Acadêmico chinês Zhou Zhiwei apresenta suas perspectivas sobre o Brasil para 2022

Fonte: CRI Published: 2021-12-31 16:57:23
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Como a China olha o Brasil? Para o diretor-executivo do Centro de Estudos Brasileiros, Zhou Zhiwei, o peso regional e mundial do Brasil e sua identidade internacional semelhante com a China despertam um crescente interesse dos pesquisadores chineses. O trabalho do pesquisador se torna cada dia mais intenso no estudo da trajetória de desenvolvimento e a estratégia global deste parceiro importante para impulsionar de forma construtiva as cooperações e colaborações entre a China e o Brasil tanto no âmbito bilateral quanto multilateral.

Composto por três especialistas em política internacional e dois economistas, vinculado ao maior think tank da China, o Centro dos Estudos Brasileiros promoveu em 2021 uma série de pesquisas e debates focados em temas de destaque, como a situação pandêmica no Brasil, sua participação nas operações da Paz da ONU, os investimentos chineses na infraestrutura brasileira, bem como as perspectivas do relacionamento da China com toda a América Latina após a pandemia.

O interesse é recíproco. No caso de Zhou Zhiwei, ele foi convidado pelos colegas brasileiros para apresentar os planejamentos socioeconômicos e as experiências da governança da China em muitas discussões virtuais. Mas percebe que ainda existe uma falta de conhecimento do público brasileiro a respeito da China de hoje, sugerindo uma atenção especial às reformas atuais do país para entender a força motriz do desenvolvimento chinês. Além disso, o pesquisador espera que as pessoas tentem descobrir a visão chinesa sobre o mundo, visto que as pessoas precisam aceitar que são diferentes e assim poderão se respeitar e aumentar o conhecimento mútuo.

Diante da voz discordante sobre a interação China-Brasil nas áreas de comércio, o especialista sênior na questão brasileira rebateu que o consumo chinês da carne e soja brasileira estão contribuindo bastante para o desenvolvimento da economia brasileira. “O comércio exterior sempre se baseia no princípio de vantagem comparativa, e o fluxo de importações e exportações entre Brasil e China é obviamente o resultado da boa relação entre oferta e demanda”, assinalou Zhou Zhiwei. Observando a diversificação de origem da compra chinesa de carnes, ele indica que um grande desafio para o Brasil é como garantir sua participação no mercado chinês, porque há cada vez mais concorrentes nessa área.

Quanto à preocupação brasileira ao investimento chinês, Zhou Zhiwei considera que o Brasil deveria ter uma posição mais aberta aos investidores de todo o mundo, inclusive a China, uma vez que o investimento estrangeiro que o Brasil recebe ainda é insuficiente para estimular seu crescimento e elevar sua competitividade industrial. “A questão fundamental é que o Brasil deve fortalecer sua orientação sobre os capitais estrangeiros, para que os setores que necessitam de mais capital possam se desenvolver verdadeiramente”, concluiu Zhou Zhiwei.

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Descartes de café se tornam móveis de casa
Restaurante de pets é aberto em Taiyuan
Confira! Sua encomenda “2022” já está chegando!
Artesã de Henan faz bordado de tigre para receber o Ano Novo Chinês
Quilometragem operacional do trem-bala da China supera 40 mil km
China lança satélite de teste de tecnologia de comunicação No.9

Notícias

Cidade antiga em montanhas de neve – Cortina d’Ampezzo
A BFSU realiza Fórum Global do Índice de Ano Novo de 2022 e lança pela primeira vez o metaíndice, a declaração da ética do índice e Inpexpedia
Nos últimos 32 anos, chanceler chinês insiste em visitar África como seu primeiro destino todos os anos
Qual é a influência da RCEP?
Um marco urbano verde dos Jogos Olímpicos de Inverno
Sucesso da China é mantido em segredo no Ocidente