem outros muito específicos para restringir as ações dos turistas no pólo antárctico. Os turistas só podem passear numa certa área, não é permitido se aproximar dos animais selvagens, não podem deixar ou levar objectos do local. As regras são elaboradas sob um só princípio, que é proteger o ambiente do pólo antárctico. Para Valeria, as atividades turísticas que são realizadas sob os regulamentos não vão trazer muita influência negativa ao ambiente ecológico local.

“Na verdade, as atuais atividades turísticas no pólo antárctico não provocam muita influência negativa para o ambiente ecológico do local. Mesmo que o número de turistas atinja entre 35 mil e 45 mil pessoas em todos os anos, as atividades turísticas não trouxeram muito impacto ao ambiente local. Claro, essas atividades necessitam de ser realizadas de forma rigorosa sob os regulamentos.”

Ao contrário das preocupações, Valeria acha que o turismo no Polo Sul oferece uma oportunidade para as pessoas conhecerem melhor a região misteriosa e ficarem mais atentos à protecção do ambiente desse continente. Para Valeria, a proibição do turismo no pólo antárctico não é uma ideia inteligente.

“Acho que não é uma boa ideia proibir o turismo no  Polo Sul. Pois ver com os olhos próprios é a melhor forma conhecer o estado verdadeiro do local. Assim, mais e mais pessoas podem ter um conhecimento direto sobre o pólo antárctico. As pessoas só poderão ter o conhecimento correcto sobre esta região depois de experimentar pessoalmente a atmosfera real.”

Nos últimos dois ou três anos, mais e mais chineses viajaram ao  Polo Sul. A China já se tornou a quarta fonte de turistas para o pólo antárctico, ficando atrás dos Estados Unidos, Austrália e Europa. No verão, Ushuaia pode receber mais de dez mil turistas dos quatro cantos do mundo.

Entre eles, a maioria de viajantes é proveniente dos EUA, Canadá e países europeus. No entanto, nos últimos três anos, a onda de entusiasmo em relação à viagem pelo pólo antárctico por parte da China, leva as pessoas que vivem do outro lado do hemisfério, a viajarem para a Argentina. Segundo a apresentação de Valeria Trezza, os turistas chineses já passaram a ser a quarta fonte das viagens ao  Polo Sul.

“Desde o verão de 2012, Ushuaia começou a receber os primeiros turistas chineses. Atualmente, os principais turistas ainda vêm dos EUA, Canadá e países europeus, entretanto, o número de turistas chineses fica agora no quarta posição desse ranking .”

Para os turistas chineses, sem considerar outros custos, só o bilhete de avião custa muito dinheiro. A viagem desde a China a Ushuaia demora normalmente 30 horas, com pelo menos três transferências de avião. E isso não é tudo, para chegar ao pólo antárctico, ainda é necessário apanhar o navio e depois de dois dias de navegação, os chineses podem finalmente chegar ao destino. O processo pode ser meio complicado mas segundo os turistas que já foram ao pólo antárctico, na primeira visita a esse mundo de gelo e neve, vale tudo a pena.

Então, antes de iniciar a viagem, é melhor fazer as pesquisas necessárias para ter uma viagem mais calma. Como o núcleo da viagem, o desembarque no continente do pólo antárctico pode ser considerado o programa mais desejado por todos os turistas. No entanto, de acordo com a Valeria Trezza, para não prejudicar o ambiente ecológico da região, algumas organizações e agências de turismo elaboraram vários regulamentos sobre as atividades no pólo antárctico.

Os turistas não podem deixar lixo no pólo antárctico nem levar objectos do local, mesmo que seja apenas uma pedra pequena. Pois a temperatura local é muito baixa durante todo o ano, mesmo uma pedrinha pode conter provavelmente micróbios ou vírus de período muito remoto, caso seja levada por um viajante para a sociedade humana, é possível provocar resultados sérios e imprevisíveis.

Em relação a vida no navio. Além de regulamentos feitos pelas pessoas, a natureza também coloca muitos desafios aos turistas que pretendem visitar o pólo antárctico. Na realidade, a maioria do tempo da viagem é passada no navio. O vento marítimo forte e a grande onda trazem bastantes desafios aos viajantes.

Viagem inesquecível ao Pólo Antárctico

Wang Li, chinesa que acabou a ter uma viagem do Polo Sul, afirmou que embora que tenha um desejo de visitar a região já há dez anos e saiba claramente as dificuldades possíveis, ela experimentou ainda um forte enjoo no navio.

“Um assunto inevitável durante a viagem é passar pela faixa do vento oeste, que se localiza entre a latitude norte de 40 graus e a de 60 graus. Demora quatro dias para passar a região. É quase impossível evitar o enjoo no navio. Trouxe todos os materiais que achei serem úteis para prevenir o enjoo, como por exemplo, gengibre, medicamentos ou óleo de hortelã. Mesmo assim, ainda me senti muito desconfortável no navio.”

Além de sofrer o mau tempo durante o percurso marítimo, o clima seco também é um outro fator imprevisto que deixou mais difícil a viagem. Na nossa impressão, esse continente não tem falta de água por estar coberto de neve, mas na realidade, a precipitação média anual do local é muito baixa, o que faz com que o clima seja quase tão seco como o do Deserto do Sahara.

Além disso, a forte reflexão dos raios ultravioletas não vem somente do céu, como também da neve debaixo do pé. Então, quem visita o Polo Sul, deve usar protetor solar e óculos solares.

“Só depois de chegar ao local, posso perceber que o Deserto Sahara e o pólo antárctico são duas regiões mais secas no mundo. O clima seco do local supera a minha imaginação. Por isso, gostaria de sugerir a todos que pretendem viajar à região que o protetor solar e o creme hidratante são items essenciais. Além disso, é importante beber bastante água durante a sua viagem.”

Em comparação com o turismo em outros lugares, a trajectória da viagem ao Polo Sul é indefinida. Pois o tempo muda frequentemente e o navio precisa alterar a original trajectória de navegação.

Segundo a senhora Wang, o mau tempo pode dificultar o desembarque do navio ao continente. Às vezes, o capitão decide reajustar a linha de navegação para procurar um novo destino adequado para desembarcar.

“É necessário que todo mundo tenha uma preparação mental antes de viajar. Pois os factores que provocam as mudanças são incontroláveis. O clima do local é variável, talvez no próximo segundo, a tempestade pode chegar. O nosso primeiro desembarque não foi realizado com sucesso, porque a tempestade era muito forte.”

Se quiser descobrir o mistério do continente do Polo Sul, além de fazer todas as preparações necessárias, ainda precisa de suficiente paciência. Após visitar o pólo antárctico, muitos turistas dizem que em frente da natureza, a humanidade é tão pequenina.

 

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Ni Ni e Jing Boran posam juntos para "BAZAAR"
Canteiro de flores na Praça de Tiananmen
Paisagem de Shahu, no noroeste da China
Veja fotos do último dia do Rock in Rio 2017
Semana de Moda de Milão 2018
Exposição Gastronômica do Meio-Outono realizada em Chengdu

Notícias

UE adota medidas para enfrentar crise na segurança de alimentos
Beijing inicia construção de novo ponto de partida histórico
Lançado primeiro trem de carga refrigerado China-Rússia
Vice-premier chinesa é premiada pela Universidade de Nova York
Xi Jinping visita Exposição "Os 5 anos de mudanças da China"
Construção de alto padrão do subcentro de Beijing é promovida ordenadamente