Filme brasileiro Raia 4 aborda mundo psicológico de adolescentes

Published: 2019-06-25 15:39:12
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

O filme Raia 4, produzido pelo diretor brasileiro Emiliano Cunha entrou na grande tela da cidade chinesa de Shanghai, dia 17 de junho. O longa, que participou de festivais cinematográficos no Panamá e no Uruguai, foi um dos concorrentes do Festival Internacional de Shanghai 2019.

A produção trata da “adolescência cruel” da Amanda, uma atleta de natação com 12 anos. Ela passa a maior parte do tempo na piscina. Sem a preocupação e cuidado suficiente dos pais, o espaço debaixo da água lhe oferece uma sensação de segurança. Ela ama a modalidade e espera se destacar por meio dos treinos duros. No entanto, Amanda tem uma forte rival - a colega Priscila. A ocorrência entre as duas adolescentes se estende da piscina para todos os aspectos da vida. A obra trata do mundo interior complexo dos adolescentes, disse o produtor do filme, Davi de Oliveira Pinheiro.

“No caso do Raia 4, ele é muito mais psicológico, muito mais sobre a personagem e sua relação com o mundo. O filme cria fragmentos de vida, que ganham significado quando o público assiste. As pessoas que acham o significado, o significado não apenas embutido na própria obra, mas também na experiência dos próprios espectadores.”

Sun Xiaofei, uma adepta da sétima arte, disse que o filme integra dois estilos cinematográficos - esporte e adolescência. Ela elogiou especialmente a descrição detalhada do mundo psicológico dos personagens.

“Quando assisti ao filme, senti que passei experiências semelhantes às da protagonista. É algo comum para as meninas na fase da adolescência. A descrição sobre o mundo interior das personagens é preciosa e o desfecho do filme é uma surpresa.”

De acordo com Oliveira Pinheiro, a história foi inspirada na experiência pessoal do próprio diretor. Antes de iniciar a carreira cinematográfica, Emiliano Cunha foi um atleta de natação.

“O Emiliano realmente queria fazer um retrato da vida pregressa dele como atleta. Ele quer mostrar uma visão do que é essa atleta, que era muito pessoal dele. Mas, desde o início, ele procurou não ser uma biografia, e o primeiro movimento para fazer isso foi ter uma personalidade feminina como protagonista, ao invés de ser um menino. A partir das vivências que ele teve, ele começou a criar cenas, criar momentos, criar situações que formam a Amanda e as personagens em sua volta.”

Merece ser ressaltado que as duas atrizes do filme, Brídia Moni e Kethelen Guadagnini, não são profissionais. Elas não tinham nenhuma experiência de cinema antes de participar das filmagens. As atrizes foram selecionadas de equipes da natação.

“Desde o início, o Emiliano queria que fossem atletas, não atores atletas, mas, sim, atletas atores. Daí ele começou a procurar em clubes, procurando esses nadadores e nadadoras que seriam personagens. Passaram por um processo de qualificação para atuar no filme. Vimos no início o vídeo de Brídia que o olhar dela é muito forte. Após a seleção no estúdio, escolhemos alguns atletas, e iniciamos uma oficina de atuação com grupos fechados, para que a gente os observasse e decidisse o elenco.”

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Inaugurada "a livraria mais linda da China" em Beijing
China começa a testar primeira linha de metrô que atravessa Rio Amarelo
Campo de girassol em Nanjing
Exposição Internacional de Drones abre em Shenzhen
Pastagem Guanshan em Shaanxi
Pessoas visitam a Exposição China-Rússia em Harbin

Notícias

Secretário-geral do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Cooperação Internacional e das Comunidades da Guiné-Bissau aplaude modelo de cooperação China-África
Shaanxi convida 36 veículos de imprensa internacionais para conhecer a província
​Voz da China no palco do G20
Suning compra participação majoritária no Carrefour China
Chegadas de visitantes a Macau aumentam 25,6% em maio
“Castle of Dream” é o maior vencedor do 22º FICS