Flávio Bolsonaro realça as boas-vindas ao investimento chinês no Brasil

Fonte: CRI Published: 2019-09-20 17:09:24
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Na primeira viagem à China, o senador federal do Brasil, Flávio Bolsonaro, parabenizou o povo chinês pela marca importante dos 70 anos da fundação da República Popular da China, descrevendo o país como surpreendente e bem organizado.

Junto com a comitiva do Senado Federal, Flávio Bolsonaro dispõe de uma agenda cheia de visitas a empresas chinesas de tecnologia, incluindo a Huawei, a Alibaba e a petrolífera CNPC. Falando do investimento chinês no Brasil, que se expandiu muito neste ano, o senador deu boas-vindas a esse fluxo de capital para que alavanque o desenvolvimento de seu país na área de infraestrutura e geração de empregos.

Segue a íntegra da entrevista.

CRIpor: Antes de vir, o Sr. Senador havia escrito nas redes sociais muitas expectativas desta primeira viagem à China. Primeiramente, poderia contar uma impressão geral até o momento?

Senador Flávio: Estou muito honrado com o contive de estar aqui na China. É um país surpreendente e muito bem organizado aqui em Beijing. O povo tem uma característica parecida com povo brasileiro, como a receptividade e a atenção dada aos visitantes. Portanto, a gente está muito confortável aqui na China.

CRIpor: Já teve encontro com a petrolífera chinesa? Em que o Brasil e a China podem cooperar na área de exploração de petróleo e gás.

Senador Flávio: Vamos ter esse encontro hoje. Na verdade é uma manifesta de intenção de conhecer a petrolífera CNPC (China National Petroleum Corporation). Porque estamos na iminência de um acordo que vai favorecer muito o Rio de Janeiro e o Brasil, sendo uma refinaria, na verdade, um complexo petroquímico que fica em Itaboraí, no Estado do Rio de Janeiro, que eu represento como senador, com a possibilidade de construção de uma usina termelétrica. Já de frente dali possui poços de petróleo, inclusive recentes que vão ao leilão no final do ano, o chamado pré-sal. E também no campo de Marlim, um outro leilão importante que vai acontecer. E a petrolífera CNPC é muito bem-vinda nessa disputa de leilão, assim como todas outras que têm o interesse em explorar essa região riquíssima que fica na área do Rio de Janeiro. A expectativa é só levar essa mensagem à CNPC que é muito importante a participação deles nesses leilões e também na conclusão dessa obra no complexo petroquímico do Rio de Janeiro para possamos ter uma grande usina termelétrica e também uma grande unidade de processamento de gás natural.

CRIpor: Este ano o investimento chinês expandiu bastante. Neste contexto, como o senhor considera os investimentos da China?

Senador Flávio: São muito importantes não só para nossa balança comercial, mas também, como falei, em para o desenvolvimento do nosso país nessa área de infraestrutura e geração de empregos. Então fico feliz que exista essa confiança da China em relação ao Brasil. Nós brasileiros, também ao longo do tempo, temos dado a nossa manifestação de confiança, com fornecimento de muitas commodities, a parte de alimentação que a China compra muito do Brasil. Eles têm a segurança não só de nossa qualidade, como também a habitualidade. Não rompemos o fornecimento de alimentos em função de qualquer motivo. Então essa relação está consolidando cada vez mais. É um grande parceiro comercial que nós temos, apesar da distância. Outras pautas a gente pretende avançar com relação à China por ocasião da visita do presidente Jair Bolsonaro no próximo outubro.

CRIpor: A delegação visitou a Huawei e visitará também o Alibaba. Como o senhor observa as empresa de tecnologia e internet da China? E seu ponto de vista sobre rede 5G?

Senador Flávio: Acho que é fundamental e importante. É o futuro. A gente não pode impedir o futuro. Pelo contrário, tem que estimular. O Brasil fica acompanhando um pouco de distância. Eu sinceramente espero que esse problema entre China e Estados Unidos se resolva o quanto antes. Quanto mais concorrência, no meu ponto de vista, é melhor para os consumidores. Então, nós brasileiros, como consumidores, ainda não temos a capacidade de desenvolver uma tecnologia própria sobre isso. Quem sabe, algum dia com compartilhamento de conhecimentos e dessa tecnologia e de tantas outras, nós vamos ter essa capacidade algum dia. Temos recursos humanos para isso, mas falta a nossa capacidade de investimento maior e de uma forma permanente para que nós tenhamos os resultados diretos desse investimento em inovação e pesquisa. Como brasileiro, acho importante. A tecnologia vem para facilitar a vida das pessoas. Quanto mais concorrência tiver, obviamente é melhor para os consumidores.

