Web  portuguese.cri.cn  
Indústria esportiva da China cresce e setor busca diversificar investimentos
  2017-02-15 14:36:42  cri

Mantendo um ritmo sólido e constante de desenvolvimento, a indústria de esportes chinesa estava crescendo em 2016 enquanto investidores tentavam cobrir uma escala mais ampla de negócios, encontrando novos motores para impulsionar o crescimento.

INDÚSTRIA ORIENTADA POR POLÍTICAS

O Conselho de Estado da China emitiu um documento em 2014 para orientar o desenvolvimento da indústria do esporte e promover o consumo no setor.

As políticas provinciais, baseadas no documento nacional, foram liberadas em 2015 em diferentes regiões, e medidas mais específicas foram tomadas em diversas unidades administrativas.

A Administração Estatal do Esporte publicou o 13º Plano Quinquenal sobre a indústria do esporte em julho de 2016, e outros 22 documentos relativos para apoiar o plano. Esses documentos estimam que a indústria do esporte irá superar os 3 trilhões de yuans (432 bilhões de dólares) até 2020. O valor agregado da indústria deve atingir 1% do PIB e o consumo de esportes pode alcançar 2,5% da renda per capita até lá.

O Programa Nacional da Saúde (2016-2020) e o esboço da saúde da China (2030) foram emitidos também em 2016 para oferecer indicações desobstruídas para uma estratégia nacional da saúde dos cidadãos, assim como para a indústria do esporte também.

O Conselho de Estado ainda destacou os problemas no status quo das indústrias de fitness, esporte e lazer, oferecendo instruções sobre as principais tarefas a seguir nas suas orientações nacionais emitidas em outubro do ano passado.

Por fim, a Administração Estatal do Esporte, juntamente com muitos outros departamentos governamentais nacionais, publicou políticas e planos em esportes de inverno, esportes náuticos, esportes aeróbicos, esportes montanhosos ao ar livre e outras atividades.

Estas políticas que se relacionam à indústria do esporte não são meros tiros no escuro. Elas são ao mesmo tempo realistas, práticas e fundamentadas, estabelecendo um roteiro para o desenvolvimento da indústria chinesa do esporte nos próximos anos.

EMPRESAS CHINESAS CADA VEZ MAIS RAZOAVÉIS

De maneira surpreendentemente oposta à maré de compra mundial observada no ano passado, os investidores de esportes chineses aparentemente começaram a agir com cautela em 2016, e a procurar uma maneira mais eficaz de fazer negócios.

O gigante varejista da China Suning Group adquiriu uma participação de 70% no clube de futebol italiano Inter de Milão, um negócio de 270 milhões de euros (282 milhões de dólares), talvez a maior notícia da indústria esportiva de 2016.

Enquanto isso, cada vez mais grandes conglomerados de capital estão mudando o foco da indústria para impulsionar o valor de mercado de empreendimentos esportivos.

A empresa de redes sociais da China Tencent assinou um contrato com a Federação Internacional de Basquete (FIBA), tornando-se seu principal parceiro nos próximos nove anos. A cooperação entre a FIBA e a Tencent ocorrerá nas redes sociais, nos pagamentos on-line, streaming e comércio eletrônico.

A cooperação está em constante expansão. O gigante imobiliário chinês Wanda Group estabeleceu uma parceria exclusiva com a FIBA para um patrocínio mundial, incluindo a venda de direitos de licenciamento e direitos de marketing global para o período de quatro mundiais de basquete, até 2033.

As parcerias estão florescendo na frente doméstica também. A empresa chinesa de comércio eletrônico Ali Sports assumiu os direitos exclusivos de TV para a Associação Chinesa de Basquete Universitário. A empresa de vídeo online Storm Sports expandiu seus negócios para incluir a transmissão ao vivo da Associação Chinesa de Basquete (CBA). Espera-se que a competição pelos direitos de TV da CBA seja extremamente dura em 2017, depois que a CBA incorporou sua própria companhia este ano.

O Grupo Wanda se uniu com a Associação Chinesa de Futebol para organizar o torneio de futebol Copa da China em 2017, prometendo torná-lo uma entidade bem conhecida no futuro. Enquanto isso, o grupo Suning fez um enorme investimento na compra de direitos de TV para a Liga Inglesa de futebol. Ti'ao Dongli, detentor dos direitos para a Superliga chinesa (CSL), estabeleceu seu próprio centro de transmissão de TV.

