Para presidente da Apex-Brasil, China mostra determinação de abertura pela Feira Internacional de Importação

Fonte: CRI Published: 2018-07-03 15:28:02
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Em 2018, a China completa 40 anos da política da reforma e abertura. Para o presidente da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), Roberto Jaguaribe, quatro décadas depois, a China de hoje tem passos mais firmes no caminho da reforma e abertura. Essa política trouxe para a China grandes influências que chama a atenção do mundo inteiro.

“Esse processo, que se dá a partir de 1978, é importante como é o processo fundamental para a modernização e a capacitação, não apenas comercial e econômica, mas também tecnológica e industrial da China. O país deu a volta por cima. Este processo foi extremamente exitoso e fez com que a China tivesse o desempenho que tem hoje, se transformando, em 40 anos, em uma economia muito vigorosa e o principal comerciante do mundo.”

Em 2017, o valor de importação e exportação entre a China e o Brasil contabilizou US$ 74,81 bilhões. Desse total, a exportação brasileira à China foi de US$ 47,49 bilhões, 21,8% da exportação total do país. A China é o maior parceiro comercial do Brasil em oito anos. Em 2018, as empresas chinesas aumentaram notavelmente o investimento no país sul-americano, nos primeiros quatro meses atingindo US$1,34 bilhão. Jaguaribe disse que o investimento chinês é muito positivo para a economia brasileira.

“É verdade que a China passou a ser cada vez mais relevante como investidor em setores diferentes, particularmente nos setores elétrico e de energia. A China tem tido uma participação crescente no Brasil e nós achamos isso extremamente positivo e somos muito agradados com o aumento da presença e participação chinesa no Brasil.”

No mundo de hoje, o protecionismo comercial crescente está impactando a estabilidade da economia global. Na entrevista, Jaguaribe expressou as preocupações sobre isso, pois o unilateralismo e o protecionismo comercial estão mais graves do que o previsto. Ele sublinhou que tanto o Brasil como a China são defensores do sistema de livre comércio e de multilateralismo e deseja que os conflitos comerciais sejam resolvidos o quanto antes.

“É evidente que a ampliação do comércio traz benefícios sistêmicos, todos ganham. O protecionismo e as guerras comerciais não são geradores de riqueza. O comércio é gerador de riqueza. Então o Brasil acredita na necessidade de duas coisas. Primeiro, evitar protecionismo e, segundo, e mais importante ainda, regras gerais de comércio.”

Em maio do ano passado, o presidente chinês, Xi Jinping, anunciou que a China organizará a primeira feira internacional de importação. Sob a sombra da guerra comercial, a China lançou o sinal claro de abertura maior. Jaguaribe destacou que esta foi a primeira feira mundial tendo a importação como tema, demonstrando a determinação chinesa para a abertura.

“Acho que é uma iniciativa muito importante e acredito que ela será bem sucedida. Acho que é necessária por que a China passou a ter um papel muito relevante no contexto global, de modo que uma estratégia de ampliação das importações na China gera mais comércio e mais equilíbrio. Portanto é uma medida extremamente bem-vinda e não tenho menor dúvida, em sendo uma decisão em todos os níveis do governo chinês, que ela vai ser tomada.”

Jaguaribe revelou que o Brasil está preparando positivamente para a feira. O país aguarda, aproveitando essa oportunidade, por oferecer mais produtos para o mercado chinês de grande potencial.

“A China vai ser um mercado de crescente sofisticação, isso vai abrir um leque de opções em todos os seguimentos. É evidente que para o Brasil a área mais natural se encontra de novo em alimentos. São várias cadeias novas que têm relevância onde o Brasil tem competitividade e tem uma capacidade de oferta significativa. Nós vamos fazer já um ensaio nesse evento do comércio em novembro deste ano, em Shanghai, nesta feira de importação.”

Jaguaribe acha que o povo brasileiro e o povo chinês ainda precisam se conhecer mais. Porém, ele acredita que a desempenho da seleção brasileira na Copa do Mundo vai fazer com que os chineses conheçam melhor o país maravilhoso da América do Sul. 

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Figuras animadas da Ghibli “invadem” Shanghai
Artista criou um castelo de pedra na província de Guizhou
Mar de nuvens na montanha Huangshan na província de Anhui
Shenzhen nas últimas 4 décadas: de pequena vila piscatória a metrópole
Melões Hami colhidos em Xinjiang
Onda de calor atinge Jiangsu, no leste da China

Notícias

EUA podem ter cometido erro ao calcular déficit com a China, diz especialista
É cedo para discutir a saída dos Estados Unidos da OMC, diz Wilbur Ross
Secretário de Estado dos EUA fará segunda visita à RPDC para novas consultas
Liangjiahe 3 - “sou mesmo um agricultor”
Mídia mexicana anuncia Obrador como virtual eleito à Presidência do país
Mexicanos vão às urnas para escolher novo presidente do país