Ministros das finanças e presidentes de bancos centrais do G20 mostram confiança na economia chinesa

Fonte: CRI Published: 2020-03-09 12:43:08
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Os ministros financeiros e os presidentes dos bancos centrais do G20 realizaram uma reunião no final de fevereiro, em Riyadh, Arábia Saudita. O principal tópico de discussão foi o combate conjunto nos desafios e riscos do desenvolvimento da economia global. Vários funcionários, especialistas e responsáveis de organizações internacionais expressaram a satisfação quanto à retomada da produção na China e esperam que o país vença a epidemia o mais cedo possível. Ouça a reportagem.

A presidente do FMI, Kristalina Georgieva, afirmou que a comunidade internacional pode parar a propagação da epidemia com medidas poderosas. No caso de ser controlada eficazmente, a economia chinesa poderá recuperar a normalidade no segundo trimestre, de modo a exercer um impacto relativamente pequeno à economia global. O presidente do Instituto Internacional de Finanças, Timothy Adams, ponderou que nesse período difícil, os povos internacionais devem ficar ao lado do povo chinês, e que o retorno à normalidade da economia chinesa é esperado por todos. O presidente do Banco de Importação e Exportação da África, Benedict Oramah, disse que está confiante nos esforços e na capacidade da China de vencer a epidemia do novo coronavírus.

“Não acho que a atual epidemia é algo de grande preocupação. Quando ela foi controlada eficazmente na China, a nossa confiança se reforçou. Vimos agora que em muitos lugares no país, as fábricas já recuperaram a operação. Por isso, acho que a fase mais dura já passou e podemos olhar para frente. Embora a epidemia esteja se espalhando para outros países, acredito que a China pode ajudar com suas experiências na prevenção e controle da epidemia.”

Um especialista econômico dos EUA, William Anawaty, tem estudado o desenvolvimento econômico dos países do Leste Asiático. Segundo ele, a economia chinesa tem sido resiliente, e mesmo com impacto temporário por causa da epidemia poderá voltar ao crescimento normal rapidamente.

“A China já adotou medidas poderosas e responsáveis no início do surto, fazendo com que tenhamos cada dia mais confiança no controle da epidemia. Na crise, a China mostra ao mundo sua forte capacidade de reajuste na ciência tecnológica e em outros aspectos. O capital estrangeiro pode sentir mais o vigor da economia chinesa que pode se recuperar em qualquer condição. Por isso, posso dizer que a economia chinesa está se desacelerando temporariamente. Mesmo nos momentos atuais, há muitos amigos que me perguntam quando podem ir à China.”

Anawaty ressaltou que a China constitui um importante elo na cadeia industrial global e lidera mais e mais áreas. Na luta contra o novo coronavírus, um desafio de toda a humanidade, as experiências chinesas acumuladas em dezenas de anos servem de uma garantia forte para o próprio país vencer as dificuldades e de um apoio poderoso à prevenção e controle epidêmico em outros países. Isso é um consenso de todos.

“A China possui uma grande criatividade industrial, como energia, eletricidade e automotiva, e lidera o mundo. Creio que ela não será influenciada pela epidemia. Nota-se que a China já estabeleceu um sistema autônomo na ciência e tecnologia avançada. Além disso, o país também se tornou um líder no setor de tecnologia financeira.

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Cultivo da primavera começa na China
Médicos do hospital de Tianjin realizam consultas online
Muralha da cidade de Xi'an reabre ao público com sistema de reserva online
Funcionários permanecem em trabalho em meio ao surto epidêmico
Palácio Potala oferece passeio turístico virtual por streaming ao vivo
Paisagem de primavera na província de Shaanxi

Notícias

FGV Rio promove seminário focado no combate ao COVID-19
Comentário: Comunidade internacional refuta políticos por atribuírem epidemia à China
Bancos chineses têm superavit na liquidação cambial
Volume de negócios no mercado de divisas da China atinge US$ 1,94 trilhão em janeiro
BPC suspende operações de recompra reversa pelo 14º dia consecutivo
Moeda chinesa se fortalece contra dólar americano pelo quinto dia consecutivo