Os investimentos em esportes se expandiram para diferentes áreas em toda a indústria. De acordo com um documento de pesquisa sobre investimento esportivo e financiamento, divulgado pelo banco independente Sports Bank, o dinheiro também foi direcionado para programas de operação de estádios, marketing de eventos esportivos, mídia esportiva, musculação, treinamento físico e turismo esportivo. Depois de obter investimentos, muitos novatos nos negócios estão se esforçando para superar o desafio primordial de conquistar mais consumidores.

Zhong Bingshu, diretor da Universidade de Educação Física e Esportes, disse que grandes fontes de capital estão com fome de grandes nomes e clubes para formar parcerias, mas vê uma mudança ano a ano no comportamento do mercado.

"Uma grande quantidade de capital correu para a indústria do esporte, especialmente nas áreas de eventos esportivos e parcerias com clubes famosos em 2015. Esta tendência abrandou em 2016. Os investidores estão ficando mais racionais e eles estão pensando em ganhar dinheiro. Além de eventos esportivos, há uma grande quantidade de potencial de marketing em fitness e esportes de lazer ", disse Zhong.

ECONOMIA 'ESPORTE +'

A Integração entre as indústrias é uma das características mais óbvias da indústria chinesa do esporte que tem expandido o mercado para os campos de turismo, cultura, educação, cuidados médicos e redes sociais. O desenvolvimento da indústria em geral não se concentra apenas nos próprios acontecimentos. Novas áreas de crescimento potencial estão criando novas possibilidades. Estes caminhos para cooperação interindustrial são conhecidos como "Esporte +" oportunidades.

Tomamos o esporte + turismo como um exemplo. Um total de 3,38 milhões de pessoas participaram em 311 eventos esportivos de janeiro a abril de 2016, consumindo 11,9 bilhões de yuans (1,7 bilhões de dólares) em tráfego, comunicações, hotéis, restauração e outros serviços.

Dados oficiais da Superliga chinesa mostram que o número dos espectadores por jogo na temporada 2016 foi 2 mil acima do verificado em 2015. Além de verem jogos ao vivo, mais e mais fãs estão assistindo aos jogos via internet. Tendências semelhantes estão aparecendo no basquete, vôlei e tênis de mesa.

O negócio "Esporte +" também precisa superar seus defeitos nesta fase inicial de seu desenvolvimento. Muitas empresas de esportes são incapazes de desfrutar de políticas fiscais preferenciais e algumas leis e regulamentos locais estão muito aquém do desenvolvimento da indústria.

As associações esportivas, muitas das quais não foram reformadas ou transformadas em órgãos não governamentais, têm uma mão fraca para desenvolver a indústria. Enquanto isso, a falta de infraestrutura esportiva ainda é um grande problema em muitas cidades.

Futuramente, especialistas do setor dizem que o esporte, como uma estrela recém-nascente na economia da China, exige paciência e conduta fundamentada por pesquisas de mercado, em vez de jogar com grandes quantidades de capital, em busca de sucesso rápido e benefícios imediatos.

 Imprimir  Comentar  Envie para um amigo
Leia mais
Comentário

v Céu de guarda-chuvas em Águeda

v Fotos tiradas nas Ruas Kuanzhai
mais>>
Aviso Vídeo
Para conhecer a fundo o Fórum do Cinturão e Rota para Cooperação Internacional, só na Rádio Internacional da China.

Cobertura completa em todas as mídias e em 65 idiomas, transmissão ao vivo em chinês, inglês e russo, notícias em tempo real nas novas mídias para 29 idiomas, reportagens especiais para internet, em 39 idiomas, além das reportagens cooperativas com 130 rádios no exterior.

Fortalecer cooperações internacionais, construir em conjunto "Um Cinturão e Uma Rota", procurar o desenvolvimento de ganhos mútuos.

Ranking dos textos mais lidos
• Sala de visitas: A jornalista brasileira Laís Carpenter fala sobre sua carreira e conta como veio morar na China
• Sabores do Brasil - Muqueca de Peixe e Camarão
• Entrevista com presidente da CMA Group do Brasil, José Sanchez
• Encontre aromas frescos do chá Tieguanyin em Anxi
• Entrevista com pianista portuguesa Marta Menezes
• Sala de visitas: Sergio Moreira Lima fala sobre a importância histórica da diplomacia brasileira na América do Sul e no mundo (Parte II)
mais>>
Galeria de fotos

Zhou Xun e Hu Ge posam juntos para "ELLE"

O Cânion de Yarlung Tsangpo, no Tibete, é o mais profundo do mundo

Renomado artesão produz máscaras do deus "Manghao" no sudoeste da China

Sansha, a cidade mais jovem da China
mais>>

• Fanzine Nº2, 2017

• Fanzine Nº1, 2017
mais>>
© China Radio International.CRI. All Rights Reserved.
16A Shijingshan Road, Beijing, China. 100040