CRIpor: E outro programa da visita em Beijing mais impressiona?

Senador Flávio: Na verdade eu tive um convite do embaixador brasileiro na China. Ele pode me passar uma série de questões importantes em relação à China. Surgiu dessa reunião algo que nós já sugerimos ao governo que estude uma profundidade e a facilitação do visto para turistas chineses irem ao Brasil para viagem ou também realização de negócios. A ideia foi muito bem recebida pelo nosso ministro das Relações Exteriores. Ele já se comprometeu a ver a melhor forma de facilitar o acesso ao visto. Acho que é um passo importante para aumentar essa quantidade de turistas chineses no Brasil, e com isso facilita a integração. A aproximação dos povos acaba quebrando inclusive os preconceitos. A tendência é que nós possamos receber tão bem os chineses como nós brasileiros estamos sendo recebidos na China.

CRIpor: Pela ocasião de comemorar os 45 anos do estabelecimento das relações diplomáticas, como o senhor resumiria os resultados destas boas relações? E expectativas?

Senador Flávio: Acho muito positivo. São quase meio século de relações diplomáticas. Nós temos ainda toda possibilidade de termos vários séculos de boa relação diplomática. Nós, como um povo soberano, independente e autônomo, temos nossas questões internas. A China tem suas questões internas. Acho que cabe a cada país respeitar a suas questões, que são resolvidas dentro da própria casa, e potencializar as relações diplomáticas e comerciais com aquilo que for convergente e for bom para as duas nações. Mas podemos avançar muito. O Brasil tem toda a intenção de ampliar essa relação.

CRIpor: A intensificação de contato entre os partidos e os governos estaduais e municipais ajuda a aprofundar relações. No caso do Partido Social Liberal, o que podemos fazer para impulsionar os intercâmbios no sentido de governança?

Senador Flávio: Vale essa aproximação. A gente está falando de partidos que representam os governos de dois países soberanos. Então mais uma vez, a gente não tem que ficar entrando nas questões internas, e sim tratando daquilo que haja convergência e que se interesse os dois povos. Eu me coloco pessoalmente a disposição para promover essa integração. A gente não está falando de um alinhamento político e ideológico ou geoestratégico, está falando de aproximação de relações comerciais, de trazer para próximo as culturas diferentes dos dois países. Acho ser muito saudável. O Brasil recebe e abraça bem todos os povos do mundo. E a gente com chinês pode avançar de forma muito mais rápida, facilitando o acesso do povo chinês até o Brasil e vice-versa. Tenho certa de que há muitos brasileiros gostariam de conhecer a China. A gente desfazendo essas questões burocráticas e diplomáticas consegue potencializar essa relação.

CRIpor: A China está celebrando o 70º aniversário de sua fundação. Como o senhor comentaria o desenvolvimento da China ao longo destes 70 anos?

Senador Flávio: Todo paíse deve buscar permanentemente o seu aprimoramento e reavaliar as políticas para ver se estão no caminho certo. É a primeira vez que venho à China, então não tenho uma referência como era a China há dez ou vinte anos atrás. Outros colegas senadores que já estiveram puderam relatar que, na ultima década, a China realmente teve um salto importante nas suas políticas e nas suas relações externas com outros países. Eu parabenizo ao povo chinês por essa marca importante, em tanto tempo com nossa nova era, e que possa aprimorar cada vez e o povo chinês possa ter cada vez mais atenção do seu governo. O que nós também buscamos no Brasil: o Estado deve funcionar para que os indivíduos tenham uma vida melhor e possam caminhar com próprias pernas sem depender do Estado. Esse é o objetivo que buscamos.

