Exposição de Música e Vida de Beijing

Published: 2017-08-14 16:41:38
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Exposição de Música e Vida de Beijing

Exposição de Música e Vida de Beijing

A cidade chinesa de Beijing sediou, no início de maio, a Exposição de Música e Vida de Beijing. A mostra, que contou com a participação de um grande número de fabricantes de instrumentos musicais como Yamaha, Casio, Roland e Marshall, atraiu mais de 20 mil visitantes. O evento, além de ser uma promoção comercial, ofereceu também shows, palestras e atividades educativas voltadas às crianças.  


O que você está ouvindo é a apresentação de um instrumento chamado de Hang ou tambor Hang. O objeto, criado por um casal suíço em 2001, é construído por duas meia-conchas de chapas de metal, que ficam coladas pelas bordas, deixando assim o interior oco e em forma de disco voador.


O apresentador da empresa Ling disse que a produção do instrumento étoda feita à mão, e que a empresa é a primeira chinesa que conseguiu fabricar propriamente o instrumento.


“O Hang é adaptado a diversos estilos de apresentação. Pode ser apresentado solo ou ser tocado em conjunto com outros instrumentos. Mas na minha opinião, um instrumento tão personalizado como ele não deve vir acompanhado de outros.”


Apesar de ser um instrumento jovem, o Hang já é conhecido pelos chineses por aparecer na novela chinesa “Para Ser Um Homem Melhor”. A trilha sonora da novela é apresentada por esse instrumento.


A exposição também mostra os instrumentos bem antigos. A música que está ouvindo é interpretada por Konghou, um instrumento da antiguidade chinesa. A origem de Konghou data da mesma época do Egito antigo, cerca de cinco mil anos atrás. Na China antiga, o instrumento era tocado tanto na corte como na sociedade civil. Nos anos 700 depois de Cristo, a arte de apresentação de Konghou chegou ao seu auge e o instrumento começou a se popularizar também nos países vizinhos como Japão e Coreia. Ao entrar no século 14, Konghou perdeu pouco a pouco sua popularidade, que acabou por desaparecer. Nos anos 80 do século 20, os músicos e profissionais chineses recuperaram o instrumento e se empenharam na sua divulgação. A forma de Konghou é muito parecida com a harpa ocidental, mas a apresentadora da fabricante Jiuding, Hong Ke, indicou as diferenças.


“A harpa têm apenas uma fila de cordas, enquanto Konghou possui duas filas, com 36 cordas a cada lado. No total, são 72 cordas. Por isso, o Konghou tem um alcance maior  que a harpa.”


Em um canto da exposição, uma calígrafa está fazendo uma obra de caligrafia. Ela vem do grupo musical Fenghuang Zhiyin. O diretor do grupo, Wang Guangming, disse que o grupo é dedicado à interpretação da música tradicional chinesa.


“O grupo tem os instrumentos chineses de Lvguan, Zheng, ambos com uma história de dois mil anos. Além disso, temos também o tambor chinês, tigelas de cobre e de cristal e sininhos. ”


Para Wang, a música representa um estilo de vida. Ele espera que a música interpretada por seu grupo se aproxime mais da Natureza e a essência da vida, e seja capaz de acalmar as pessoas nessa sociedade de ritmo acelerado.


 


Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Ferrovia de alta velocidade chinesa atrai visitantes na Exposição China-Países Árabes
Water Show, em Puyang, na província de Henan
Vista aérea de Litong, vila antiga de Suzhou
Voluntários trabalham na 9ª Cúpula do BRICS em Xiamen
Noite de gala na Cúpula dos BRICS 2017
18ª Bienal Internacional do Livro do Rio

Notícias

Aldeia de Yantian está esperando seu “desabrochamento”
Turismo vermelho de Jinggangshan beneficia as pessoas locais
Especialistas avaliam êxitos da Cúpula do BRICS de Xiamen
Presidente chinês envia carta de congratulação para inauguração da Feira China-Países Árabes
Presidente de Comitê Olímpico é suspeito de corrupção na candidatura do Rio
Cúpula do BRICS é encerrada com promessa de aprofundamento de parceria