China Radio International
(GMT+08:00) 2006-06-29 10:03:32    
História das velhas casas

cri

Os chineses vem vivendo em siheyuan, terreno quadrangular com habitações ao seu redor, desde a dinastia Yuan (1271-1368). Com a construção urbana em larga escala e outras mudanças registradas na cidade, muita gente tem mudado para viver em novas casas. Entretanto, a gente sente saudade do ambiente das velhas residencias.

Boas memórias das velhas casas

Liu Jie, de 40 aos, deixou de viver em siheyuan há dez anos.

Ela e sua família de cinco membros: seus pais, sua esposa e seu bebê recém nascido, foram os primeiros residentes a serem realojados. Deixaram sua velha casa de 80 anos no centro da cidade para ir a viver em um novo apartamento construído na periferia, a 20 quilômetros da zona urbana. Uns 100 siheyuan foram colocados naquele lugar.

Liu Jie e sua família tem vivido desde então num local de três habitações, cada geração tem uma e se reúnem na sala de estar. Apenas se instalaram no novo local, que Liu Jie começou a sentir saudades de sua vida anterior. Quando ela e sua família viviam na casa de terreno quadrado, passavam horas passeando fora de casa. Eles gostavam muito de tomar o sol do meio dia, escutar os pingos da chuva e contemplar o céu à noite. Liu Jie recorda: "Desde que nos mudamos a este apartamento sempre falamos de nossa vida lá, no terreno quadrado. Sentimos muitas saudades de nossos vizinhos. Alguns deles somente nos cumprimentavam de longe, mas como os víamos todos os dias, pareciam nossos parentes".

Sua antiga casa era muito comum: tinha um terreno de 50 metros quadrados dividido em duas partes: interior e exterior. Duas famílias viviam no terreno interior, cada uma ocupava três habitações de tamanhos modestos. Um telhado de duas águas mantinha a casa fresca no verão e quente no inverno. No centro do terreno tinha uma parcela de terra cultivada com rosas.

"A primeira coisa que fazia a gente pela manhã era limpar a casa", disse Liu Jie. Pela tarde as crianças sentavam nas mesas e faziam as tarefas escolares no pátio. Mais tarde, a gente jogava xadrez e ficavamos agachados em uma esquina para caçar insetos. Liu sente falta das noites de verão quando, "...cada um se sentava no jardim para tomar ar fresco, as crianças escutavam histórias contadas por suas mães e outros vizinhos".

Por outro lado, viver em uma casa com jardim em comum também representava muitos inconvenientes, especialmente para aqueles que viviam em um terreno com muitas famílias. Um inconveniente é a falta de isolamento, o que se ouve claramente o que estavam dizendo os vizinhos da outra porta e perturba o ruído da televisão a noite. Alí nao tem calefação central. No Inverno se usam estufas de carbono para calefação e se corre perigo de envenenar-se pelo gás. Não se dispões de gasoduto e as pessoas cozinham com o o bujão de gás. A cozinha está situada a céu aberto, a comida uma vez cozida tem que ser levada para dentro da casa. Todas as famílias que vivem no terreno compartilham um banheiro. Muitas casas estavam em mal estado. Os residentes querem melhorar suas condiciões da residência, mas ao mesmo tempo não querem deixar o ambiente natural de vida.