Web  portuguese.cri.cn  
Indústria esportiva da China cresce e setor busca diversificar investimentos
  2017-02-15 14:36:42  cri

Mantendo um ritmo sólido e constante de desenvolvimento, a indústria de esportes chinesa estava crescendo em 2016 enquanto investidores tentavam cobrir uma escala mais ampla de negócios, encontrando novos motores para impulsionar o crescimento.

INDÚSTRIA ORIENTADA POR POLÍTICAS

O Conselho de Estado da China emitiu um documento em 2014 para orientar o desenvolvimento da indústria do esporte e promover o consumo no setor.

As políticas provinciais, baseadas no documento nacional, foram liberadas em 2015 em diferentes regiões, e medidas mais específicas foram tomadas em diversas unidades administrativas.

A Administração Estatal do Esporte publicou o 13º Plano Quinquenal sobre a indústria do esporte em julho de 2016, e outros 22 documentos relativos para apoiar o plano. Esses documentos estimam que a indústria do esporte irá superar os 3 trilhões de yuans (432 bilhões de dólares) até 2020. O valor agregado da indústria deve atingir 1% do PIB e o consumo de esportes pode alcançar 2,5% da renda per capita até lá.

O Programa Nacional da Saúde (2016-2020) e o esboço da saúde da China (2030) foram emitidos também em 2016 para oferecer indicações desobstruídas para uma estratégia nacional da saúde dos cidadãos, assim como para a indústria do esporte também.

O Conselho de Estado ainda destacou os problemas no status quo das indústrias de fitness, esporte e lazer, oferecendo instruções sobre as principais tarefas a seguir nas suas orientações nacionais emitidas em outubro do ano passado.

Por fim, a Administração Estatal do Esporte, juntamente com muitos outros departamentos governamentais nacionais, publicou políticas e planos em esportes de inverno, esportes náuticos, esportes aeróbicos, esportes montanhosos ao ar livre e outras atividades.

Estas políticas que se relacionam à indústria do esporte não são meros tiros no escuro. Elas são ao mesmo tempo realistas, práticas e fundamentadas, estabelecendo um roteiro para o desenvolvimento da indústria chinesa do esporte nos próximos anos.

EMPRESAS CHINESAS CADA VEZ MAIS RAZOAVÉIS

De maneira surpreendentemente oposta à maré de compra mundial observada no ano passado, os investidores de esportes chineses aparentemente começaram a agir com cautela em 2016, e a procurar uma maneira mais eficaz de fazer negócios.

O gigante varejista da China Suning Group adquiriu uma participação de 70% no clube de futebol italiano Inter de Milão, um negócio de 270 milhões de euros (282 milhões de dólares), talvez a maior notícia da indústria esportiva de 2016.

Enquanto isso, cada vez mais grandes conglomerados de capital estão mudando o foco da indústria para impulsionar o valor de mercado de empreendimentos esportivos.

A empresa de redes sociais da China Tencent assinou um contrato com a Federação Internacional de Basquete (FIBA), tornando-se seu principal parceiro nos próximos nove anos. A cooperação entre a FIBA e a Tencent ocorrerá nas redes sociais, nos pagamentos on-line, streaming e comércio eletrônico.

A cooperação está em constante expansão. O gigante imobiliário chinês Wanda Group estabeleceu uma parceria exclusiva com a FIBA para um patrocínio mundial, incluindo a venda de direitos de licenciamento e direitos de marketing global para o período de quatro mundiais de basquete, até 2033.

As parcerias estão florescendo na frente doméstica também. A empresa chinesa de comércio eletrônico Ali Sports assumiu os direitos exclusivos de TV para a Associação Chinesa de Basquete Universitário. A empresa de vídeo online Storm Sports expandiu seus negócios para incluir a transmissão ao vivo da Associação Chinesa de Basquete (CBA). Espera-se que a competição pelos direitos de TV da CBA seja extremamente dura em 2017, depois que a CBA incorporou sua própria companhia este ano.

O Grupo Wanda se uniu com a Associação Chinesa de Futebol para organizar o torneio de futebol Copa da China em 2017, prometendo torná-lo uma entidade bem conhecida no futuro. Enquanto isso, o grupo Suning fez um enorme investimento na compra de direitos de TV para a Liga Inglesa de futebol. Ti'ao Dongli, detentor dos direitos para a Superliga chinesa (CSL), estabeleceu seu próprio centro de transmissão de TV.

