Filme brasileiro Raia 4 aborda mundo psicológico de adolescentes

Published: 2019-06-25 15:39:12
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

O filme Raia 4, produzido pelo diretor brasileiro Emiliano Cunha entrou na grande tela da cidade chinesa de Shanghai, dia 17 de junho. O longa, que participou de festivais cinematográficos no Panamá e no Uruguai, foi um dos concorrentes do Festival Internacional de Shanghai 2019.

A produção trata da “adolescência cruel” da Amanda, uma atleta de natação com 12 anos. Ela passa a maior parte do tempo na piscina. Sem a preocupação e cuidado suficiente dos pais, o espaço debaixo da água lhe oferece uma sensação de segurança. Ela ama a modalidade e espera se destacar por meio dos treinos duros. No entanto, Amanda tem uma forte rival - a colega Priscila. A ocorrência entre as duas adolescentes se estende da piscina para todos os aspectos da vida. A obra trata do mundo interior complexo dos adolescentes, disse o produtor do filme, Davi de Oliveira Pinheiro.

“No caso do Raia 4, ele é muito mais psicológico, muito mais sobre a personagem e sua relação com o mundo. O filme cria fragmentos de vida, que ganham significado quando o público assiste. As pessoas que acham o significado, o significado não apenas embutido na própria obra, mas também na experiência dos próprios espectadores.”

Sun Xiaofei, uma adepta da sétima arte, disse que o filme integra dois estilos cinematográficos - esporte e adolescência. Ela elogiou especialmente a descrição detalhada do mundo psicológico dos personagens.

“Quando assisti ao filme, senti que passei experiências semelhantes às da protagonista. É algo comum para as meninas na fase da adolescência. A descrição sobre o mundo interior das personagens é preciosa e o desfecho do filme é uma surpresa.”

De acordo com Oliveira Pinheiro, a história foi inspirada na experiência pessoal do próprio diretor. Antes de iniciar a carreira cinematográfica, Emiliano Cunha foi um atleta de natação.

“O Emiliano realmente queria fazer um retrato da vida pregressa dele como atleta. Ele quer mostrar uma visão do que é essa atleta, que era muito pessoal dele. Mas, desde o início, ele procurou não ser uma biografia, e o primeiro movimento para fazer isso foi ter uma personalidade feminina como protagonista, ao invés de ser um menino. A partir das vivências que ele teve, ele começou a criar cenas, criar momentos, criar situações que formam a Amanda e as personagens em sua volta.”

Merece ser ressaltado que as duas atrizes do filme, Brídia Moni e Kethelen Guadagnini, não são profissionais. Elas não tinham nenhuma experiência de cinema antes de participar das filmagens. As atrizes foram selecionadas de equipes da natação.

“Desde o início, o Emiliano queria que fossem atletas, não atores atletas, mas, sim, atletas atores. Daí ele começou a procurar em clubes, procurando esses nadadores e nadadoras que seriam personagens. Passaram por um processo de qualificação para atuar no filme. Vimos no início o vídeo de Brídia que o olhar dela é muito forte. Após a seleção no estúdio, escolhemos alguns atletas, e iniciamos uma oficina de atuação com grupos fechados, para que a gente os observasse e decidisse o elenco.”

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Vista aérea do Lago Oeste em Hangzhou
Festival Internacional de Circo da China realizado em Zhuhai
Reserva Nacional Natural de Wanglang, na província de Sichuan
Cenário de neve no parque Beiling em Shenyang
Panda gigante brinca na neve em Heilongjiang
Paisagem do lago Ruqin no ponto turístico de Lushan em Jiangxi

Notícias

Presidentes da China e do Suriname reúnem-se em Beijing
Presidente chinês salienta importância de cultivar talentos militares
Políticos dos EUA difamam a imagem da China com intenções sinistras, disse porta-voz da Chancelaria
Comentário: Investidores globais estão otimistas com o mercado de capitais da China
Compatriotas de Taiwan têm tratamento igualitário em mais setores na parte continental chinesa
Alto funcionário do PCCh critica ato dos EUA sobre Hong Kong