CRIpor: Estamos muito contentes em saber que o estimado presidente Jair Bolsonaro deve visitar a China em outubro. Do ponto de vista do senhor, qual será o foco da visita do senhor presidente?

Senador Flávio: A própria presença dessa comitiva dos senadores e de uma deputada já reforça a importância que nós damos à relação entre os dois países. O presidente Bolsonaro vai ter oportunidade de falar pessoalmente com o presidente da China. Nós temos todo interesse de ampliar essas relações. Acredito que a reunião vá gerar muito em torno da questão de agronegócio, da tecnologia, da energia. Como falei, o Brasil está no momento em que vai leiloar muitos postos de petróleo e então vai despertar o interesse de todo o mundo na nossa região. Mais o item que pode estar na nossa pauta é o turismo, que é um grande potencial para avançar nessa integração entre os dois povos. O primeiro passo pode ser dado inclusive nesse encontro é houver possibilidade de anunciar uma flexibilização dos vistos para os turistas e quem fazer negócios no Brasil, o os brasileiros que tiverem interesse de vir para a China.

CRIpor: No que diz respeito ao âmbito internacional. O Brasil e a China são membros do G20 e Brics, com cúpula a ser realizada no Brasil neste ano. Qual tema mais interessa o Brasil?

Senador Flávio: O que há interesse convergente é a questão do agronegócio e das nossas commodities e nossos minérios. Isso passa também pro um investimento grande que o Brasil precisa em infraestruturas, na parte de ferroviária e rodoviária, nos portos e aeroportos. Como o Brasil passa por um momento de crise financeira, os Brics podem compensar essa carência com investimentos. Obviamente, isso vai interessar aos outros países do Brics, em especial a China, que precisa dessa produção, de comprar nossos gêneros alimentícios, tudo que envolve nosso agronegócio. Porque o Brasil é uma referência mundial. Temos o que interessa o mundo e o mundo tem a capacidade de investimento. Acho que é uma complementaridade das economias, especialmente entre Brasil e China. Então, não vejo razão para que nós não possamos avançar cada vez mais nessas oportunidades. Então, não só a visita do presidente Bolsonaro à China em outubro, como essa cúpula do Brics que vai acontecer no nosso país em novembro, isso pode ser aprimorado. Ainda há um terceiro encontro a ser marcado, que o governo brasileiro já oficializou e formalizou o convite ao presidente chinês, Xi Jinping. São diversas manifestações de interesse mútuo e recíproco entre Brasil e China que estarem mais próximos especialmente nas questões comerciais.

CRIpor: Além de senador federal, também é filho do presidente. O senhor sente alguma pressão com essa dupla identidade? Como consegue alcançar o equilibro na atuação do cargo?

Senador Flávio: É claro que é uma responsabilidade maior. Qualquer ato meu pode e será interpretado como sendo um ato também do presidente da República. Por isso, é importante eu estar junto com a comitiva brasileira para reforçar que não há nada de que o governo Bolsonaro tem contra a China. Pelo contrário, é o nosso maior parceiro comercial. E a gente vem aqui exatamente com a sugestão de integração maior entre os povos. Eu sou um dos três senadores que representam o Estado do Rio de Janeiro. Todos os chineses são bem-vindos ao Rio de Janeiro. E o fato de ser filho do presidente traz essa responsabilidade que, eu peço a Deus todos os dias, a sabedoria para corresponder às expectativas e fazer de forma melhor pro nosso país.


Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Drones apresentam um show de iluminação em Nanjing
Agricultores celebram colheita e 70º aniversário da fundação da China
Uma ponte suspensa de vidro em Zhangjiakou
Paisagem de outono em Lhasa
Metrô de Chengdu decorado com pintura de Huanglong
Festival Internacional de Lanternas de Macau

Notícias

Jovens de Guangdong-HK-Macau comemoram 70 anos de fundação da RPC
Guterres elogia a cooperação da China e suas contribuições às Nações Unidas
República de Kiribati anuncia quebra de relações com autoridades de Taiwan
Comentário: Iniciativa “Cinturão e Rota” ajuda a promover a cooperação comercial entre China e ASEAN
China libera 10 mil toneladas de carne suína dos seus estoques para aumentar fornecimento de carne
Huawei lança primeiro smartphone da segunda geração do 5G