Os investimentos em esportes se expandiram para diferentes áreas em toda a indústria. De acordo com um documento de pesquisa sobre investimento esportivo e financiamento, divulgado pelo banco independente Sports Bank, o dinheiro também foi direcionado para programas de operação de estádios, marketing de eventos esportivos, mídia esportiva, musculação, treinamento físico e turismo esportivo. Depois de obter investimentos, muitos novatos nos negócios estão se esforçando para superar o desafio primordial de conquistar mais consumidores.

Zhong Bingshu, diretor da Universidade de Educação Física e Esportes, disse que grandes fontes de capital estão com fome de grandes nomes e clubes para formar parcerias, mas vê uma mudança ano a ano no comportamento do mercado.

"Uma grande quantidade de capital correu para a indústria do esporte, especialmente nas áreas de eventos esportivos e parcerias com clubes famosos em 2015. Esta tendência abrandou em 2016. Os investidores estão ficando mais racionais e eles estão pensando em ganhar dinheiro. Além de eventos esportivos, há uma grande quantidade de potencial de marketing em fitness e esportes de lazer ", disse Zhong.

ECONOMIA 'ESPORTE +'

A Integração entre as indústrias é uma das características mais óbvias da indústria chinesa do esporte que tem expandido o mercado para os campos de turismo, cultura, educação, cuidados médicos e redes sociais. O desenvolvimento da indústria em geral não se concentra apenas nos próprios acontecimentos. Novas áreas de crescimento potencial estão criando novas possibilidades. Estes caminhos para cooperação interindustrial são conhecidos como "Esporte +" oportunidades.

Tomamos o esporte + turismo como um exemplo. Um total de 3,38 milhões de pessoas participaram em 311 eventos esportivos de janeiro a abril de 2016, consumindo 11,9 bilhões de yuans (1,7 bilhões de dólares) em tráfego, comunicações, hotéis, restauração e outros serviços.

Dados oficiais da Superliga chinesa mostram que o número dos espectadores por jogo na temporada 2016 foi 2 mil acima do verificado em 2015. Além de verem jogos ao vivo, mais e mais fãs estão assistindo aos jogos via internet. Tendências semelhantes estão aparecendo no basquete, vôlei e tênis de mesa.

O negócio "Esporte +" também precisa superar seus defeitos nesta fase inicial de seu desenvolvimento. Muitas empresas de esportes são incapazes de desfrutar de políticas fiscais preferenciais e algumas leis e regulamentos locais estão muito aquém do desenvolvimento da indústria.

As associações esportivas, muitas das quais não foram reformadas ou transformadas em órgãos não governamentais, têm uma mão fraca para desenvolver a indústria. Enquanto isso, a falta de infraestrutura esportiva ainda é um grande problema em muitas cidades.

Futuramente, especialistas do setor dizem que o esporte, como uma estrela recém-nascente na economia da China, exige paciência e conduta fundamentada por pesquisas de mercado, em vez de jogar com grandes quantidades de capital, em busca de sucesso rápido e benefícios imediatos.

 Imprimir  Comentar  Envie para um amigo
Leia mais
Comentário

v Conheça uma das ruas mais famosas de Xiamen

v Os mais incríveis bolos de casamento
mais>>
Aviso Vídeo
Olá, queridos amigos. O Fórum de Cooperação Internacional "Um Cinturão e Uma Rota" será realizado entre os dias 14 e 15 de maio em Beijing. Para ajudar nossos ouvintes e internautas a conhecer melhor a iniciativa chinesa "Um Cinturão e Uma Rota", a Rádio Internacional da China (CRI) organiza o concurso Saiba a Iniciativa "Um Cinturão e Uma Rota", que será realizado entre os dias 15 de abril e 5 de maio. São só cinco questões de múltipla escolha. A participação é simples, e você ainda pode ganhar uma lembrancinha que preparamos para os participantes!
Ranking dos textos mais lidos
• My Fair Lady: parte 2
• Holanda acolhe panda chinês
• Pérola
• Entrevista com fadista portuguesa, Dona Rosa Martins
• Sala de Visitas: Um bate-papo com Bobby Xi que trabalha com importação de produtos brasileiros na China
• Glacial Perito Moreno, maravilha natural na Argentina
mais>>
Galeria de fotos

Novas fotos da atriz Fan Bingbing

Paisagem de Dunhuang no noroeste da China

Salão do Automóvel de Shanghai 2017

Vale dos damascos atrai turistas em Xinjiang
mais>>

• Fanzine Nº6, 2016

• Fanzine Nº5, 2016
mais>>
© China Radio International.CRI. All Rights Reserved.
16A Shijingshan Road, Beijing, China. 100040